Menu
2020-11-19T08:53:27-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
ALERTA

Fitch cita fator político como principal risco para rating do Brasil

Cenário político dificulta progresso das reformas e consolidação das contas públicas, diz agência de classificação de riscos

19 de novembro de 2020
8:27 - atualizado às 8:53
Fachada da Fitch Ratings
Imagem: Shutterstock

A agência de classificação de riscos Fitch Ratings alertou na quarta-feira (18) para os riscos do cenário político atual do País, afirmando que ele dificulta o progresso das reformas estruturais e a consolidação fiscal.  

Ela anunciou ontem que manteve o rating de longo prazo do Brasil em “BB-”, com perspectiva negativa – ou seja, ela está mais propensa a ser rebaixada do que elevada ou mantida no atual patamar – por conta do elevado nível do déficit fiscal e da dívida em 2020.

As dúvidas a respeito do compromisso dos políticos com a situação das contas públicas é um dos principais riscos da nota brasileira. O respeito ao teto de gastos, inclusive, é visto como essencial para que o País não piore na escala de classificação. A nota atual está dentro da categoria que é considerada de especulação, dois degraus abaixo do que é considerado grau de investimento.

“Na visão da Fitch, a flexibilização do teto de gastos para acomodar novas despesas pode prejudicar a âncora [que é o teto de gastos] e prejudicar a confiança do mercado”, diz trecho do comunicado.

Ela projeta que o déficit fiscal deve alcançar 16,7% do PIB em 2020, mais que o dobro da -mediana dos países classificados no patamar “BB” (7,8%). A dívida deve crescer para quase 95% do PIB, enquanto a mediana com os números dos outros países é de 59,9%.

O avanço das reformas é visto como um fator essencial para a manutenção do rating, mas a agência demonstrou certo ceticismo quanto à possibilidade de ela avançar.

“Apesar da equipe econômica estar comprometida em retomar sua agenda de reformas em 2021, o ambiente político permanece fluido, reduzindo a visibilidade e previsibilidade do processo”, diz trecho do comunicado. A expectativa é de que o Brasil volte a crescer no ano que vem, mas a Fitch citou novamente o fator político como um risco, junto com a perspectiva de uma segunda onda de covid-19 aqui e no mundo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

termômetro online

Covas cresce em buscas no Google, mas Boulos lidera ranking

Candidato do PSOL foi o mais buscado nacionalmente entre os 34 candidatos de capitais brasileiras concorrendo neste domingo

Eleições 2020

Veja o resultado das eleições no 2º turno nas capitais

Bruno Covas (PSDB) foi reeleito em São Paulo e Eduardo Paes (DEM) derrotou o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) no Rio. O PT não conquistou nenhuma capital

Entrevista

‘Apressar a austeridade não é modo de assegurar crescimento’, diz diretor da OCDE

Aumento de gastos públicos na quarentena e de impostos sobre os mais ricos no pós-pandemia é a recomendação da OCDE para os países

Preocupação social

Crise de 2008 mudou postura na área fiscal do FMI e da OCDE

Nos dois órgãos internacionais, recomendação de austeridade foi substituída por preocupação com possíveis impactos sociais

Sucesso

Vendas on-line na Black Friday batem recorde e somam R$ 4 bilhões

Faturamento do e-commerce teve alta de 25,1% ante a Black Friday do ano passado; promoções estendidas ao longo do mês beneficiaram as vendas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies