Menu
2019-06-14T09:06:06+00:00
junto e misturado

Resseguradoras Austral e Terra Brasis fazem fusão

Resseguradora será a segunda do setor com capital nacional e a terceira em prêmios, atrás somente do líder IRB Brasil Re e da alemã Munich Re.

14 de junho de 2019
9:05 - atualizado às 9:06
acordo-fusao
Acordo Fusão - Imagem: Shutterstock

As resseguradoras Austral, controlada pelo fundo Vinci Partners, e Terra Brasis, do Brasil Plural, chegaram a um consenso, após mais de um ano de tratativas para unir suas operações no País. A operação foi antecipada pela Coluna do Broadcast. A companhia resultante nasce com R$ 1,6 bilhão em ativos, R$ 672 milhões em prêmios brutos de resseguros em 2018 e cogita listar ações na bolsa brasileira como forma de atrair capital para continuar sua expansão.

Ainda sem marca definida, a resseguradora será a segunda do setor com capital nacional e a terceira em prêmios, atrás somente do líder IRB Brasil Re e da alemã Munich Re. Seu patrimônio líquido combinado será de R$ 387 milhões. O negócio foi feito via troca de ações, sem injeção de recursos. Além disso, não envolveu a seguradora Austral.

Tanto a Austral quanto a Terra Brasis atuam em todas as linhas de negócios do mercado, incluindo patrimonial, agronegócios, pessoas, infraestrutura.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Donos

A nova empresa será controlada pela Vinci Partners, com participação de cerca de 62% do negócio, tendo como sócios o Brasil Plural, com fatia de 20%, e o International Finance Corporation (IFC), braço financeiro do Banco Mundial, que detinha participação nas duas companhias e ficará com 18% das ações. A Vinci terá três assentos no conselho, enquanto Brasil Plural e IFC terão um cada.

Um dos motivos que teria atrasado a conclusão das conversas, teria sido, segundo fontes, diferentes acordos de acionistas das duas companhias. Depois de mais de um ano, a fusão foi assinada.

O atual presidente da Austral, Bruno Freire, vai comandar a empresa resultante. A seu lado, o presidente da Terra Brasis, Rodrigo Botti, será o "segundo homem" da operação.

"Há expectativa de que a economia brasileira retome uma taxa de maior crescimento nos próximos anos e, com a fusão das duas resseguradoras, estaremos mais bem posicionados para aproveitar a retomada", disse Freire, ao Estadão/Broadcast.

Sobre a possibilidade de listar ações na bolsa brasileira, unindo-se ao IRB, único ressegurador de capital aberto no País, ele afirma que é uma possibilidade em um leque de caminhos para atrair capital para a nova empresa, mas o martelo não está batido. Um novo sócio, segundo ele, também não estaria descartado, embora não tenha sido engatilhado um terceiro nome durante as conversas entre Terra Brasis e Austral.

Sinergia. Apesar de as empresas atuarem nas mesmas áreas, Freitas afirma que há sinergias de nichos de atuação, bem como geograficamente. "Temos um plano parecido de expansão da América Latina, mas enquanto a Terra Brasis se voltou aos países do Norte da região como Colômbia, Peru e Panamá, nós priorizamos mais o Sul como Argentina, Chile e México", afirma Freire.

Ele também avalia como positiva para a fusão a expectativa de o governo transferir riscos do Proagro - uma espécie de seguro agrícola - para o resseguro. A empresa, de acordo com ele, será mais "parruda" para disputar esse novo mercado no Brasil bem como o de infraestrutura.

A fusão entre Terra Brasis e Austral ocorre após tentativas de desinvestimento sem sucesso por parte da Vinci Partners. A gestora negociou a venda da operação de seguros da Austral para a americana Argo, mas o negócio não prosperou. Antes disso, a Vinci chegou a negociar toda a sua operação de seguros e resseguros para o chinês Fosun, mas a transação também não foi concluída.

O negócio entre Austral e Terra Brasis depende de aval dos reguladores, incluindo a Superintendência de Seguros Privados (Susep) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Sem precisar um prazo para a bênção dos órgãos reguladores, Freire disse que, as fusões e aquisições em seguros mais recentes foram aprovadas em cerca de seis meses.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Economia aquecida?

Empresários esperam queda na inadimplência e mais investimentos até o fim do ano

Pesquisa também mostra que 55% das empresas têm a intenção de aportar recursos em novos produtos e serviços, 53% querem dar um upgrade tecnológico e 46% capacitar seus profissionais

Seu Dinheiro na sua noite

O elefante na loja de cristais dos mercados

No seu livro Princípios – leitura obrigatória (ao lado do meu romance Os Jogadores, é claro…) –, Ray Dalio afirma que o importante para quem investe não é prever o futuro, mas captar mudanças no ambiente econômico enquanto elas estão acontecendo. O bilionário gestor do maior “hedge fund” do mundo sabe que é natural os […]

Sete blocos envolvidos

MPF entra com ação para impedir leilão de petróleo ao lado de Abrolhos

MPF na Bahia sustenta que blocos não deveriam ir a leilão sem os devidos estudos ambientais prévios

Papel passado

Bolsonaro sanciona com vetos MP da liberdade econômica

Presidente disse durante a cerimônia de sanção que o governo avalia projeto para incentivar a abertura de empresas

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: A Selic caiu novamente. E agora, como ficam os seus investimentos?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

A grana tá solta

Governo libera R$ 12,459 bilhões do Orçamento de 2019 e educação leva a maior fatia do bolo

Parte desse dinheiro não poderá ser distribuída livremente já que, do total, R$ 2,6 bilhões vêm das receitas recuperadas por meio da Operação Lava Jato

Tesourada no governo também

Ministério da Economia corta projeção da Selic em 2019 de 6,2% para 5,9%

Projeção para o câmbio médio deste ano passou de R$ 3,8 para R$ 3,9. Já a estimativa para a alta da massa salarial passou de 5,5% para 4,9%

Meio ambiente em jogo

Amazon entra na onda verde e assina acordo ambicioso para combater mudanças climáticas

Como parte do plano, Bezos disse ainda que vai adquirir 100 mil vans de entregas elétricas da startup de veículos elétricos Rivian e que elas vão começar a rodar a partir de 2021

O céu é o limite?

Ações da Braskem disparam na bolsa após notícias sobre venda pela Odebrecht

Construtora teria recontratado a empresa Lazard para dar continuidade às negociações de venda da sua participação na Braskem

Nova tecnologia

Tim prepara novos polos de testes do 5G no Brasil

“Queremos disponibilizar a tecnologia o quanto antes para que os desenvolvedores comecem a projetar aplicações. Quando o 5G chegar, elas já estarão disponíveis”, explicou, em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements