Menu
2020-02-06T18:54:22-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Pressão

Novo recorde: dólar à vista sobe mais de 1% após Copom e vai às máximas; Ibovespa recua

O novo corte na Selic, o desânimo com a retomada do grau de investimento pelo Brasil e a pressão sobre as moedas emergentes recolocaram o dólar à vista na faixa de R$ 4,28. O Ibovespa caiu e voltou aos 115 mil pontos

6 de fevereiro de 2020
18:38 - atualizado às 18:54
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O enredo parecia perfeito: o Copom confirmou as expectativas do mercado e cortou a Selic em 0,25 ponto, mas, ao mesmo tempo, sinalizou o fim do ciclo de reduções nas taxas. Uma indicação que tinha tudo para trazer alívio ao dólar à vista — juros mais baixos, afinal, quase sempre implicam em desvalorização do câmbio.

E, ao menos no início da sessão desta quinta-feira (6), essa lógica prevaleceu: o dólar abriu em queda e chegou a encostar na faixa de R$ 4,20. Só que, ainda durante a manhã, a calmaria no mercado de câmbio começou a se dissipar.

Pouco a pouco, a moeda americana foi se valorizando. No início da tarde, o dólar à vista já subia em relação ao real, numa trajetória de fortalecimento que continuou até o fechamento. E, ao fim do dia, o resultado foi um novo recorde nominal para a divisa: R$ 4,2852, em alta de 1,09%.

Ok, é quase um empate técnico em relação à máxima anterior, de R$ 4,2850, anotada em 31 de janeiro. Mas, mais importante que a cotação em si, é a constatação de que o mercado de moedas continua pressionado, descolando do clima relativamente tranquilo visto no Ibovespa e nas bolsas globais.

O estresse visto no dólar à vista se deve a uma série de fatores. Em primeiro lugar, há a própria decisão do Copom: por mais que o ciclo de cortes da Selic tenha terminado, fato é que o Banco Central reduziu a taxa, o que estreita ainda mais o diferencial em relação aos juros dos EUA.

Nas duas últimas reuniões do Copom, a Selic foi cortada em 0,75 ponto, chegando ao piso histórico de 4,25% ao ano, enquanto as taxas americanas permaneceram inalteradas na faixa de 1,50% a 1,75%. Assim, o 'gap' entre os juros dos dois países diminuiu.

Com isso, investidores que buscam rendimentos fáceis têm menos estímulo para colocar recursos no Brasil. É uma conta de risco e retorno: quanto os juros brasileiros eram superiores a 10%, valia a pena correr o risco de aplicar dinheiro no país; agora, essa equação já não é mais tão atraente.

Grau de investimento?

Em paralelo, declarações da agência de classificação de risco Fitch também trouxeram alguma cautela aos investidores. Mais cedo, a instituição destacou que um país com o perfil do Brasil pode levar até dez anos para recuperar o grau de investimento — jogando um balde de água fria nas expectativas do mercado.

A obtenção do selo de bom pagador é fundamental para aumentar a confiança dos investidores estrangeiros e resulta numa maior entrada de recursos externos, fator que diminuiria a pressão sobre o câmbio.

Por fim, um movimento global de fortalecimento do dólar em relação às moedas de países emergentes contribuiu para influenciar ainda mais os rumos da moeda por aqui.

Lá fora, a divisa americana se valorizou em relação ao peso mexicano, o rublo russo, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno, entre outras. O real, contudo, teve um dos piores desempenhos do grupo.

Embolsando os lucros

No mercado de ações, o Ibovespa até tentou dar continuidade ao movimento de recuperação visto na semana, chegando a subir mais de 1% no melhor momento do dia. Mas, assim como o dólar, o índice também mudou de trajetória.

Ao fim da sessão, o Ibovespa marcava 115.189,97 pontos, em queda de 0,72% — destoando do Dow Jones (+0,30%), do S&P 500 (+0,32%) e do Nasdaq (+0,67%), que conseguiram permanecer no campo positivo.

Esse comportamento do Ibovespa, no entanto, não foi motivado por fatores estruturais, mas sim por uma realização dos ganhos recentes — nos três últimos pregões, o índice acumulou alta de 2%. E, sem grandes gatilhos positivos, os investidores preferiram embolsar parte desses lucros.

Boa parte desse movimento se deve às ações dos bancos, que perderam impulso e caíram em bloco: Itaú Unibanco PN (ITUB4) fechou em baixa de 0,24%, Bradesco PN (BBDC4) recuou 1,16%, Banco do Brasil ON (BBAS3) teve perda de 1,69% e as units do Santander Brasil (SANB11) desvalorizaram 2,24%.

Essa tendência negativa vista nos bancos foi parcialmente neutralizada pelas ações da Petrobras, tanto as ONs (PETR3) quanto as PNs (PETR4), que fecharam em alta de 2,69% e 2,78%, respectivamente.

Ontem, o BNDES fixou em R$ 30,00 o preço das ações ON da Petrobras que irá vender na oferta subsequente — a instituição irá vender 734,2 milhões de papéis desse tipo, ficando com uma fatia de apenas 0,16%.

Na ponta negativa do índice, destaque para Braskem PNA (BRKM5), em baixa de 7,46%, após a Justiça de São Paulo determinar que os bancos credores da Odebrecht podem vender as ações da companhia, dadas em garantia pela construtora.

Ajuste nos juros

A indicação de que o BC não vai mais cortar juros daqui para frente, mantendo a Selic em 4,25% ao ano, desencadeou um movimento de ajustes positivos nas curvas de juros — quem apostava em mais um corte na Selic em março precisou rever suas posições.

Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,29% para 4,33%;
  • Janeiro/2023: de 5,42% para 5,45%;
  • Janeiro/2025: de 6,05% para 6,14%;
  • Janeiro/2027: de 6,39% para 6,47%.

Enquanto isso, fora do Ibovespa...

Ontem, as ações ON da Mitre (MTRE3) estrearam na B3 e fecharam em forte alta de 7,77%. Hoje, foi a vez dos papéis ON da Locaweb (LWSA3) começarem a ser negociados — e, assim como a incorporadora, também dispararam em seu primeiro dia.

As ações da estreante fecharam em forte alta de 19,42%, a R$ 20,60— os papéis saíram do IPO a R$ 17,25, no pico da faixa indicativa de preço.

Também fora do Ibovespa, destaque para as ações ON da Centauro (CNTO3), que subiram 14,70%, a R$ 49,71, e chegaram a novas máximas. Mais cedo, a companhia anunciou a compra da Nike do Brasil, por R$ 900 milhões, passando a deter a exclusividade dos itens da marca no país.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta quinta-feira:

  • Cielo ON (CIEL3): +4,69%
  • Weg ON (WEGE3): +3,55%
  • Petrobras PN (PETR4): +2,78%
  • Petrobras ON (PETR3): +2,69%
  • Embraer ON (EMBR3): +1,30%

Confira também as maiores baixas do índice:

  • Braskem PNA (BRKM5): -7,46%
  • Eletrobras ON (ELET3): -4,50%
  • Fleury ON (FLRY3): -4,18%
  • BR Malls ON (BRML3): -3,98%
  • Azul PN (AZUL4): -3,59%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mais uma para a lista

Empresa de shoppings Almeida Junior faz pedido de IPO na CVM

Acionista vendedor é Jaimes Bento Almeida Júnior, fundador da empresa

Seu Dinheiro na sua noite

Um brilho no futuro da Oi

Em recuperação judicial desde 2016 e com uma dívida bilionária, a Oi é uma empresa que divide a opinião de analistas do mercado. Para uns, as ações da tele representam uma aposta de risco, porém com chances de render uma bolada caso o turnaround seja bem-sucedido. Para outros, no entanto, o risco se mostra excessivo, […]

Olha o dinheiro aí

Conselho de administração do Bradesco aprova pagamento de R$ 490,9 milhões em dividendos complementares

O conselho de administração do Bradesco aprovou nesta segunda-feira (17) o pagamento de dividendos complementares, relativos a 2019, no valor de R$ 490.918.326,17. Nesse total, serão pagos R$ 0,058213963 por ação ordinária e R$ 0,064035359 por ação preferencial do banco. O pagamento ocorrerá em 2 de fevereiro, sem retenção de Imposto de Renda na fonte. […]

Martelo batido

Braskem assina acordo de R$ 40 milhões com Ministério Público do Trabalho e põe fim a ação civil

A Braskem anunciou nesta segunda-feira (17) a assinatura de um termo de acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT) que visa a implementação de um Programa para Recuperação de Negócios e Promoção de Atividades Educacionais na cidade de Maceió, Alagoas. No total, a empresa vai desembolsar R$ 40 milhões para colocar o programa em […]

Agora vai?

Maia sinaliza que comissão mista da reforma tributária será formada nesta semana

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse acreditar na formação da comissão mista da reforma tributária nesta semana. “Acredito que sim”, respondeu Maia quando perguntado sobre a possibilidade. É esta a expectativa, reforçou, do relator da proposta, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Na semana passada, a secretaria do Congresso Nacional pediu aos líderes da Câmara […]

Recuperação

Com o noticiário corporativo em foco, Ibovespa fecha em alta e retoma os 115 mil pontos

Focado nos balanços trimestrais e nas sinalizações positivas vindas da China, o Ibovespa passou o dia em alta e se recuperou das perdas recentes. O dólar à vista, por outro lado, teve uma sessão mais pressionada e voltou ao patamar de R$ 4,32

Dados do BC

Reservas internacionais subiram US$ 157 milhões no dia 14, para US$ 358,955 bilhões

De acordo com o Banco Central, o resultado é uma consequência da oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Novo projeto

Bolsonaro diz que governo está na iminência de mandar a reforma administrativa

Presidente disse que a proposta ainda pode passar por novas alterações ao longo da semana

Na ponta do lápis

Estudo do Banco Central discute objetivos de modalidades de recolhimentos compulsórios

Uma das conclusões é que o nível atual dos compulsórios sobre depósitos à vista está adequado para o cumprimento de sua função

Impacto negativo

Coronavírus pode acentuar enfraquecimento do comércio no 1º trimestre

“O crescimento anual do comércio pode cair no período, embora as estatísticas oficiais para confirmar a hipótese só estejam disponíveis em junho”, disse a instituição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements