Menu
2019-04-03T18:04:43+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Após polêmicas

Petrobras assina venda de Pasadena para Chevron

Valor da transação é de US$ 562 milhões, sendo US$ 350 milhões pelo valor das ações e US$ 212 milhões de capital de giro

31 de janeiro de 2019
6:37 - atualizado às 18:04
Refinaria de Pasadena, nos EUA
Imagem: Divulgação

A Refinaria de Pasadena, da Petrobras, instalada nos Estados Unidos, foi oficialmente vendida nessa quarta-feira, 30, para a americana Chevron.

O valor da venda é de US$ 562 milhões, cerca de metade do valor pago pela estatal brasileira para ter a unidade, que passou de US$ 1,3 bilhão.

Dessa quantia, US$ 350 milhões são referentes ao valor das ações e US$ 212 milhões de capital de giro (tendo outubro do ano passado como data base).

O valor final da operação está sujeito a ajustes de capital de giro até a data de fechamento da transação, segundo informou a estatal.

Ontem à noite, a estatal brasileira confirmou que sua subsidiária americana assinou ontem o contrato de compra e venda das ações detidas pela Petrobras nas empresas que compõem o sistema de refino de Pasadena.

Foram vendidas as sociedades Pasadena Refining System Inc. (PRSI), responsável pelo processamento de petróleo e produção de derivados, e PRSI Trading LLC (PRST), que atua como braço comercial exclusivo da PRSI, ambas detidas integralmente pela Petrobras America Inc. A PRSI possui capacidade de processamento de 110 mil barris de petróleo por dia (bpd).

A empresa informou que a refinaria é independente do Sistema Petrobras, que pode operar com qualidades de petróleos médios e leves e produz derivados que são comercializados tipicamente no mercado doméstico americano.

A conclusão da transação, informou a Petrobras, está sujeita à obtenção das aprovações pelos órgãos antitruste dos Estados Unidos e do Brasil.

Vende-se

A Petrobras comunicou em fevereiro do ano passado sua intenção de vender a refinaria. Ela entrou no programa de desinvestimentos da estatal, que prevê a venda de ativos não estratégicos para reduzir o endividamento da companhia.

Em janeiro, a Chevron anunciou ao mercado que aceitou a compra da refinaria, onde a companhia deve focar suas operações de "shale oil", o gás de xisto. O negócio ainda depende de uma série de aprovações para se concretizar.

Nesta terça-feira, o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, que assumiu o comando da empresa no início deste ano, reafirmou a intenção de vender ativos que não dão retorno à estatal e seus acionistas.

Símbolo de corrupção

A refinaria é protagonista de uma série de denúncias de corrupção no governo anterior e virou um símbolo de corrupção na Petrobras. Desvio de recursos na operação são investigados na Operação Lava Jato. A compra de Pasadena resultou em prejuízos de mais de meio bilhão de dólares à estatal, segundo apontou relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) em fevereiro do ano passado.

A empresa pagou um valor total de US$ 1,2 bilhão pela compra de Pasadena. Em 2006, a Petrobras pagou US$ 360 milhões para a Astra Oil por 50% da refinaria Astra Oil, número considerado superfaturado. Um ano antes, a Astra tinha comprado a empresa por um valor muito menor, de cerca de US$ 40 milhões. A Petrobras desembolou mais dinheiro ao longo do tempo para ter 100% da empresa.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

estratégias para emplacar novo embaixador

Aliados querem mudar comissão que vai sabatinar Eduardo

Primeira alteração seria tornar o senador Flávio Bolsonaro, irmão de Eduardo, titular do colegiado

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Entrevista

‘Teremos um ciclo melhor do que o de 2006 e 2007’

Para o presidente do banco americano JPMorgan no Brasil, José Berenguer Neto, o ciclo de entusiasmo no mercado brasileiro tem potencial para ser maior do que o observado há mais de uma década

na expectativa

Governo quer reduzir alíquota do IR para máximo de 25%, diz Bolsonaro

Outra ideia do governo é unificar impostos e contribuições federais, como PIS, Cofins, IPI e IOF, em um imposto único

Novos planos

Weg chega ao varejo e amplia projeto de miniusinas solares em condomínios

Abertura dessa relação direta com o cliente pessoa física segue de perto a estratégia adotada por uma de suas principais concorrentes no segmento corporativo, a Siemens

a bula do mercado

Guerra comercial chega aos balanços corporativos

Detalhes sobre saque do FGTS são esperados no Brasil

Crypto news

Volátil, mas rentável. As surpresas positivas de quem investe no mundo das criptomoedas

Ao contrário do que pensa uma boa parte dos investidores, não podemos propagar a falácia de que o mercado cripto é um mercado perdedor. Por exemplo, no ano, mais de 63 criptoativos subiram mais do que o Ibovespa

EXCLUSIVO PREMIUM

O rei das emergências: os melhores fundos para a sua reserva de curto prazo

Conheça os três fundos DI que não possuem taxa de administração e saiba até quando é mais interessante investir nesses tipos de fundo ou no Tesouro Selic

Quando o dinheiro morre

O novo paradigma de Ray Dalio e um apelo para a compra de ouro

Gestor da Bridgewater compartilha sua avaliação sobre como a atuação dos BCs, juros negativos e endividamento crescente vão mudar a cara do mercado

Entrevista

Fuja da bolsa americana e compre ouro, diz analista da Crescat

Otavio Costa é um brasileiro que trabalha no mercado americano e se soma à corrente que acredita em recessão nos EUA e problemas de crédito na China. Cenário que faz do ouro a melhor opção no momento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements