Menu
2019-08-01T09:10:04+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Com Selic menor, quem pode subir é o dólar

Com Banco Central acenando mais cortes e Fed reticente em reduzir taxas por lá, operações de arbitragem perderão ainda mais atratividade

31 de julho de 2019
20:01 - atualizado às 9:10
dólar cotação
Imagem: Shutterstock

O Comitê de Política Monetária (Copom) cortou a Selic em meio ponto percentual, de 6,5% para 6% ao ano, e disse que tem espaço para mais. O movimento e o discurso serão comemorados na bolsa e no mercado de juros. Mas e o dólar? Tudo indica que a chance é de alta.

Falo “tudo indica”, pois prever mercado de câmbio é quase certeza de humilhação. Mas temos falado que estamos em um momento de mudança estrutural no mercado cambial brasileiro, reflexo da própria queda do diferencial entre o juro doméstico e externo.

E esse diferencial se estreitou mais, depois que o Federal Reserve (Fed), banco central americano, fez um corte de 0,25 ponto no seu juro, para 2% a 2,25%. Mais importante que isso, o presidente Jerome Powell, falou que não deve embarcar em um ciclo prolongado de ajuste. Em resumo, o juro brasileiro tende a cair mais e mais rápido que o americano.

Quanto menor o diferencial de juros, menor o apelo das operações de carry trade, na qual o investidor capta dinheiro “barato” lá fora, entra com ele no Brasil e ganha o diferencial de juros. Isso já foi “moda” nos períodos em que tínhamos juros acima de 14%, enquanto o custo do dinheiro no mundo rondava zero.

Essa queda de diferencial ocorre num momento que outros vetores também elevam a demanda de dólar por aqui, como a troca de dívidas externas por locais.

Os números de fluxo cambial mostram essa demanda por moeda americana. No ano até 26 de julho, a saída é de US$ 4,756 bilhões, contra ingresso de US$ 26,976 bilhões em igual período do ano passado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O que vai ditar se teremos dificuldades nessa área do mercado é o cupom cambial (juro em dólar no mercado local). Quando o cupom sobre ou “abre” é sinal de maior demanda por dólares à vista.

Quando o diferencial de juros era elevado, os bancos traziam dólares de fora, atendiam à demanda e ganhavam com arbitragem. Agora, essas operações rarearam e o próprio BC tem atuado mais no mercado à vista com operações de linha. (Discutimos mais detidamente essa falta de arbitradores e todo funcionamento do mercado neste texto aqui).

O que pode equilibrar os impactos dessa queda no diferencial de juro é o efeito expectativa. Algo como o mercado antecipando eventual retomada mais firme do crescimento via juros menores ou mesmo o início de um esperado fluxo de investimentos no país.

Os próximos pregões e uma eventual atuação do BC nos darão a resposta. Aliás, no limite, se a demanda por dólar à vista continuar elevada, o BC pode mesmo vender reservas internacionais em movimento de troca de instrumentos de intervenção levando em conta custos e benefícios.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Aquecendo o mercado imobiliário

Novo programa habitacional pode ter verba de R$ 450 milhões em 2020

Governo quer substituir o atual programa habitacional por um sistema de “voucher”, um vale que assegurará um crédito às famílias para a casa própria

Destinos no Brasil e América do Sul

Latam Brasil amplia acordo de codeshare com a Qatar Airways

Agora bilateral, a parceria proporcionará aos clientes da Qatar Airways conexões para destinos em todo o Brasil e América do Sul

Seu Dinheiro na sua noite

Não é só a Previdência

Quando Paulo Guedes assumiu o comando da economia no governo Bolsonaro, formou-se no mercado um misto de grande expectativa e curiosidade. Afinal, era a primeira vez que o Brasil teria uma diretriz liberal “puro sangue”. Parte dos investidores esperava que as primeiras medidas de abertura comercial fossem tomadas logo em janeiro, já que não dependiam […]

Mercado paralelo

Unick Forex é alvo de operação da PF por esquema de pirâmide financeira

A empresa vinha sendo investigada por atuar no mercado financeiro paralelo com a captação ilegal de recursos de cerca de um milhão de clientes

Caged saindo do forno

Saldo líquido de emprego formal foi positivo em 157.213 vagas em setembro

Saldo de setembro do Caged decorre de 1,341 milhão de admissões e 1,184 milhão de demissões

Não está sendo fácil

Campos Neto destaca nos EUA choques internacionais que afetaram PIB em 2019

Apresentação do presidente do BC mostra que a projeção do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto em 2019 é de 0,87%

Crise profunda no PSL

Bolsonaro tenta derrubar líder na Câmara, sofre derrota e destitui Joice Hasselmann da liderança no Congresso

Presidente atuou pessoalmente para tentar derrubar Delegado Waldir, mas movimento foi falho e apenas aprofundou a crise no partido

falam os analistas

UBS eleva preço-alvo da Via Varejo, mas diz que ainda não é hora de comprar a ação da companhia

Analistas do banco suíço avaliam que mudanças promovidas na varejista após a retomada do controle acionário pelo bloco da família Klein ainda não são suficientes para recomendar a compra dos papeis, que ontem fecharam cotados a R$ 7,82

Tá bem na fita

Santander recomenda compra das ações do Banco Pan, chama ativo de “melhor dos dois mundos” e papéis disparam na bolsa

Setor de investimentos do banco espanhol iniciou sua cobertura das ações com um preço-alvo de R$ 14

Balanço SPE

Queda do juro no Brasil é estrutural, diz Ministério da Economia

Entre 2011 e 2013, queda de juros foi feita “na marra” e se tornou insustentável. Agora, Selic menor é vista como sustentável

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements