Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-08-31T18:01:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sinistro

IRB Brasil registra prejuízo de R$ 685,1 milhões no 2º trimestre

Resseguradora vinha de lucro de R$ 397,5 milhões no mesmo período de 2019; despesas com sinistros e desvalorização cambial afetaram resultados

29 de agosto de 2020
10:23 - atualizado às 18:01
Logo do IRB

A resseguradora IRB Brasil reportou neste sábado prejuízo de R$ 685,1 milhões no segundo trimestre. A empresa vinha de lucro de R$ 397,5 milhões no mesmo período de 2019 e de ganhos de R$ 13,9 milhões nos primeiros três meses de 2020. No acumulado do primeiro semestre, o prejuízo foi de R$ 671,2 milhões.

A resseguradora também informou retorno negativo de 83,3% no período, de um retorno positivo de 43,2% no mesmo período do ano passado e de 1,5% no primeiro trimestre deste ano.

De acordo com o relatório financeiro trimestral da IRB Brasil, as perdas advieram de despesas com sinistros maiores que as normalmente registradas e de desvalorização cambial.

Houve aceleração nos avisos de sinistros no acumulado do primeiro semestre na comparação com o mesmo período de 2019. Os setores mais afetados foram as linhas de negócios patrimonial e de vida, no Brasil, e patrimonial e rural, no exterior.

A IRB Brasil observa ainda que "há considerável incerteza sobre qual será o impacto final dessa pandemia sobre o ambiente de negócios", o que pode surtir "efeito na rentabilização das reservas técnicas de seguradoras e resseguradoras."

Segundo o documento, os prêmios emitidos no segundo trimestre somaram R$ 2,543 bilhões, de R$ 2,355 bilhões no mesmo período do ano passado e de R$ 1,996 bilhão no primeiro trimestre. Os prêmios retidos somaram R$ 1,710 bilhão enquanto o prêmio ganho ficou em R$ 1,728 bilhão. Os sinistros retidos ficaram em R$ 2,339 bilhões, de R$ 798,7 milhões no segundo trimestre de 2019.

Ainda de acordo com o balanço financeiro divulgado hoje, o resultado de underwriting foi negativo em R$ 1,037 bilhão, contra R$ 296,9 milhões positivos no segundo trimestre do ano passado. Já o índice de sinistralidade total foi para 135,3% no segundo trimestre de 2020, de 58% no mesmo período de 2019.

A empresa de resseguros passou recentemente por uma reestruturação interna. O processo foi desencadeado pela identificação de irregularidades cometidas por ex-diretores.

Também houve problemas com a divulgação de informações, o que levou a questionamentos levantados pela Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e a ações na Justiça. Uma investigação interna também foi instaurada.

Na abertura do balanço, a IRB reafirma a posição de maior resseguradora do Brasil, com 37% de market share, e informa ter avançado para colocar a companhia no caminho do crescimento sustentável. A empresa informa ainda que uma investigação interna identificou o pagamento não autorizado de cerca de R$ 60 milhões em bônus a ex-executivos e colaboradores, os quais foram responsabilizados judicialmente.

Ao mesmo tempo, o balanço de 2019 foi reauditado e republicado, com impacto de R$ 553,4 milhões no lucro líquido de 2019 e de R$ 117,2 milhões no resultado financeiro de 2018.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies