🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2022-06-14T06:30:40-03:00
INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Precisamos sobreviver a mais uma Super Quarta: entenda por que a recessão é quase uma certeza

Não espere moleza na Super Quarta pré-feriado; o mundo deve continuar a viver a tensão de uma realidade de mais inflação e juros mais altos

14 de junho de 2022
6:22 - atualizado às 6:30
Jerome Powell detonando uma bomba contra a inflação
Na Super Quarta, expectativas concentram-se na fala de Powell depois da decisão do Fed. Imagem: Montagem Andrei Morais / Divulgação Federal Reserve / Papa-Léguas

Ainda precisamos sobreviver a mais um desafio antes de encerrarmos o primeiro semestre de 2022. A Super Quarta, dia em que contamos com o resultado das reuniões de política monetária do Brasil e dos EUA, está marcada para amanhã, dia 15 de junho.

Naturalmente, como temos conversado, a inflação e o processo de aperto monetário (contração de liquidez por parte dos Bancos Centrais) têm sido os principais temas de 2022 e devem continuar sendo.

Como da última vez, teremos dois jogos a serem disputados amanhã.

Dois jogos em disputa na Super Quarta

O primeiro é o fruto da reunião em si; isto é, as deliberações práticas resultantes dos dois encontros. Já o segundo se trata do comunicado que acompanhará cada decisão. Enquanto o primeiro já está relativamente bem precificado, o segundo é a grande dúvida do mercado.

Na semana passada, o Brasil e os EUA reportaram seus respectivos índices de preços ao consumidor. No caso brasileiro, diferentemente do que aconteceu com os americanos, a inflação recuou, mas ainda está em dois dígitos.

Vai levar um tempo para que consigamos trazer de volta este índice para a meta do Conselho Monetário Nacional.

Brasil está em fase adiantada do aperto monetário

Uma coisa boa, porém, é que já estamos bem adiantados no processo de ajuste monetário a ser conduzido, o que nos permite sermos até mais comedidos em termos de reação ao que pode acontecer.

A seguir, separei um gráfico com a inflação brasileira de preços livres e administrados. Note como, apesar do recente recuo, muito por conta dos preços de energia, que entraram na bandeira tarifária verde recentemente, ainda estamos com patamares muito elevados de inflação — o dado cheio acumula alta de 11,73% em 12 meses.

Assim sendo, para combater este processo inflacionário, o Comitê de Política Monetária deverá elevar em mais 50 pontos-base a taxa básica de juros, colocando a Selic em 13,25% ao ano. Este ajuste foi bem precificado pelo mercado desde o último encontro do Bacen.

O pulo do gato do BC

A dúvida fica por conta do comunicado que acompanha a decisão. 

Aí é onde está o pulo do gato. 

A minha interpretação é que o BC tem toda a abertura para contratar mais uma alta para a próxima reunião marcada para os dias 2 e 3 de agosto.

Ele pode fazer isso desacelerando o tom, como fez da última vez, indicando mais um ajuste de menor magnitude, o que resultaria em uma alta da Selic de 25 pontos-base para 13,50% em agosto.

Ou ainda poderia deixar a janela aberta, considerando a incerteza do cenário doméstico (questão fiscal, eleitoral e dos combustíveis) e internacional (desaceleração global, risco de recessão, lockdown na China, quebra na cadeia de suprimentos, crise energética na Europa e guerra na Ucrânia).

Neste caso, poderíamos ter mais um ajuste de mesma magnitude, encerrando o ciclo com Selic terminal de 13,75% ao ano.

Este é meu cenário base: um ajuste de 50 bps em junho e outro de 25 ou 50 bps em agosto.

Eventuais choques para cima poderão estressar ainda mais o mercado — a taxa de desocupação, apesar de alta, já está voltando para o single digit (estima-se que quando a taxa de desocupação está entre 9% e 10%, o mercado de trabalho já não é mais desinflacionário).

Em outras palavras, a situação brasileira não é das mais simples, mas pelo menos estamos no final do ciclo de aperto. Depois de alcançarmos o topo, poderemos ver discussões sobre queda dos juros, o que poderá ajudar o ambiente no qual ativos brasileiros estão inseridos.

Aperto monetário nos EUA está apenas começando

Nos EUA, por outro lado, o debate sobre o aperto monetário só está começando.

No indicador de inflação apresentado na semana passada, os investidores se surpreenderam com preços que voltaram a acelerar na comparação anual para seu nível mais alto desde 1981, subindo 8,6% em relação ao ano anterior.

Agora, há uma preocupação de que os EUA possam ver uma repetição da década de 1970, quando a taxa de inflação atingiu a média de 7,1% por uma década inteira, devastando as finanças domésticas e a economia.

As razões para o aumento dos preços são bem conhecidas: interrupções na cadeia de suprimentos por conta da pandemia de Covid-19 levaram à escassez de mercadorias.

Além disso, a invasão da Ucrânia pela Rússia atingiu o fornecimento de commodities essenciais, enquanto, ao mesmo tempo, o governo canalizava trilhões de dólares em ajuda diretamente para consumidores e empresas.

Com isso, uma parte dos investidores voltou a esperar aumento de 75 pontos-base na reunião de quarta-feira, diferentemente da expectativa quase unânime do que foi contratado anteriormente em 50 pontos-base.

A dúvida é o quanto tempo durará esse doloroso surto de inflação alta e qual, se houver, será seu impacto duradouro.

O que Powell vai dizer?

A discussão deverá ficar por conta do tom de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, na entrevista coletiva depois da apresentação da decisão na quarta-feira.

Diante do contexto de maior pressão inflacionária, o dirigente da autoridade monetária deverá engrossar o tom, sinalizando apertos adicionais para os próximos meses. As correções nos últimos dias nas Bolsas globais refletem justamente a precificação deste movimento.

O Fed precisa jogar a economia americana para a recessão se quiser controlar a inflação.

Não espere moleza

Por isso, meu cenário base é de um ajuste de 50 pontos base nesta reunião (não acredito em alta de 75 pontos-base), levando a taxa de referência para a faixa entre 1,25% e 1,50% ao ano.

Adicionalmente, novos ajustes de mesma intensidade deverão ser contratados para as próximas reuniões. Surpresas negativas poderão pressionar ainda mais os mercados.

O mundo deverá continuar a viver a tensão de uma realidade de mais inflação e juros mais altos. Uma desaceleração e, eventualmente, uma recessão são partes naturais deste ciclo que se encerra agora.

Não espere moleza na semana de Corpus Christi.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOITE CRIPTO

Na luta: bitcoin (BTC) opera em alta, mas performance não dá inveja; confira cotações

Apesar do avanço, o último mês foi o pior da história do bitcoin. A queda de 37,9% se consolidou como a mais terrível da história, desbancando maio de 2021, quando o recuo foi de 35,4%

PROBLEMAS FINANCEIROS

Tenda (TEND3) negocia com credores e consegue sinal verde para flexibilizar endividamento

Os detentores de debêntures da empresa aceitaram mudar os termos das dívidas em troca de garantias – e remuneração – extras

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

‘Pane’ nas exchanges, os limites para a Rússia e a queda do Ibovespa; confira os destaques do dia

Os corredores do mercado financeiro estavam mais silenciosos do que o habitual nesta segunda-feira (04).  Nos Estados Unidos, as bolsas em Wall Street ficaram fechadas devido ao feriado do Dia da Independência americana, mas parece que boa parte dos investidores brasileiros também deu uma esticadinha no fim de semana.  Sem Nova York e com o […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa cai abaixo dos 99 mil pontos em dia de baixa liquidez; dólar e juros sobem com petróleo

Sem Wall Street, o Ibovespa teve um dia de movimentação limitada. Apesar da alta do petróleo, o índice não conseguiu se consolidar em alta

ELEIÇÕES 2022

Quem é Maria Luiza Ribeiro Viotti, a primeira mulher a comandar o Itamaraty se Lula vencer as eleições?

A indicação de uma mulher para o Itamaraty contemplaria o movimento feminino na diplomacia, que ganhou força política no Congresso e foi incentivado por Amorim no passado; o Brasil nunca teve uma chanceler

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies