Menu
2019-06-06T06:25:11+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado deve resgatar cautela

Volta das preocupações com articulação política do governo no Congresso e com a guerra comercial pode deixar investidor mais retraído

6 de junho de 2019
5:36 - atualizado às 6:25
TRADER
Destaque do dia fica com a decisão de juros do BCE

Enquanto Estados Unidos e México precisam avançar na questão da imigração ilegal para impedir uma nova fronteira da guerra comercial, mais um banco central pode entrar hoje para a lista de discussão do mercado financeiro em relação à queda dos juros. Desta vez, os estímulos monetários podem chegar à zona do euro. A decisão do Banco Central Europeu, às 8h45, é o destaque da agenda econômica do dia, que está esvaziada no Brasil.

Com isso, os negócios locais devem ficar mais reféns do cenário externo e também do front político, após o adiamento de votações importantes no Congresso. Ontem, o mercado doméstico interrompeu a melhora na dinâmica dos ativos, que vinha sendo observada desde meados de maio, período em que o dólar saiu da casa de R$ 4,10 e veio abaixo de R$ 3,90, e Ibovespa disparou, após bater a mínima do ano, abaixo dos 90 mil pontos.

Os investidores se retraíram, voltando a mostrar preocupação com a articulação política do governo no Congresso, o que pode atrapalhar no andamento da reforma da Previdência, levantando dúvidas sobre a tendência atual de aprovação. Além de votações adiadas (leia mais abaixo), também pesaram relatos sobre mudanças no teto de gastos e o julgamento da Suprema Corte (STF) sobre a necessidade de privatizações passarem pelo Congresso, que continua hoje à tarde.

Exterior entre Trade War e BCE

Lá fora, as atenções estarão voltadas para a entrevista do presidente do BCE, Mario Draghi (9h30). Os investidores esperam encontrar na fala dele o mesmo tom suave (“dovish”) percebido no comandante do Federal Reserve, Jerome Powell, que parece ter deixado a porta aberta para cortes nos juros dos Estados Unidos em breve.

Draghi deve aproveitar a ocasião para detalhar a terceira rodada das chamadas LTRO, que são operações de financiamento de longo prazo aos bancos visando o aumento do volume de empréstimo à economia. Na reunião anterior, em abril, a autoridade monetária havia anunciado que lançaria mão dessa ferramenta, porém o programa seria mais restrito.

Logo cedo, sai o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro nos três primeiros meses deste ano, que deve reforçar a necessidade de estímulo à economia da região da moeda única. À espera desses eventos, as principais bolsas europeias exibem ganhos.

Em Nova York, os índices futuros das bolsas apagaram as perdas registradas ontem à noite e sobem. Wall Street foi pressionada pelos tweets do presidente norte-americano, Donald Trump, dizendo que as discussões na Casa Branca com representantes do México progrediram, “mas não o suficiente”.

Segundo ele, as conversas serão retomadas hoje. Se não houver acordo, as tarifas de importação de produtos mexicanos vão subir 5% a partir de segunda-feira, com aumentos mensais conforme cronograma. “Quanto mais altas as tarifas, maior o número de empresas que voltarão para os EUA!”, disse Trump.

As tensões comerciais pesaram no pregão da Ásia, onde Xangai caiu 1,2%, uma vez que EUA e China não retomaram as negociações desde o fim da décima primeira rodada, no mês passado. Hong Kong oscilou em alta, enquanto Tóquio ficou de lado, com os investidores ponderando também o otimismo em relação a um corte de juros pelo Fed.

Nos demais mercados, o petróleo se recupera, um dia após o tipo WTI entrar em mercado de baixa (bear market), mas ainda sem sinais de sair dessa tendência. O dólar, por sua vez, recua, com destaque para as altas do euro e o do iene.

Na agenda econômica norte-americana, saem dados sobre a balança comercial em abril, os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos nos EUA e sobre o custo da mão de obra no início deste ano - todos às 9h30. Antes, às 8h30, sai o relatório sobre as demissões anunciadas por empresas nos EUA no mês passado.

Congresso só volta semana que vem

A discussão de uma série de pontos da reforma da Previdência, após quase 280 emendas à proposta original do governo, tornou inviável a apresentação do parecer do relator, deputado Samuel Moreira, na comissão especial nesta semana. A previsão, agora, é de que o documento seja apresentado na semana que vem.

Um dos principais entraves tem sido a inclusão (ou não) de estados e municípios no texto que propõe mudanças às regras para aposentadoria. O tema não é unânime entre governadores, principalmente do Nordeste, e prefeitos. Outras questões em aberto tratam da contribuição do empregador ao regime de capitalização e sobre a regra de transição de servidores públicos.

Ou seja, embora junho seja um mês importante para a tramitação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, ainda tem muita coisa a ser resolvida. Existem dúvidas em relação às emendas que serão feitas ao texto que será aprovado e ao impacto fiscal das novas regras, enxugando a economia desejada pelo governo de pouco mais de R$ 1 trilhão em dez anos.

Também foi adiada a votação do projeto de lei que autoriza um crédito extra de quase R$ 250 bilhões ao governo para pagar despesas correntes. Sem acordo entre deputados e senadores, a proposta deve ser votada na semana que vem. Mas o governo tem pressa, pois o crédito é fundamental para evitar o descumprimento da chamada “regra de ouro”.

Tanto na apresentação do parecer sobre a reforma da Previdência, e posterior votação do texto, quanto na questão que pode levar o presidente Jair Bolsonaro a incorrer em crime de responsabilidade, é preciso levar em conta o fator calendário. Afinal, as tradicionais festas juninas devem esvaziar o Congresso, com deputados e senadores indo para suas bases eleitorais.

Por isso, o cenário segue cauteloso, o que abre espaço para ajustes adicionais nos preços dos ativos locais. A conferir.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Novos pombinhos?

Dona da Vivo está de olho na gigante brasileira Oi

De acordo com fontes próximas, a espanhola estaria analisando uma potencial compra da Oi. A companhia brasileira foi avaliada em US$ 6,7 bilhões ou cerca de € 6 bilhões. As informações são do jornal espanhol, El Confidencial. 

Segunda-feira quente

Tensão no Oriente Médio faz Ibovespa e bolsas globais recuarem; Petrobras sobe

Ataques às refinarias da Aramco na Arábia Saudita elevam a aversão ao risco no mundo e fazem os preços do petróleo disparar. Nesse cenário, o Ibovespa opera em baixa

Melhora nas expectativas

BNDES prevê investimentos de R$ 1,1 trilhão em 2019-2022 em 19 setores, + 2,7%

Os números consideram investimentos apoiados e não apoiados pelo BNDES relativos a 19 setores, sendo 11 da indústria e 8 da infraestrutura

mudança de planos?

Após ataques, IPO da Saudi Aramco pode ser adiado

Empresa pretende vender uma fatia na bolsa local e, posteriormente, realizar uma listagem internacional de ações

Exile on Wall Street

Você quer estar certo ou ganhar direito?

Como viver num mundo que não entendemos? Eu vou explicar melhor a minha perplexidade além do normal nesta manhã

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Um conselho para Petrobras, Braskem e Embraer

Você coloca a mão no fogo pela idoneidade das empresas que estão na bolsa? E está seguro de que as informações apresentadas nos balanços são verídicas? Ou mesmo de que os executivos que tocam o negócio não têm interesses escusos? Depois da Lava Jato e dos rombos que vieram à tona na Petrobras e em […]

Índice Geral de Preços

IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro

O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, continuou registrando deflação, mas com uma taxa mais moderada (-0,57%) do que no mês anterior (-0,83%)

vozes da discordância

‘Reforma tributária tem altíssimo risco de dar errado’, alerta economista

À frente da IFI, Felipe Salto diz que o ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa assumir o comando do projeto; ele sugere o rompimento induzido do teto de gastos já em 2019

No Twitter

Trump pede grande corte de juros e estímulos ao Fed

Presidente americano Donald Trump voltou a criticar postura do BC americano citando China, o dólar forte e o recente salto no preço do petróleo

olho no copom

Boletim Focus mantém projeção de redução da Selic para 5% ao ano

Comitê do Banco Central tem reunião marcada nesta terça e quarta-feira, 18, e deve decidir sobre novos cortes na taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements