Menu
2019-11-14T15:04:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Tem que melhorar

Fitch mantém nota de crédito do Brasil em grau especulativo

Ainda falta um bocado de consolidação fiscal e crescimento econômico para o país retomar o almejado grau de investimento

14 de novembro de 2019
14:10 - atualizado às 15:04
Crise no Brasil
Crise no Brasil - Imagem: Shutterstock

Apesar da torcida do mercado e de indicadores positivos como risco-país e taxas de juros, ainda falta um bocado de consolidação fiscal e crescimento econômico para o país retomar o almejado grau de investimento.

Nesta quinta-feira, a agência de classificação de risco Fitch manteve a nota do Brasil em “BB-”, três degraus abaixo do “investment grade”. Além disso, a Fitch sinalizou que uma mudança de nota deve demorar mais um pouco, já que manteve a perspectiva estável para sua avaliação.

Esse "selo de bom pagador" é exigido por grandes investidores internacionais, como fundos de pensão, para alocar recursos em um determinado país. Mas mais do que essa chancela prática, o grau de investimento é o reconhecimento na comunidade financeira internacional de que o país é civilizado o suficiente em termos macroeconômicos para receber parcela da poupança mundial.

Em comunicado, a Fitch diz que a nota brasileira é restringida por um elevado e crescente endividamento do governo; uma rígida estrutura fiscal e baixo potencial de crescimento econômico. Além disso, o cenário político é “difícil”, incluindo um Congresso fragmentado e escândalos de corrupção que dificultam uma aprovação tempestiva das reformas fiscais e econômicas.

Nem tudo é crítica na avaliação, pois a Fitch reconhece a importância da aprovação da reforma da Previdência e também da venda de ativos e desinvestimentos feitos pela Petrobras e bancos públicos.

A agência também chama atenção para o pacote de reformas “Mais Brasil”, que tenta melhorar o gerenciamento da política fiscal, ampliar a flexibilidade orçamentária e redesenhar a relação fiscal entre União, Estados e municípios. Mas pondera as dificuldades de aprovação.

Sem superávit, sem grau de investimento

Em sua nota, a Fitch chama atenção para elevada dívida sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, que está na linha de 79%, contra uma mediana de 46,7% dos demais países que estão no grupo de nota “BB”.

Mais importante que isso é que nas condições atuais, a Fitch avalia que esse endividamento continuará crescendo ao longo da próxima década. A conta é simples, gastando mais do que arrecada, o governo seguirá se endividando. Para a agência, bateremos nos 80% do PIB em 2020. A dívida não é ainda maior em função da devolução antecipada dos empréstimos feitos ao BNDES.

Para a Fitch, o superávit primário necessário para estabilizar (veja bem, estabilizar) a relação dívida/PIB seria de 3 pontos percentuais do Produto, hoje temos déficit ao redor de 1%.

Para dar uma melhor dimensão dessa trajetória do endividamento, quando o Brasil recebeu a classificação de “grau de investimento”, em 2008, o percentual estava ao redor dos 56%. Mas mais importante que o patamar era a trajetória de queda. Em 2013, a dívida estava em 51,5% do PIB. O que temos é que desde então, a dívida sobre o PIB aumentou quase 30 pontos do PIB (pergunta: qual foi o benefício disso para a sociedade?).

Considerando o gasto com juro (que está caindo junto com a Selic), o déficit nominal está na linha dos 7%, ainda elevado em comparação com os pares de nota “BB”, que apresentam um buraco fiscal de 3% do PIB. Para o período 2020/2021, a Fitch estima que esse déficit vai recuar marginalmente para 6% do PIB e pondera que o resultado pode ser melhor caso o governo obtenha mais receitas não recorrentes, “embora isso não represente melhor estrutural”.

A Fitch trabalha com crescimento do PIB de 0,8% em 2019 e 2% em 2020, que também está abaixo da média dos países “BB”, de 3% e 3,2%. Para a agência, o andamento da agenda de reformas será crucial para impulsionar uma recuperação ainda maior.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bolsa contaminada pelo coronavírus

Caro leitor, A semana começou mal para as bolsas do mundo todo. O avanço do coronavírus na China durante o fim de semana colocou os mercados de molho nesta segunda. Já foram confirmados quase 3 mil casos em mais de dez países, sendo a maioria deles na China. Até agora, foram computadas 82 mortes. Os […]

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

gringo longe

Investimento estrangeiro em ações brasileiras fica negativo em US$ 4,7 bilhões em 2019

Para 2020, a projeção é de saldo positivo de US$ 5,0 bilhões, segundo dados do Banco Central

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements