Menu
2019-03-28T14:53:34+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como a aprovação (ou não) da Reforma da Previdência pode afetar os seus investimentos?

O mercado está de olho nela, mas o que você, investidor, tem a ver com isso? Neste vídeo, eu explico tudo

13 de fevereiro de 2019
12:33 - atualizado às 14:53

O mercado financeiro acompanha com especial interesse o andamento da reforma da Previdência, cuja aprovação é considerada a medida mais crucial para o reequilíbrio das contas públicas e a retomada de um crescimento sustentável pelo país.

O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que o texto com as bases do projeto já está pronto e será apresentado ao presidente Jair Bolsonaro assim que ele tivesse alta - o que ocorreu nesta quarta-feira (13).

Para além de como vai ficar a sua aposentadoria - se é que você ainda não é aposentado - a aprovação (ou não) da reforma da Previdência promete mexer com os preços e a rentabilidade dos ativos. No vídeo a seguir eu explico como a aprovação da reforma pode mexer com os seus investimentos:

Veja a seguir a transcrição do texto do vídeo

Que uma reforma da Previdência pode afetar a sua aposentadoria, isso é meio óbvio. Mas qual seria o impacto da reforma nos investimentos? E se ela não for aprovada - ou não for suficiente? O mercado financeiro está de olho nesse tema. Mas e eu com isso?

O governo brasileiro se vê hoje numa saia justa. Ele gasta mais do que arrecada desde 2014, o que vem levando a uma escalada na dívida pública. De um lado, houve uma perda na arrecadação por conta de uma série de renúncias fiscais e da última crise econômica. Do outro, as despesas obrigatórias aumentaram. É o caso dos gastos com pessoal e da Previdência Social.

A situação da Previdência tende a piorar se nada for feito. Com o envelhecimento da população, os desembolsos do governo vão ficar cada vez maiores para fazer a conta fechar. A ausência de idade mínima para se aposentar por tempo de contribuição também torna as aposentadorias no Brasil mais precoces do que em outros países. A Previdência Social brasileira é hoje uma das menos sustentáveis do mundo, com gastos parecidos com os de países com uma proporção muito maior de idosos na população.

De todos os ajustes que o governo precisa fazer, a reforma da Previdência é o que pode causar o maior impacto positivo nas contas públicas. Mas por que isso é relevante para os seus investimentos?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Um governo deficitário e altamente endividado tem poucas condições de investir em áreas que estimulem o crescimento econômico, como infraestrutura, por exemplo. Isso pode ter um impacto negativo na geração de empregos, nos resultados das empresas e no consumo. Consequentemente, as ações das companhias na bolsa podem sofrer.

Além disso, aumenta o risco-país. Os investidores começam a ficar desconfiados de que o governo não vai ser capaz de honrar as suas obrigações e passam a exigir uma recompensa maior para continuar financiando a crescente dívida pública. Resultado: o governo se vê obrigado a aumentar os juros.

Se você parar para pensar, não é muito diferente do que acontece se você começar a gastar mais do que ganha e se encher de dívidas. As instituições financeiras vão passar a cobrar juros mais altos, e você vai ter dificuldade de conseguir empréstimos.

Juros altos desaceleram a atividade econômica, porque encarecem o crédito, não só para o governo como também para empresas e consumidores. Esse cenário não é nada bom para investimentos que se beneficiam de juros baixos, como ações, fundos imobiliários, imóveis, debêntures, CRI e CRA. Só a renda fixa tradicional, atrelada à Selic, é que fica atrativa.

Por fim, um governo que seja considerado um mau pagador tende a espantar investidores estrangeiros, que tiram os seus recursos do país. O resultado é a alta do dólar e um possível aumento da inflação. Recessão com inflação elevada não é um cenário estranho para os brasileiros, e é péssimo para o investidor e para o trabalhador.

Por outro lado, se a reforma da Previdência passar e de fato for capaz de desafogar o governo, juros, câmbio e inflação podem ser mantidos sob controle, beneficiando a bolsa, o mercado imobiliário e a renda fixa prefixada.

Gostou do vídeo? Então deixa aqui no campo de comentários as suas dúvidas e sugestões para outros vídeos, e não se esqueça de se inscrever no nosso canal de YouTube.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Seu Dinheiro na sua noite

Insiste em zero a zero e eu quero um a um

Você disse que não sabe se não. Mas também não tem certeza que sim. Se Djavan fosse um analista de mercado, representaria o sentimento dos investidores sobre o que vai acontecer com as taxas de juros no país. Para muita gente, não é mais uma questão de “se”, mas de “quando” a Selic vai cair. […]

Tá liberado!

Governo amplia setores autorizados a trabalhar aos domingos e feriados

A partir de hoje, 78 setores estão autorizados a funcionar nesses dias. Entre os novos segmentos está o comércio em geral

Agora vai?

Leilão de ativos da Avianca Brasil acontecerá no dia 10 de julho

Colegiado de desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo liberou a decisão sobre a na manhã de ontem

Preenchendo a vaga

À espera de aprovação do nome de Montezano, BNDES nomeia presidente interino

Nome do atual diretor de finanças da instituição, José Flávio Ferreira Ramos, foi indicado para ocupar o posto provisoriamente

O rombo em forma de dados

Mansueto: dos 26 Estados mais DF, 14 gastam acima do limite de 60% com pessoal

Percentual abordado pelo secretário o Tesouro Nacional foi estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal

Olha eles aí outra vez

Deputados favoráveis à reforma da Previdência defendem volta da capitalização e de Estados

Sessão para debates sobre o relatório na comissão especial da reforma da Previdência na Câmara contou com várias defesas dos pontos retirados

negócio fechado

Embraer assina cooperação estratégica com a Elta para desenvolver P600 AEW

Com o acordo, as duas empresas criam um novo segmento de mercado, o de AEW; aeronave de última geração foi concebida para atuar em um novo segmento do mercado

acelerou! (um pouquinho)

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,29% em maio em 10 capitais, diz associação

A Abecip avaliou, em nota, que as altas nos preços dos imóveis residenciais na maioria das capitais ainda não resultam em uma recomposição dos valores dos imóveis em termos reais.

temos um impasse

Virtualmente demitido, presidente dos Correios diz que só deixa o cargo com pedido formal

Bolsonaro disse na última sexta-feira que demitiria o presidente dos Correios pelo comportamento “sindicalista”; mas ele não deixou o cargo: ontem foi trabalhar normalmente e disse, em palestra, que só sai com formalização da demissão

Blog da Angela

Nativos e gringos soltam o verbo e mercados comemoram

Discurso afinado de relator sobre capitalização na Previdência anima; Draghi levanta a bola e Trump corta com categoria – para o Federal Reserve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements