Menu
2019-07-30T16:54:25+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Morgan Stanley acha que alta da bolsa americana acabou, mas Goldman Sachs avalia que sobe mais

Em briga de touros e ursos, vemos distintas leituras sobre lucratividade das empresas e como o esperado corte de juro pelo Fed vai bater no mercado de ações

30 de julho de 2019
16:54
Bull e bear (touro e urso), símbolos da alta e da queda nos mercados em Wall Street
Bull e bear (touro e urso), símbolos da alta e da queda nos mercados em Wall Street - Imagem: Shutterstock.com

Duas avaliações sobre a bolsa americana feitas por dois gigantes de Wall Street saíram entre segunda e terça-feira e cada uma aponta para um lado.

Na turma dos touros (animal que representa o mercado de alta nos EUA) está o Goldman Sachs, que elevou a estimativa para o índice S&P 500 de 3 mil pontos, para 3.100 pontos no fim do ano e para 3.400 em 2020.

Representando o urso, ou mercado de baixa, está o Morgan Stanley, que reafirmou seu range de negociação para o S&P, feito há 18 meses, entre 2.400 e 3.000, dizendo que o índice não deve ultrapassar esse teto e que a reversão para o piso tem chance de ser mais acentuada.

Para acertamos o passo, o S&P 500 está sendo negociado na linha dos 3.014 pontos no pregão desta terça-feira.

Quem está certo? Não sei e só o tempo dirá. Mas quem quiser se aventurar, por conta e risco, na alta ou na baixa do S&P 500 tem à disposição o fundo de índice (ETF) IVVB11 listado aqui na B3.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O fator Fed atiça o touro

As ações do Federal Reserve (Fed), banco central americano, têm peso central nas análises dos bancos. Amanhã, sai a decisão de juros de Jerome Powell e companhia.

Para o Goldman Sachs, a previsão de redução de juros impactará de forma positiva a forma de avaliar o preço dos ativos. Quanto menor o juro, menor a taxa de desconto para calcular o valor presente de ativos futuros.

Por isso, o banco acredita que os “valuations” das ações poderão ficar acima da média, mesmo estimando redução nos lucros. A relação preço-lucro, uma das diversas formas de avaliar um ativo, teve ficar em 17,6 vezes, contra previsão de 16 vezes feita anteriormente. Em tese, quanto maior o P/E “mais caro” estaria um ativo.

O GS também avalia que o Fed pode se mostrar mais “dove”, ou de postura mais acomodativa na política monetária, do que o mercado espera. Além disso, há previsão de uma nova aceleração da atividade, também com impacto no sentimento dos investidores.

A crença nessa continuidade da expansão econômica é o que leva o banco a estimar o S&P 500 em 3.400 pontos no fim de 2020. Preocupações com o cenário eleitoral americano, diz a instituição, devem ser superadas pelo crescimento da atividade.

Queda de lucros alimenta o urso

Para o Morgan Stanley, a atuação do Fed não será capaz de reacender o crescimento da forma como o mercado espera e como os preços atuais mostram.

O time de analistas reafirma sua cautela com relação ao crescimento, que vai desapontar, tanto em termos econômicos, quanto no aspecto de resultado das empresas listadas.

Em relatório, o MS lembra que os resultados por ação do primeiro trimestre apresentaram uma queda de 0,3% no comparativo anual. Fazendo uma avaliação conjugada dos resultados já divulgados do segundo trimestre, com as estimativas disponíveis, o banco avalia que o consolidado do período apresentará uma retração de 2,6% nos lucros no comparativo anual.

O fator “mais desencorajador”, segundo o Morgan Stanley é o fato de que uma esperada retomada no segundo semestre se mostra pouco provável. Os principais indicadores globais de atividade estão em situação pior, hoje, que em setembro de 2007, quando o Fed embarcou no seu último ciclo de corte de juros.

Em resumo, diz o banco, os fundamentos estão decepcionando, neste ano e, em muitos casos, sinalizando piora. E o gráfico abaixo mostra que o preço das ações está mais desconectado dos dados econômicos que o normal.

Para o banco, esse descolamento é resultado, justamente, da ação agressiva dos BCs e da expectativa de novas atuações. O Fed deve cortar meio ponto amanhã e o Banco Central Europeu (BCE) também deve voltar a reduzir juros e comprar ativos (Quantitative Easing). A grande questão é quanto disso já não está no preço dos ativos e para o banco muito disso já foi incorporado.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements