Menu
2019-11-08T15:58:21-03:00
Não vai ser fácil

Fitch diz que Brasil precisa de mais reformas e crescimento se quiser ver rating elevado

Diretor-executivo da agência de rating, Rafael Guedes, afirmou que é preciso mais do que a reforma que o país volte a crescer

8 de novembro de 2019
15:58
Fachada da Fitch Ratings
Imagem: Shutterstock

O diretor executivo da agência de rating Fitch, Rafael Guedes, afirmou que a aprovação da reforma da Previdência era necessária, mas não suficiente para mudar a nota do Brasil, que está em perspectiva estável e só deve ter revisão entre 18 e 24 meses.

"Sem dúvida a gente está vendo nesses 300 dias de governo uma série de alterações, como a reforma da Previdência, que não foi aquela que foi enviada mas ficou bastante robusta, a parte mais difícil já passou", avaliou depois de ter sua palestra cancelada no seminário sobre risco Brasil, na Fundação Getúlio Vargas (FGV) para dar lugar ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que teria um compromisso e não poderia esperar a fala do executivo da Fitch.

De acordo com Guedes, porém, mais do que a reforma é preciso que o país volte a crescer."A reforma da Previdência é necessária mas não suficiente para que tenhamos estabilização das contas fiscais, outras reformas são necessárias e tão importante como a reforma é o crescimento voltar", disse.

Ele afirmou que o mercado tem demonstrado confiança na condução econômica do governo e destacou a queda da taxa de juros. "Elas (taxas de juros) caíram pela metade e estão muito mais planas. Isso indica que o mercado tem uma confiança muito maior na sustentabilidade da dívida governamental no longo prazo", explicou.

Frustração com megaleilão

Guedes também disse que a venda abaixo do esperado no megaleilão de petróleo esta semana não compromete as contas do governo, mas que a agência dava como certos esses recursos. Ele ponderou que isso não deve afetar uma eventual revisão da nota do Brasil.

Guedes elogiou o programa de privatização do governo e as demais reformas que estão sendo anunciadas e destacou a falta de protestos com a venda da BR Distribuidora, o que indicaria que o processo está ocorrendo de maneira tranquila.

"Qualquer menção de privatização, até de tirar o cafezinho da Petrobras, a avenida Chile (onde fica a sede da Petrobras, no Rio) ficaria intransitável. Tivemos a privatização da BR Distribuidora sem nenhum ruído", afirmou. "Tem uma série de fatores da privatização, mas sem dúvida vender ativos é bom para as contas do governo", completou.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

dinheiro estrangeiro

Sem reformas, fim da pandemia pode não trazer investimentos

Desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública caiu de 20,8% para 9%; quadro fiscal piorou com a pandemia

coronavírus

Doria anuncia que São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

Segundo o governador de São Paulo, previsão é de que haja 46 milhões de doses até dezembro

o app dos jovens

TikTok banido dos EUA? Entenda a polêmica em torno do aplicativo

Trump prometeu tirar o aplicativo chinês do país neste domingo, mas medida não deve ser colocada em prática; entenda as razões por trás da ofensiva americana

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements