Menu
2019-07-31T20:07:06+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Nova mínima histórica

Copom corta Selic de 6,5% para 6% ao ano e vem mais redução por aí

Decisão do Banco Central ficou em linha com o esperado por metade do mercado, pois havia divisão de apostas entre corte de 0,25 ponto e meio ponto percentual

31 de julho de 2019
18:21 - atualizado às 20:07
Copom
Reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, responsável por definir a Selic - Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

O Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa básica de juros, a Selic, de 6,5% para 6% ao ano, nova mínima histórica. A decisão foi unânime e sem viés e podemos falar que "agradou" a uma metade do mercado, pois a outra metade esperava redução de 0,25 ponto.

No comunicado apresentado após a decisão, o colegiado presidido por Roberto Campos Neto, reconhece que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira tem avançado, mas enfatiza que a continuidade desse processo é essencial para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia.

O Copom também acena que novas reduções poderão acontecer ao afirmar que a consolidação do cenário benigno para a inflação "deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo".

Mas pondera que a comunicação dessa avaliação sobre novos cortes "não restringe sua próxima decisão" e reitera que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação. A próxima reunião acontecerá nos dias 17 e 18 de setembro.

Antes de seguir adiante com o Copom, taxas de juros menores favorecem a alocação em ativos de risco, como  bolsa de valoresfundos imobiliários e títulos longos do Tesouro Direto. Segue o link para um e-book gratuito sobre perspectivas de investimento no segundo semestre.

Cai até onde?

Os números apresentados pelo Banco Central (BC) sugerem que o ciclo de corte poderia ser de até 1 ponto percentual. Isso decorre da projeção de inflação fechando 2020 em 3,9%, considerando Selic de 5,5% e câmbio de R$ 3,8. A meta para 2020 é de 4%.

Esses 5,5% de Selic representam a mediana do mercado, mas certamente veremos uma onda de revisões para próximo de 5% ou até abaixo disso. O Bank of America Merrill Lynch já fala em juro de 4,75% em 2019.

Para 2019, com Selic em 5,5% e câmbio de R$ 3,75, a inflação fecharia a 3,6%, contra meta de 4,25%. Vale lembrar que o corte de hoje tem impacto mais marcado de 2020 em diante em função do efeito defasado no lado real da economia. De fato, o BC já retirou 2019 do seu horizonte relevante.

A taxa básica estava em 6,5% desde março de 2018, quando marcou o fim de um ciclo de corte iniciado em outubro de 2016, com Selic partindo de 14,25% ao ano.

Selic
Gráfico Selic - aqui está o link para o gráfico interativo na página do BC - Imagem: BCB - Imagem: BCB

Balanço de riscos

O Copom reconhece o avanço na agenda de reformas, referência clara à aprovação em primeiro turno da Previdência. Mas esse continua sendo o “risco preponderante”, dentro dos principais vetores acompanhados pelo BC.

De fato, o parágrafo sobre o balanço de riscos, não mudou. De uma lado, a atividade fraca pode continuar gerando inflação abaixo do previsto. Do outro lado, eventual frustração sobre a continuidade das reformas pode afetar prêmios de risco e inflação futura. Algo que se intensifica no caso de deterioração do quadro externo para emergentes.

O Comitê avalia que o balanço de riscos para a inflação evoluiu de maneira favorável, mas entende que, neste momento, o risco de frustração com as reformas é preponderante.

O colegiado também reitera que a conjuntura econômica prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. Atualmente, a taxa real (juro futuro descontado da inflação esperada) está na casa dos 1,7%.

Cena doméstica

Depois de falar em interrupção do processo de recuperação, agora, para o Copom, os indicadores recentes da atividade econômica sugerem “possibilidade de retomada" desse processo. Para o BC, essa retomada ocorrerá em ritmo gradual.

No lado da tendência da inflação, obtida pela observação dos diferentes núcleos, o BC fala em níveis confortáveis, inclusive dos componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária (como serviços).

Cena externa

Para o BC, o cenário externo mostra-se “benigno”, em decorrência das mudanças de política monetária nas principais economias. Entretanto, os riscos associados a uma desaceleração da economia global permanecem.

Em junho, a avaliação era de quadro externo “menos adverso”. Durante boa parte do ano, o quadro internacional era visto como “desafiador”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements