Menu
2019-09-13T17:27:10+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Santander vê Selic em 4,5% no fim de 2019 e taxa fica assim até 2021

Além de corte de meio ponto na semana que vem, banco estima mais duas reduções de mesma magnitude em outubro e dezembro

13 de setembro de 2019
16:50 - atualizado às 17:27
Imagem mostra moedas ao fundo e gráfico que aponta tendência de quedas de uma taxa
Mercado espera queda na taxa de juros - Imagem: Shutterstock

O Santander revisou seu cenário econômico e passou a trabalhar com taxa básica de juros, Selic, de 4,5% no fim de 2019. Taxa que deve vigorar até o começo de 2021. A previsão está entre as menores considerando outras grandes instituições e a mediana do mercado, que trabalha com juro de 5% neste ano e alta para 5,25% em 2020. Atualmente, a Selic está em 6%.

Dados de atividade econômica mostrando recuperação modesta, com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) abaixo de 1%, ajudam a embasar a nova projeção. No lado da inflação, o banco trabalha com Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) abaixo das metas por muito tempo.

Considerando a Selic projetada pelo banco e a inflação esperada pela mediana do mercado para o fim de 2020, de 3,82%, temos um juro real de 0,65% ao ano. Atualmente o juro real está na casa de 1,65% ao ano (swap 360 dias descontado IPCA projetado 12 meses).

No lado dos nossos investimentos, como já escrevemos, acabou a mamata do juro, o tal 1% ao mês vai exigir tomada de risco e sofisticação dos investimentos. Fica a aqui a dica de leitura da matéria da Julia Wiltgen sobre o que fazer com a Selic voltando a cair. Também deixo como sugestão o nosso e-book gratuito sobre perspectivas de investimento no segundo semestre.

A principal questão atualmente, segundo o Santander, é de que forma cortes mais acentuados na taxa Selic poderiam afetar o nível da taxa de câmbio, que chegou próximo a R$ 4,20 nos últimos dias.

Ainda assim, a instituição pondera que a ampla ociosidade da economia tem limitado o repasse cambial (pass-through) aos preços domésticos. E que mesmo considerando um cenário alternativo de alguma depreciação da taxa de câmbio nos próximos meses (cenário básico, que prevê R$ 4,0 no fim do ano), o impacto sobre o IPCA seria contido, não interrompendo o ciclo de corte de juros.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Riscos ao cenário

O que pode impedir a Selic de chegar aos estimados 4,5% é o cenário externo. O banco reconhece que ouve diminuição da grande turbulência vista em agosto, mas existem diversos fatore que podem afetar o Brasil e o preço dos ativos por aqui.

  • Eleição na Argentina pode gerar grande instabilidade na economia argentina e impactar alguns setores brasileiros, com destaque ao automobilístico.
  • Guerra comercial. Apesar do recente arrefecimento, o banco ainda trabalha com um ambiente de bastante incerteza entre as negociações envolvendo EUA e China.
  • Brexit – o acordo para saída do Reino Unido da União Europeia

"Todos esses efeitos poderão gerar grande volatilidade para os ativos brasileiros, tais como taxa de câmbio e bolsa de valores. O mês de outubro será bastante movimentado e importante para a definição do ritmo e tamanho dos cortes até a reunião de dezembro, visto que os analistas estão divididos quanto à magnitude do corte nesta reunião e a continuidade ou não das reduções até a reunião de dezembro", diz a instituição.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Olho na Vale

Polícia apresentará em breve acusações criminais por Brumadinho, diz fonte

Autoridades devem acusar formalmente entre oito e 12 pessoas pelo crime de falsa representação na primeira de uma série de acusações

Seu Dinheiro na sua noite

Sobre a bolsa, datas e fatos relevantes

No dia 17 de setembro de 2010, o Ibovespa fechou aos 67.089 pontos, em queda de 0,85%. Me arrisco a dizer que nada muito digno de nota tenha acontecido nesse pregão específico da bolsa. Mas para mim ocorreu um fato mais do que relevante: o nascimento da minha filha mais nova. Voltei à redação dias […]

Fica pra próxima

Sem acordo, senadores recuam em projeto que beneficiaria partidos

Relator da proposta no Senado, Weverton Rocha (PDT-MA), retirou todos os demais trechos do texto em uma nova versão de seu parecer

Linha VIP

Bradesco e Itaú preparam crédito imobiliário ajustado pelo IPCA para endinheirado

Bancos privados correm atrás da concorrente Caixa Econômica Federal, que ofereceu a modalidade para o público em geral

Grana solta

Onyx anuncia liberação de R$ 8,3 bilhões em recursos do Orçamento

Informações do ministro mostram que, do total desbloqueado, R$ 1,9 bilhão ficará para a Educação

De olho nas cotações

Preocupações com a alta do petróleo diminuem após declarações de ministro saudita

O ministro de Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, afirmou que a oferta do petróleo voltou ao nível visto antes do ataque

Leilão em outubro

17 empresas se inscrevem para 16ª rodada de petróleo, diz ANP

Entre as inscritas, 15 são estrangeiras. Na 16ª Rodada de Licitações, vão ser oferecidos 36 blocos de pós-sal

De olho nos bons modelos

Por que Elon Musk acha que a Tesla tem que ser mais parecida com a Amazon?

Em uma ligação, Musk sugeriu que a Amazon não sobreviveria se utilizasse um modelo de entregas similar ao que a Tesla utiliza

boas novas

Desde lançamento, 20% dos financiamentos pela Caixa foram IPCA, diz CEO da Tecnisa

Linha de crédito atualizada pela inflação vale para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e no Sistema Financeiro Imobiliários (SFI)

Dicas valiosas

5 coisas que os ultrarricos estão fazendo (e que você deveria fazer) para proteger seu patrimônio

Pauta de uma recessão financeira entrou de vez na lista de grandes especialistas e proteger o seu patrimônio deve ser uma de suas prioridades

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements