Menu
2020-05-21T14:15:30-03:00
Estadão Conteúdo
efeito coronavírus

América Latina tem maior nível de rebaixamentos desde 2013, diz Fitch

Entre 12 de março e 12 de maio, houve 35 rebaixamentos de ratings no continente

21 de maio de 2020
14:15
recessão pib brasil
Imagem: Shutterstock

A pandemia do coronavírus provocou o maior ritmo de rebaixamento de ratings de empresas na América Latina desde 2013, de acordo com a agência de classificação de risco Fitch Ratings. Os analistas preveem que mais cortes de notas estão a caminho.

Entre 12 de março e 12 de maio, houve 35 rebaixamentos de ratings na América Latina.

Em janeiro de 2020, antes dos casos de coronavírus começarem a se espalhar pela região, eram 78% de empresas não financeiras com perspectiva estável do rating, 15% com negativa e 7% com positiva.

Em 12 de maio, o quadro era diferente e o porcentual de companhias com perspectiva estável caiu para 60%, o de negativa subiu para 36% e o de positiva recuou para 4%. A perspectiva indica a tendência mais provável para a nota.

A Fitch destaca que parte importante dos rebaixamentos em empresas ocorreu porque o rating soberano foi rebaixado ou teve a perspectiva reduzida. Foi o caso do Brasil, que teve a perspectiva da nota mudada para negativa no começo do mês.

As paralisações e quarentenas na região estão resultando em perda de receitas para empresas, redução de liquidez e interrupções em operações e cadeias produtivas.

Os setores com maior risco de rebaixamento são aqueles mais expostos aos efeitos das quarentenas: companhias aéreas, petróleo e gás, açúcar e etanol e segmentos ligados ao lazer. Estes setores tiveram a maioria dos rebaixamentos nas últimas semanas.

No Brasil, entre as empresas que tiveram rating rebaixado pela Fitch estão as companhias aéreas Gol e Azul, a Andrade Gutierrez Engenharia e a JSL, do setor de logística e transporte.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies