Menu
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como a aprovação (ou não) da Reforma da Previdência pode afetar os seus investimentos?

O mercado está de olho nela, mas o que você, investidor, tem a ver com isso? Neste vídeo, eu explico tudo

13 de fevereiro de 2019
12:33 - atualizado às 12:59

O mercado financeiro acompanha com especial interesse o andamento da reforma da Previdência, cuja aprovação é considerada a medida mais crucial para o reequilíbrio das contas públicas e a retomada de um crescimento sustentável pelo país.

O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que o texto com as bases do projeto já está pronto e será apresentado ao presidente Jair Bolsonaro assim que ele tivesse alta - o que ocorreu nesta quarta-feira (13).

Para além de como vai ficar a sua aposentadoria - se é que você ainda não é aposentado - a aprovação (ou não) da reforma da Previdência promete mexer com os preços e a rentabilidade dos ativos. No vídeo a seguir eu explico como a aprovação da reforma pode mexer com os seus investimentos:

Veja a seguir a transcrição do texto do vídeo

Que uma reforma da Previdência pode afetar a sua aposentadoria, isso é meio óbvio. Mas qual seria o impacto da reforma nos investimentos? E se ela não for aprovada - ou não for suficiente? O mercado financeiro está de olho nesse tema. Mas e eu com isso?

O governo brasileiro se vê hoje numa saia justa. Ele gasta mais do que arrecada desde 2014, o que vem levando a uma escalada na dívida pública. De um lado, houve uma perda na arrecadação por conta de uma série de renúncias fiscais e da última crise econômica. Do outro, as despesas obrigatórias aumentaram. É o caso dos gastos com pessoal e da Previdência Social.

A situação da Previdência tende a piorar se nada for feito. Com o envelhecimento da população, os desembolsos do governo vão ficar cada vez maiores para fazer a conta fechar. A ausência de idade mínima para se aposentar por tempo de contribuição também torna as aposentadorias no Brasil mais precoces do que em outros países. A Previdência Social brasileira é hoje uma das menos sustentáveis do mundo, com gastos parecidos com os de países com uma proporção muito maior de idosos na população.

De todos os ajustes que o governo precisa fazer, a reforma da Previdência é o que pode causar o maior impacto positivo nas contas públicas. Mas por que isso é relevante para os seus investimentos?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Um governo deficitário e altamente endividado tem poucas condições de investir em áreas que estimulem o crescimento econômico, como infraestrutura, por exemplo. Isso pode ter um impacto negativo na geração de empregos, nos resultados das empresas e no consumo. Consequentemente, as ações das companhias na bolsa podem sofrer.

Além disso, aumenta o risco-país. Os investidores começam a ficar desconfiados de que o governo não vai ser capaz de honrar as suas obrigações e passam a exigir uma recompensa maior para continuar financiando a crescente dívida pública. Resultado: o governo se vê obrigado a aumentar os juros.

Se você parar para pensar, não é muito diferente do que acontece se você começar a gastar mais do que ganha e se encher de dívidas. As instituições financeiras vão passar a cobrar juros mais altos, e você vai ter dificuldade de conseguir empréstimos.

Juros altos desaceleram a atividade econômica, porque encarecem o crédito, não só para o governo como também para empresas e consumidores. Esse cenário não é nada bom para investimentos que se beneficiam de juros baixos, como ações, fundos imobiliários, imóveis, debêntures, CRI e CRA. Só a renda fixa tradicional, atrelada à Selic, é que fica atrativa.

Por fim, um governo que seja considerado um mau pagador tende a espantar investidores estrangeiros, que tiram os seus recursos do país. O resultado é a alta do dólar e um possível aumento da inflação. Recessão com inflação elevada não é um cenário estranho para os brasileiros, e é péssimo para o investidor e para o trabalhador.

Por outro lado, se a reforma da Previdência passar e de fato for capaz de desafogar o governo, juros, câmbio e inflação podem ser mantidos sob controle, beneficiando a bolsa, o mercado imobiliário e a renda fixa prefixada.

Gostou do vídeo? Então deixa aqui no campo de comentários as suas dúvidas e sugestões para outros vídeos, e não se esqueça de se inscrever no nosso canal de YouTube.

Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu