Menu
2020-07-31T19:52:31-03:00
Estadão Conteúdo
déficit fiscais pesam

Fitch reafirma rating AAA dos EUA, mas altera perspectiva para negativa

A agência destaca que os altos déficits fiscais e dívidas já estavam em crescimento antes da crise gerada pela pandemia de covid-19, que aumentou os riscos

31 de julho de 2020
19:52
estados unidos eua pib dólar
Imagem: Shutterstock

A Fitch reafirmou o rating AAA dos Estados Unidos, mas revisou a perspectiva para a nota de crédito do país de estável para negativa. "O rating soberano dos EUA é apoiado por forças estruturais que incluem o tamanho da economia, alta renda per capita e um ambiente de negócios dinâmico", diz a agência de classificação de risco. No entanto, a revisão da perspectiva reflete, segundo a Fitch, a "deterioração em curso nas finanças públicas dos EUA e a ausência de um plano de consolidação fiscal credível".

A agência destaca que os altos déficits fiscais e dívidas já estavam em crescimento antes da crise gerada pela pandemia de covid-19, que aumentou os riscos. "A flexibilidade de financiamento, auxiliada pela intervenção do Federal Reserve para restaurar a liquidez dos mercados financeiros, não dissipa totalmente os riscos à sustentabilidade da dívida a médio prazo", ressalta a Fitch. A agência espera que dívida pública dos EUA exceda 130% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2021.

No entanto, de acordo com a premissa de que o Federal Reserve manterá os juros na faixa entre 0% e 0,25% ao ano por algum tempo, a Fitch espera que as taxas de juros reais negativas "ofereçam algum suporte à dinâmica da dívida pública".

Retração de 5,6% do PIB

A Fitch Ratings espera que a economia dos Estados Unidos sofra contração de 5,6% em 2020 e avance 4% em 2021, "com a resposta maciça da política fiscal evitando uma desaceleração mais profunda". Nesta sexta-feira, 31, a agência de classificação de risco reafirmou o rating AAA do país, mas revisou a perspectiva de estável para negativa.

"Há riscos negativos para a previsão de crescimento da Fitch, com dados de alta frequência começando a mostrar um maior impacto da pandemia em partes do país onde a reposta de saúde pública foi deficiente,além da diminuição do estímulo da política fiscal", ressalta a agência.

Segundo a Fitch, o alto desemprego nos EUA pesará sobre o capital humano, a estabilidade financeira e o potencial de crescimento futuro. "A recessão mais profunda do pós-guerra não só abrirá uma grande lacuna na produção, mas também afetará permanentemente o PIB potencial", afirma a agência.

A Fitch destaca que a direção futura da política fiscal nos EUA vai depender do resultado da eleição presidencial de novembro, quando o presidente Donald Trump deverá enfrentar o democrata Joe Biden. A agência diz, no entanto, que é improvável qualquer um dos partidos conseguir maioria nas duas casas legislativas.

"A continuação do impasse político é um risco. A polarização política pode enfraquecer as instituições e reduzir o escopo da cooperação bipartidária, dificultando tentativas de abordar questões estruturais (incluindo algumas destacadas pela pandemia e protestos), mas também desafios fiscais de longo prazo", alerta a Fitch.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies