Menu
2019-06-18T22:30:52-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ótima notícia por um péssimo motivo

Copom e Fed decidem juros. Se não tem corte, tem aceno, que é quase a mesma coisa

Decisões de política monetária centram atenção nos mercados. Reação pode ser positiva, mas o que motiva a atuação dos BCs não é nada animador

19 de junho de 2019
4:58 - atualizado às 22:30
Copom
Diretores do Banco Central (BC) na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) - Imagem: Banco Central do Brasil

O Comitê de Política Monetária (Copom) e o Federal Reserve (Fed), banco central americano, apresentam suas decisões sobre taxa de juros nesta quarta-feira. Por aqui, a previsão é de manutenção da Selic em 6,5% ao ano, mas com expectativa de aceno de corte futuro. Por lá, a chance de corte hoje aumentou, mas se ele não vier, também teremos sinalização de redução em breve.

Para o bolso do investidor, Selic estável ou com chance de queda favorece a alocação em  bolsa de valoresfundos imobiliários e títulos longos do Tesouro Direto. A reação ao Copom, no entanto, ficará para sexta, pois decisão sair após o fechamento dos mercados. O Fed sai às 15 horas.

Apesar do bom desempenho das bolsas aqui e lá fora em função dessa expectativa de juros menores, a motivação dos cortes não seria algo a se comemorar. O Fed atua em resposta à piora nas perspectivas de crescimento. A guerra comercial parece cobrar seu preço. Por aqui, a economia também não reage em meio a um quadro de incerteza que envolve a agenda de reformas.

Copom - cautela e credibilidade

Apesar de um discurso firme de que não troca crescimento de curto prazo por inflação, os últimos dados de atividade e a movimentação no cenário internacional levam boa parte do mercado a acreditar que o colegiado presidido por Roberto Campos Neto vai fazer uma mudança na sua comunicação.

O Copom já reconhece um aumento no risco de a inflação ficar abaixo do projetado em função da debilidade da atividade econômica. Mas fala que o balanço de risco segue simétrico, pois também pesa o quadro externo e a questão das reformas.

Com Fed acenando corte de juros e a reforma da Previdência caminhando no Congresso, parte do mercado acredita que o Copom passará a falar em balanço assimétrico, senha para futura redução.

A questão é quando o corte poderia ocorrer. As apostas se dividem e dois grandes grupos. Um acha que a Selic só será cortada depois que a reforma da Previdência for aprovada pela Câmara e Senado.

Outro grupo acredita que os cortes podem começar depois que o texto passar só pela Câmara. Há também aqueles que defendem, faz algum tempo, que o BC já teria de ter começado a cortar. Então, quanto antes melhor. Teremos reuniões em 31 de julho e 18 de setembro, janela temporal na qual já poderemos ver uma "solução" para a reforma.

Atenção também às projeções de inflação que já poderão ser feitas considerando o último boletim Focus, que deixou de estimar Selic a 6,5% no fim do ano e mostrou juro em 5,75%, no fim de 2019, e de 6,5% em 2020.

Em maio, com Selic a 6,5% e dólar a R$ 3,95, a inflação projetada era de 4,3% para 2019 e 4% para 2020. A meta deste ano é de 4,25%, de 4% em 2020 e de 3,75% em 2021.

As ações do Copom miram cada vez mais o ano de 2020 em função dos efeitos cumulativos e defasados que as ações de política monetária têm sobre o lado real da economia.

A comunicação deve perder o já tradicional “cautela, serenidade e perseverança”, que vinha sendo usado para descrever a melhor forma de condução da política monetária. Mas isso não deve ser visto como mudança de postura. O Copom disse que isso é um princípio bem assimilado.

O comunicado dessa decisão, bem como a ata a ser divulgada na próxima semana, servirão para embasar o Relatório de Inflação, que sai no dia 27, detalhando as projeções de inflação. O RI também deve trazer a nova projeção de crescimento do BC, que está em 2%, enquanto o mercado espera pouco menos de 1%.

Também na próxima semana, o Conselho Monetário Nacional (CMN) define a meta de inflação de 2022 e há expectativa de redução para 3,5%. (aqui está o link para o gráfico interativo na página do BC)

Fed – pronto para atuar

O aceno informal para corte de juro nos EUA veio no dia 4 de junho, quando Jerome Powell disse que o Fed estava pronto para atuar caso os efeitos da guerra comercial afetassem a economia americana.

A fala de Powell chancelou as expectativas de redução de juros que estão estacionados entre 2,25% e 2,5% ao ano desde o fim do ano passado. No mercado, as previsões oscilam entre três ou quatro cortes.

A possibilidade de atuação do Fed já nesta quarta-feira aumentou depois que o Banco Central Europeu (BCE) acenou que também pode reduzir juros e tomar outras medidas de estímulo por lá.

Junto com a decisão, o Fed também apresenta as projeções de seus membros para crescimento, taxa de juros e inflação. Acompanharemos a entrevista de Jerome Powell, que certamente será perguntado sobre as habituais caneladas de Donald Trump.

Aliás, Donald Trump voltou seus canhões contra a União Europeia depois do aceno dado pelo BCE, falando que é uma forma injusta de competição comercial desvalorizar o euro.

O tuíte de Trump reacendeu preocupação de que a guerra comercial descambe para uma guerra cambial, com governos promovendo desvalorizações de suas moedas como forma de contornar tarifas comerciais.

Desde o começo dos anos 2000, o Fed se engajou em dois grandes movimentos de redução de juros. Em 2001 e 2007, depois de crises notáveis. Os cortes, nesses dois casos, não evitaram uma recessão e um “bear market” (mercado de baixa). Será que desta vez é diferente? (aqui tem o link para o gráfico interativo do FRED)

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

cardápio de balanços

CCR, Cyrela Realty, EcoRodovias, IRB, BR Malls, Magalu e Petrobras: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

Resultados das empresas no primeiro trimestre ajudam a movimentar o pregão nesta sexta; veja os principais números

IR 2021

Imposto de Renda: Como declarar compra e venda parcelada de imóvel sem financiamento bancário?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

SEXTOU COM O RUY

O que uma pesquisa no Google diz sobre as ações com maior potencial na reabertura da economia

De maneira geral, as pessoas estão com vontade de sair de casa, até mesmo para fazer coisas que nem gostavam tanto assim — como ir ao teatro, no meu caso

balanço do dia

Covid-19: Brasil tem 430.417 mortes e 74.592 novos casos da doença

O Brasil bateu a marca das 430 mil vidas perdidas para a pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas foram registradas 2.383 novas mortes. Com isso, o total de vítimas que não resistiram à covid-19 chegou a 430.417. Ainda há 3.671 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, […]

Digital em alta

Vendas do Magazine Luiza saltam 62% no trimestre; e-commerce é 70% do total

O Magazine Luiza mostrou crescimento nas linhas de receita, Ebitda e lucro; a participação do e-commerce nas vendas totais segue aumentando

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies