🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Ricardo Gozzi
CORREIO ELEGANTE

Vai ter cartinha: Banco Central admite o óbvio e avisa que a meta de inflação para 2022 está perdida

Com uma semana de atraso, Banco Central divulgou hoje uma versão ‘enxuta’ do Relatório Trimestral da Inflação

Campos neto escalando montanha
Meta de inflação de 2022 está fora do alcance das medidas do Banco Central. - Imagem: Shutterstock / Agência Brasil / Montagem Brenda Silva

Quando o teto da meta de inflação é superado, o Banco Central (BC) tem por obrigação divulgar uma carta pública explicando as razões.

Se você acompanha o noticiário econômico, já viu isso acontecer há pouco tempo.

Em janeiro deste ano, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, tentou explicar o estouro da meta em 2021 por meio de carta.

Na ocasião, Campos Neto eximiu o BC de responsabilidade e atribuiu o estouro da meta ao aumento dos preços de commodities, da energia e da falta de insumos.

No ano passado, o IPCA acumulou alta de 10,06%, o maior índice desde 2015 - fechando bem acima do teto da meta para 2021 (5,25%).

Hoje, quando finalmente divulgou hoje seu tão aguardado Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o Banco Central já deixou sinalizado: vai ter cartinha de novo no início de 2023.

Inflação vai estourar a meta pelo segundo ano seguido

É verdade que a autoridade monetária já vinha sinalizando essa possibilidade. Agora em junho, o BC elevou a taxa básica de juro (Selic) para 13,25% ao ano, maior nível desde 2016.

No comunicado da decisão, além de indicar que a taxa Selic ficará alta por um período maior de tempo do que o previsto anteriormente, o Banco Central antecipou que a intenção seria manter a inflação de 2023 dentro da meta.

Hoje, o Banco Central admitiu oficialmente no RTI de junho que a meta de inflação será descumprida pelo segundo ano seguido em 2022.

A probabilidade de a inflação superar o teto da meta deste ano passou de 88% em março para 100% em junho, segundo o relatório.

Qualidade da inflação piorou

Mirella Hirakawa, economista sênior da AZ Quest, chama a atenção para o fato de a projeção para a inflação de 2022 ter sido elevada de 6,3% no RTI anterior, de março, para 8,8% no de junho. A meta de inflação de 2022 está na faixa de 2% e 5%.

Do ajuste de 2,5 pontos porcentuais, 2,2 p.p. vêm do grupo de preços livres. “Trata-se de uma qualidade muito pior de inflação”, afirma Mirella. O mesmo vale para as projeções para os anos seguintes, prossegue a economista.

Em relação a 2023, a meta está fixada na banda entre 1,75% e 4,75% enquanto a projeção do BC passou de 3,1% para 4% do relatório anterior para o atual. O BC estima que a probabilidade de superação do teto da meta do ano que vem saltou de 12% para 29%.

Mirella Hirakawa, economista sênior da AZ Quest
Mirella Hirakawa, economista sênior da AZ Quest

Projeção do PIB já havia sido antecipada

Embora o RTI tenha sido divulgado somente hoje,o diretor de Política Econômica do BC, Diogo Guillen, antecipou na semana passada alguns números do documento.

Na ocasião, ele informou que o Banco Central elevou de 1% para 1,7% sua estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano.

A previsão do Banco Central para o crescimento da economia brasileira supera a divulgada pelo governo federal. Pelas projeções do Ministério da Economia, o PIB deve crescer 1,5% neste ano.

De acordo com Mirella Hirakawa, a revisão é justificada por uma atividade mais forte que a esperada no primeiro trimestre.

Além disso, a liberação de parte do FGTS e a antecipação do 13º devem ter impacto relevante sobre o resultado do segunto trimestre.

Em contrapartida, o Banco Central espera desaceleração da atividade econômica na segunda metade de 2022.

Segundo a instituição, a incerteza permanece maior do que a usual em razão da guerra na Ucrânia e dos riscos crescentes de desaceleração da economia global.

O Banco Central e os efeitos da greve

O atraso na divulgação do Relatório Trimestral de Inflação foi uma das consequências da greve dos servidores do BC, a segunda mais longa da história do serviço público no Brasil.

Originalmente, o RTI deveria ter sido divulgado na quinta-feira da semana passada, mas só veio a público hoje.

Outro efeito evidente da greve é a extensão do relatório. O RTI de junho de 2022 saiu muito mais enxuto que de costume, com 57 páginas. As divulgações anteriores continham em torno de 90 páginas.

Algumas informações do documento já haviam sido abordadas na semana passada, em uma entrevista coletiva concedida por Roberto Campos Neto e pelo diretor de Política Econômica do BC, Diogo Guillen.

O que se esperava do RTI era um pouco mais de detalhamento. E isso não ocorreu.

Mirella Hirakawa cita como exemplo a revisão da taxa de juro neutra, elevada de 3,5% para 4,0% ao ano pelo BC.

Agentes do mercado financeiro aguardavam detalhes em boxes que costumam acompanhar as projeções e revisões, mas nada encontraram.

BC deixa de lado o impacto do pacote de bondades

Também salta aos olhos a ausência de aprofundamento quanto ao impacto fiscal de medidas articuladas pelo governo que têm sido criticadas por confrontarem leis que as proíbem em anos de eleição.

Na coletiva da semana passada, a autoridade monetária havia antecipado que o impacto do PLP 18, que impõe um teto ao ICMS cobrado sobre os combustíveis e compõe o chamado “pacote de bondades”, não seria contemplado nas projeções do RTI.

Isso ocorre apesar de os agentes de mercado preverem um impacto negativo de dois pontos porcentuais sobre as projeções para o PIB de 2022, salientou Mirella Hirakawa nos comentários feitos ao Seu Dinheiro.

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies