Menu
2019-03-22T09:14:40+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.

Rodrigo Maia faz um novo e contundente alerta ao governo

Presidente da Câmara ameaça deixar articulação política irritado com postura de Bolsonaro e filhos. Notícia vai pesar sobre o comportamento dos mercados

22 de março de 2019
9:14
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Por ora, a notícia do dia no campo econômico é uma só e não é boa: “Maia ameaça deixar articulação política da Previdência”, do jornal “O Estado de S.Paulo”. Mais uma vez o pivô do desgaste é o filho do presidente, Carlos Bolsonaro, e seus tuítes de ataques a Maia após desentendimento dele com o ministro da Justiça Sérgio Moro, sobre a tramitação das metidas de combate à corrupção.

Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi um apoiador de primeira hora das reformas, chamando para si a responsabilidade de tocar o projeto quando ele chegasse à Câmara e se engajando, também na importante batalha da comunicação, buscando esclarecer o texto e minar a atuação de corporações contrárias à reforma.

Essa não é a primeira vez que o presidente da Câmara faz um alerta ao governo, que por vezes parece sem foco em suas prioridades. No fim de fevereiro, em entrevista ao “Valor Econômico” e em evento na “Folha de S.Paulo”, Maia disse que o governo vinha perdendo a batalha da comunicação e fez um apelo para que o presidente e seus apoiadores usassem, justamente, as redes sociais para defender a reforma.

Mas agora há uma mudança de tom, “nada boa”, segundo um amigo com trânsito no Congresso, do principal articulador do tema no Congresso. “Eu sou a boa política, e não a velha política. Mas se acham que sou a velha, estou fora”, nos relata do “O Estado de S.Paulo”.

Com essa postura, Maia volta não a pedir, mas a “gritar”, por assim dizer, para que Bolsonaro assuma seu papel de presidente na condução de reforma e que seus filhos parem de atacar aliados.

A impressão é de que nas redes sociais e nas suas lives do “Facebook”, Bolsonaro e família tentam manter sua militância mais fiel engajada. Mas esquecem que o período de campanha já acabou e que há um governo para conduzir.

Fazer política é também fazer gestos e isso não tem nada a ver como velha ou nova política. É possível e importante falar com “as bases”, o PT sempre foi mestre em fazer isso, mas não precisa atacar aliados.

Ter o presidente da Câmara como inimigo não é bom negócio para nenhum governo, ainda mais um governo que ainda não conseguiu encontrar uma forma de “fazer política” e é fustigado até mesmo pelo seu partido.

Agora, é aguardar o "corpo de bombeiros" entrar em campo e algum gesto de Bolsonaro, mesmo que lá do Chile.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

perdido com os centavos?

Novo cofrinho de poupança? Neon anuncia ferramenta para incentivar investimento de trocados em CDB

Nova função criada pela fintech permitirá que usuários destinem parte de pagamentos no débito para aplicações automáticas em CDB

Mais magrinha

Petrobras negocia venda de participações em áreas onde descobriu gás em SE

Como o foco do seu plano de negócios atualmente é o pré-sal, localizado na região Sudeste do País, o investimento em outras áreas, como em Sergipe, está atrelado à adoção de soluções financeiras que não comprometam o orçamento da companhia e também não gerem mais dívida

EUA x China

Qual o custo da guerra comercial? Para a Huawei, serão US$ 30 bilhões a menos em receita

O presidente da Huawei, Ren Zhengfei, passou estimativas quanto aos impactos que a guerra comercial trará para a empresa. E tanto a receita quanto as vendas internacionais de smartphones serão fortemente afetadas

Grave crise

Odebrecht pode fazer pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira

Com dívida de R$ 80 bilhões e com execuções em curso, a empresa está sem alternativas para resolver seu problema de liquidez financeira

em busca da previdência perfeita

Guedes quer ajustar relatório da reforma

Ministro vai buscar negociar ajustes no relatório da reforma da Previdência com o relator da proposta, deputado Samuel Moreira; o relator e o secretário Especial de Previdência, Rogerio Marinho, já conversaram informalmente neste fim de semana

Boas novas!

Nubank levanta R$ 375 milhões para financiar expansão e emplaca captação inédita

A fintech estreou a nova modalidade com uma oferta de R$ 75 milhões e que atraiu cinco investidores institucionais. Na mesma operação, o Nubank captou outros R$ 300 milhões via letras financeiras sênior

em busca do primeiro bilhão

Como Rihanna se tornou a artista feminina da música mais rica do mundo

Cantora pop acumulou uma fortuna de US$ 600 milhões, mas para isso ela teve de investir mais do que em música

segue o jogo

Caso Levy não atinge a Câmara, diz Rodrigo Maia

Maia fez o comentário em entrevista à emissora BandNews ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do BNDES Joaquim Levy

Cortar ou não cortar?

Ex-diretores do BC se dividem sobre juros

Os que defendem ao menos um aceno ao corte no comunicado dão ênfase à avaliação da modelagem que considera a longa permanência da taxa de desemprego elevada e a ociosidade da economia

No vermelho

Economia parada deixa brasileiro refém das dívidas

Início de ano costuma ser um período de aperto no orçamento por causa do acúmulo de contas a pagar, mas neste ano o movimento está mais forte por causa da estagnação da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements