Menu
2019-07-16T10:00:23+00:00
Os planos da Via Varejo

‘Previdência não muda o País da água para o vinho’

Roberto Fulcherberguer assumiu o comando da Via Varejo há pouco mais de um mês e diz que a prioridade zero é estabilizar o negócio, que deu prejuízo em 2018

16 de julho de 2019
8:01 - atualizado às 10:00
Roberto Fulcherberguer, Via Varejo
Roberto Fulcherberguer, presidente da Via Varejo - Imagem: Divulgação

Há pouco menos de um mês no comando da Via Varejo, Roberto Fulcherberguer assumiu o cargo logo após o empresário Michael Klein ter se tornado o principal acionista da dona da Casas Bahia e do Ponto Frio. Depois de dois anos de tentativas de venda por parte do Grupo Pão de Açúcar (GPA), controlado pelo gigante francês Casino, Klein retomou, ao lado de fundos de investimento, as rédeas da rede fundada por sua família, em 1957. “A prioridade zero é estabilizar o negócio (que deu prejuízo em 2018)”, disse Fulcherberguer, ao Estado.

Segundo o executivo, algumas mudanças serão sentidas no curto prazo. “Descobrimos um banco de dados de 70 milhões de pessoas que não estava sendo usado, não me pergunte a razão”, afirmou Fulcherberguer. Ele disse também que algumas mudanças vão ser sentidas no site da empresa. “A pessoa tinha de clicar quatro vezes para dizer que não queria garantia estendida de um produto. Estamos mudando isso.”

Em relação à economia, o executivo diz que a reforma da Previdência, aprovada em primeiro turno, “ajuda bastante o Brasil”. “Ela não vai mudar o País da água para o vinho, mas destrava um grande volume de investimento.”

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista:

O que dá para mudar na Via Varejo no curto prazo?

A prioridade zero é estabilizar o negócio (a empresa deu prejuízo em 2018). Parte desse trabalho é mais fácil, parte é de longo prazo. O cliente tinha de dar três ou quatro cliques para dizer que não queria garantia estendida. Estamos mudando isso, deixando o caminho de venda mais simples. Coisas como essa conseguimos corrigir no curtíssimo prazo. Em paralelo, estamos fazendo planos de médio e longo prazos, de redesenhar todo o negócio.

Por estar à venda há quase dois anos, a Via Varejo ficou meio de lado? Por isso tem tanto a ser feito?

Tem muita coisa a ser feita. Há formas de aproveitar muita coisa já feita e que não estava sendo usada. Por exemplo: descobri que temos um data lake (banco de dados) de 70 milhões de consumidores, sendo 25 milhões ativos. Não me pergunte a razão, mas isso não era usado. O pessoal do marketing já está trabalhando nisso, em buscar uma forma mais simples de nos relacionarmos com o consumidor. Isso já pode tornar a venda mais ágil. Tem muita coisa que ficou na prateleira, até porque a gente teve problema na Black Friday, ficando fora do ar.

O que vai mudar nesse primeiro momento? O online vai ser prioridade?

Tudo acontecerá em paralelo. A gente vê que tem possibilidade de melhoria nas lojas. Fora dos grandes centros, porém, elas não são piores que a média da concorrência, estão iguais. Mas têm oportunidade de melhorar, porque as nossas lojas tradicionalmente eram melhores que as da concorrência. Mas o investimento não vai ser nada desproporcional.

O Magazine Luiza tem 38% das vendas na internet e a Via Varejo, 19%. Essa é a meta a perseguir?

Proporcionalmente, isso é correto, mas tenho o mesmo volume de vendas na web do Magazine Luiza, porque, no geral, faturo R$ 10 bilhões a mais por ano. Mas não vamos crescer a proporção do online a qualquer custo, vamos fazer com o pé no chão. O market place (que agrega outros vendedores à plataforma) vai ter uma seleção criteriosa, para ver se o vendedor tem confiabilidade para usar a minha marca.

A marca Ponto Frio, pode ser desativada?

Estamos estudando todas as possibilidades. Não há nenhuma decisão nesse sentido.

Existe ainda espaço para crescer em lojas físicas?
Estamos bem distribuídos, com mais de mil lojas. Mas ainda cabe expansão no Norte e Nordeste. É um plano que está sendo desenhado.

A reforma da Previdência, ajuda na perspectiva no varejo?

Sem dúvida nenhuma, ajuda a destravar bastante coisa. Ela não vai mudar o País da água para o vinho, mas destrava um grande volume de investimento. Esperamos que logo venham também outras coisas, como a reforma tributária.

E o marketing, vai mudar?

Vamos remodelar completamente o marketing. Também o relacionamento com fornecedores está resgatando o modelo de parceria de longo prazo. Tem muita coisa sendo mexida, e muito a mudar. Faremos grandes melhorias.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements