Menu
2020-02-06T18:54:22-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Pressão

Novo recorde: dólar à vista sobe mais de 1% após Copom e vai às máximas; Ibovespa recua

O novo corte na Selic, o desânimo com a retomada do grau de investimento pelo Brasil e a pressão sobre as moedas emergentes recolocaram o dólar à vista na faixa de R$ 4,28. O Ibovespa caiu e voltou aos 115 mil pontos

6 de fevereiro de 2020
18:38 - atualizado às 18:54
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O enredo parecia perfeito: o Copom confirmou as expectativas do mercado e cortou a Selic em 0,25 ponto, mas, ao mesmo tempo, sinalizou o fim do ciclo de reduções nas taxas. Uma indicação que tinha tudo para trazer alívio ao dólar à vista — juros mais baixos, afinal, quase sempre implicam em desvalorização do câmbio.

E, ao menos no início da sessão desta quinta-feira (6), essa lógica prevaleceu: o dólar abriu em queda e chegou a encostar na faixa de R$ 4,20. Só que, ainda durante a manhã, a calmaria no mercado de câmbio começou a se dissipar.

Pouco a pouco, a moeda americana foi se valorizando. No início da tarde, o dólar à vista já subia em relação ao real, numa trajetória de fortalecimento que continuou até o fechamento. E, ao fim do dia, o resultado foi um novo recorde nominal para a divisa: R$ 4,2852, em alta de 1,09%.

Ok, é quase um empate técnico em relação à máxima anterior, de R$ 4,2850, anotada em 31 de janeiro. Mas, mais importante que a cotação em si, é a constatação de que o mercado de moedas continua pressionado, descolando do clima relativamente tranquilo visto no Ibovespa e nas bolsas globais.

O estresse visto no dólar à vista se deve a uma série de fatores. Em primeiro lugar, há a própria decisão do Copom: por mais que o ciclo de cortes da Selic tenha terminado, fato é que o Banco Central reduziu a taxa, o que estreita ainda mais o diferencial em relação aos juros dos EUA.

Nas duas últimas reuniões do Copom, a Selic foi cortada em 0,75 ponto, chegando ao piso histórico de 4,25% ao ano, enquanto as taxas americanas permaneceram inalteradas na faixa de 1,50% a 1,75%. Assim, o 'gap' entre os juros dos dois países diminuiu.

Com isso, investidores que buscam rendimentos fáceis têm menos estímulo para colocar recursos no Brasil. É uma conta de risco e retorno: quanto os juros brasileiros eram superiores a 10%, valia a pena correr o risco de aplicar dinheiro no país; agora, essa equação já não é mais tão atraente.

Grau de investimento?

Em paralelo, declarações da agência de classificação de risco Fitch também trouxeram alguma cautela aos investidores. Mais cedo, a instituição destacou que um país com o perfil do Brasil pode levar até dez anos para recuperar o grau de investimento — jogando um balde de água fria nas expectativas do mercado.

A obtenção do selo de bom pagador é fundamental para aumentar a confiança dos investidores estrangeiros e resulta numa maior entrada de recursos externos, fator que diminuiria a pressão sobre o câmbio.

Por fim, um movimento global de fortalecimento do dólar em relação às moedas de países emergentes contribuiu para influenciar ainda mais os rumos da moeda por aqui.

Lá fora, a divisa americana se valorizou em relação ao peso mexicano, o rublo russo, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno, entre outras. O real, contudo, teve um dos piores desempenhos do grupo.

Embolsando os lucros

No mercado de ações, o Ibovespa até tentou dar continuidade ao movimento de recuperação visto na semana, chegando a subir mais de 1% no melhor momento do dia. Mas, assim como o dólar, o índice também mudou de trajetória.

Ao fim da sessão, o Ibovespa marcava 115.189,97 pontos, em queda de 0,72% — destoando do Dow Jones (+0,30%), do S&P 500 (+0,32%) e do Nasdaq (+0,67%), que conseguiram permanecer no campo positivo.

Esse comportamento do Ibovespa, no entanto, não foi motivado por fatores estruturais, mas sim por uma realização dos ganhos recentes — nos três últimos pregões, o índice acumulou alta de 2%. E, sem grandes gatilhos positivos, os investidores preferiram embolsar parte desses lucros.

Boa parte desse movimento se deve às ações dos bancos, que perderam impulso e caíram em bloco: Itaú Unibanco PN (ITUB4) fechou em baixa de 0,24%, Bradesco PN (BBDC4) recuou 1,16%, Banco do Brasil ON (BBAS3) teve perda de 1,69% e as units do Santander Brasil (SANB11) desvalorizaram 2,24%.

Essa tendência negativa vista nos bancos foi parcialmente neutralizada pelas ações da Petrobras, tanto as ONs (PETR3) quanto as PNs (PETR4), que fecharam em alta de 2,69% e 2,78%, respectivamente.

Ontem, o BNDES fixou em R$ 30,00 o preço das ações ON da Petrobras que irá vender na oferta subsequente — a instituição irá vender 734,2 milhões de papéis desse tipo, ficando com uma fatia de apenas 0,16%.

Na ponta negativa do índice, destaque para Braskem PNA (BRKM5), em baixa de 7,46%, após a Justiça de São Paulo determinar que os bancos credores da Odebrecht podem vender as ações da companhia, dadas em garantia pela construtora.

Ajuste nos juros

A indicação de que o BC não vai mais cortar juros daqui para frente, mantendo a Selic em 4,25% ao ano, desencadeou um movimento de ajustes positivos nas curvas de juros — quem apostava em mais um corte na Selic em março precisou rever suas posições.

Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,29% para 4,33%;
  • Janeiro/2023: de 5,42% para 5,45%;
  • Janeiro/2025: de 6,05% para 6,14%;
  • Janeiro/2027: de 6,39% para 6,47%.

Enquanto isso, fora do Ibovespa...

Ontem, as ações ON da Mitre (MTRE3) estrearam na B3 e fecharam em forte alta de 7,77%. Hoje, foi a vez dos papéis ON da Locaweb (LWSA3) começarem a ser negociados — e, assim como a incorporadora, também dispararam em seu primeiro dia.

As ações da estreante fecharam em forte alta de 19,42%, a R$ 20,60— os papéis saíram do IPO a R$ 17,25, no pico da faixa indicativa de preço.

Também fora do Ibovespa, destaque para as ações ON da Centauro (CNTO3), que subiram 14,70%, a R$ 49,71, e chegaram a novas máximas. Mais cedo, a companhia anunciou a compra da Nike do Brasil, por R$ 900 milhões, passando a deter a exclusividade dos itens da marca no país.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta quinta-feira:

  • Cielo ON (CIEL3): +4,69%
  • Weg ON (WEGE3): +3,55%
  • Petrobras PN (PETR4): +2,78%
  • Petrobras ON (PETR3): +2,69%
  • Embraer ON (EMBR3): +1,30%

Confira também as maiores baixas do índice:

  • Braskem PNA (BRKM5): -7,46%
  • Eletrobras ON (ELET3): -4,50%
  • Fleury ON (FLRY3): -4,18%
  • BR Malls ON (BRML3): -3,98%
  • Azul PN (AZUL4): -3,59%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualizaçãodo Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Tensão em Brasília e na bolsa

Ibovespa perde força após jornal afirmar que Bolsonaro vai demitir Mandetta ainda hoje

O Ibovespa se distanciou das máximas após as primeiras notícias quanto à demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Dinheiro guardado

Poupança volta a captar em meio à crise do coronavírus

Os depósitos na poupança superaram os saques em R$ 12,168 bilhões no mês passado. Com isso, a captação líquida de março foi a maior da série histórica para o mês

Jogo franco

Não há condições para fazer com segurança nova projeção para 2020, diz Anfavea

Anfavea critica restrição de bancos em relação a crédito e cobra atuação do governo federal

efeito coronavírus

PIB do Brasil deve cair 2% em 2020, diz Fitch; América Latina deve encolher 2,6%

Projeção de queda para o PIB da América Latina é maior do que a observada durante a crise financeira global de 2008/2009

medida de prevenção

Doria estende em 15 dias quarentena em São Paulo

Segundo o governo, contágio já chegou a cem cidades paulistas; recomendação é que as pessoas fiquem em casa; serviços considerados essenciais continuam em funcionamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements