Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-05-27T15:12:15-03:00
Renato Carvalho
Contas deterioradas

Fitch mantém rating do Brasil em BB-, com perspectiva negativa por situação fiscal

Agência ressalta os desafios para estabilizar a dívida pública, principalmente relacionados à pandemia e à demora na vacinação da população

27 de maio de 2021
15:12
Fachada da Fitch Ratings
Imagem: Shutterstock

O Brasil mantém seu patamar atual de crédito, mas a situação fiscal ainda é uma grande preocupação. Esta é a conclusão da agência de classificação de riscos Fitch Ratings, que reafirmou a nota BB- para o País, com perspectiva negativa.

O que coloca o Brasil no patamar atual, segundo a agência, é o tamanho e a diversidade da economia, o câmbio flexível, a confortável posição das reservas internacionais e o bom mercado doméstico para os títulos públicos.

A perspectiva negativa se justifica principalmente pelas contas públicas. A Fitch enxerga dificuldades para que o governo estabeleça uma política fiscal mais consistente e um ritmo de crescimento da economia que permitam estabilizar as dívidas no médio prazo.

Em seu relatório, a agência ressalta que os gastos públicos continuam subindo, e não é possível descartar novas medidas para amenizar os efeitos da pandemia de covid-19, aumentando a fragilidade fiscal, e tornando o Brasil mais vulnerável a eventuais choques econômicos.

Depois da recessão de 4,1% em 2020, a Fitch espera que o Produto Interno Bruto (PIB) avance 3,3% em 2021, e 2,5% em 2022. Estes avanços serão baseados principalmente na alta dos preços das commodities e na recuperação da economia global, especialmente na China.

Os principais riscos para este ritmo projetado estão relacionados à pandemia. A Fitch aponta as incertezas sobre a evolução no número de casos e atrasos na vacinação como possíveis fatores que podem atrasar a retomada da atividade econômica.

A Fitch aponta que o déficit do setor público atingiu 14% do PIB no ano passado, muito acima da média dos países classificados com a nota BB. “Projetamos que o déficit deste ano será de 7,4%, ante 5,2% na média BB. A recuperação deve acontecer com aumento de receitas e retirada parcial de benefícios fiscais concedidos em 2020”, afirma a agência.

Por fim, a Fitch se mostra ainda cética sobre o andamento das reformas tributária e administrativa, que poderiam melhorar a percepção sobre o Brasil no médio prazo. As barreiras políticas podem atrapalhar o andamento dos temas no Congresso, segundo a agência.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Disposta a competir com as gigantes, Infracommerce (IFCM3) pode ver salto de mais de 70% nas suas ações, diz BofA; papéis sobem mais de 4%

Banco iniciou a cobertura dos papéis da fornecedora de infraestrutura de e-commerce para outras empresas com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 25 por ação

AMPLIANDO A BASE

Em busca do pequeno investidor, BR Partners (BRBI11) fecha preço de oferta de ações; papéis sobem

Banco havia realizado IPO em junho do ano passado em operação que permitia a compra dos papéis nos primeiros 18 meses apenas por investidores que tivessem mais de R$ 1 milhão em aplicações, os chamados investidores qualificados

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) avança para os US$ 38 mil antes da decisão de política monetária do Fed, mas semana ainda é difícil para mercado de criptomoedas

Investidores aguardam maiores informações sobre a retirada de estímulos e alta nos juros por parte do Banco Central americano

EXILE ON WALL STREET

Para triunfar, antes é preciso atravessar: confira três dicas importantes para seguir antes de investir

Antes de tomar qualquer decisão no calor do momento, seja pelo excesso de otimismo ou por um receio em demasia, é necessário ter em mente três lições para investir bem e com prudência

FOME POR EXPANSÃO

BTG Pactual (BPAC11) compra 100% da carteira da Planner Investimentos e acirra disputa com XP por agentes autônomos

Com o negócio, a corretora Planner vai deixar de atuar na corretagem e assessoria de investimentos para pessoas físicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies