Menu
2019-07-22T18:23:15+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
De olho na China

Confuso com o setor de proteína animal? JBS e BRF são boas pedidas, diz Itaú BBA

Para os analistas do Itaú BBA, o surto de febre suína que atinge a China tende a abrir boas oportunidades para as empresas do setor de proteína animal — e JBS e BRF podem continuar se beneficiando

22 de julho de 2019
13:26 - atualizado às 18:23
Embalagem de carne bovina
JBS e BRF são apontadas pelo Itaú BBA como potenciais beneficiadas da atual dinâmica do setor de agropecuáriaImagem: Shutterstock

Entre as dez ações do Ibovespa que acumulam os melhores desempenhos desde o início de 2019, há ativos dos mais diferentes setores — siderurgia, construção civil e saneamento são alguns dos representados no top 10. No entanto, há apenas um segmento com dois representantes: o de proteína animal, com JBS ON (JBSS3) e BRF ON (BRFS3).

As ações ON da JBS, inclusive, lideram a ponta positiva do índice, com uma alta de quase de 115% desde o início do ano — BRF ON aparece na nona posição, com ganho de 57% em 2019. Para o Itaú BBA, contudo, não é hora de se desfazer desses papéis. Pelo contrário: a instituição vê amplo espaço para os ativos continuarem se valorizando.

Em amplo relatório, os analistas Antonio Barreto, Gustavo Troyano e Renan Moura discutem o atual momento do setor de agropecuária, focando nas questões relativas ao surto de febre suína africana que atinge os animais da China — e em como o gigante asiático precisará aumentar suas importações em função disso —, à guerra comercial e aos riscos de recessão global, entre outros fatores de incerteza.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Para os analistas, o cenário para os próximos seis meses inclui um aumento nas exportações de carne bovina dos Estados Unidos e do Brasil. "A China já está importando 41% a mais, mas de países que não conseguirão aumentar ainda mais as exportações no segundo semestre", escrevem os especialistas do Itaú BBA.

Além disso, a instituição afirma que as importações chinesas de frango mal começaram — para a equipe liderada por Barreto, o governo de Pequim precisa aumentar as compras de aves numa magnitude entre 29% e 330% em relação aos níveis atuais.

Ações do Ibovespa com melhor desempenho em 2019
Ações do Ibovespa com melhor desempenho em 2019 - Imagem: Seu Dinheiro

"As importações mensais de carne de porco aumentaram em 61% em maio, mas essa taxa deve crescer entre 28% e 87%", escrevem os analistas, afirmando que o Canadá e os Estados Unidos foram os principais fornecedores de suínos — o Brasil tem espaço para contribuir mais.

Em meio às perspectivas de crescimento na demanda por proteína animal por parte do mercado chinês, o Itaú BBA pondera que as empresas desse setor tendem a se beneficiar nos próximos anos. No entanto, a instituição afirma que é essencial que tais companhias reduzam sua alavancagem durante o 'super ciclo' da febre suína africana, que deve durar entre 2019 e 2021.

"Quanto mais forte for o potencial de ganhos desse ciclo, mais potente será a desaceleração que provavelmente irá se suceder", escrevem os analistas. "Por isso, estamos focados no fluxo de caixa do acionista (FCFE) de cada empresa".

Dupla dinâmica

Considerando todos esses fatores, o Itaú BBA destaca duas empresas: a JBS e a BRF. A primeira possui recomendação 'outperform' (acima da média) e é classificada como "a principal escolha" no setor — a instituição ainda elevou o preço-alvo para os papéis ao fim de 2019, de R$ 15,00 para R$ 32,00.

Como resultado, as ações ON da JBS fecharam em alta de 3,97% por volta nesta segunda-feira (22), a R$ 24,85. Assim, em relação à cotação atual, o novo preço-alvo do Itaú BBA representa um potencial de ganhos de mais de 28% em relação ao patamar atual dos ativos.

Quanto à BRF, a instituição elevou a recomendação para as ações de neutro para 'outperform' — é a primeira vez em quatro anos que o Itaú BBA atribui essa classificação aos papéis da empresa. O preço-alvo também subiu, passando de R$ 23,00 para R$ 37,00.

Considerando os ganhos de hoje de BRF ON  — alta de 3,29%, a R$ 34,55 —, a nova meta da instituição implica num espaço de mais de 7% para que as ações continuem avançando.

Barreto, Troyano e Moura ponderam que a BRF possui um potencial maior para ser a principal beneficiada com o surto de febre suína, uma vez que as importações de frango pela China tendem a aumentar em maior escala. Contudo, o Itaú BBA vê um fluxo de caixa ao acionista menos atrativo na BRF.

E as outras empresas?

As demais companhias do setor de proteína animal — Marfrig e Minerva — também foram analisadas pelo Itaú BBA. E a instituição também mostra-se relativamente otimista com as perspectivas para as duas empresas.

Em relação às ações ON da Minerva (BEEF3), os analistas mantiveram a recomendação 'outperform' e o preço-alvo em R$ 11 — um potencial de alta de mais de 28% em relação à cotação atual, de R$ 8,56. "Acreditamos que a Minerva é uma boa opção no segundo semestre, já que irá se beneficiar da aceleração nas exportações de carne do Brasil".

Por fim, a instituição manteve a recomendação para os papéis ON da Marfrig (MRFG3) em neutro, com preço-alvo em R$ 7,00, citando o desempenho financeiro da empresa e afirmando que a companhia segue como "um desafio". As ações fecharam a R$ 6,36, o que implica em espaço limitado para alta.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Gestoras

JGP segue comprada em bolsa enquanto acompanha guerra de narrativas

Gestora discute tese de que a manufatura e o comércio global estão próximos ao fundo do poço e prestes a se recuperar

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que faz suas ações chegarem às mínimas em três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Briga de gigantes

Softbank planeja criar rival japonesa para competir com gigantes como Google e Amazon

O grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Com isso, as duas companhias podem criar mais um “super app”

olho na reforma tributária

Governo confirma que quer tributar dividendos

Plano faz parte do projeto de reduzir imposto de empresas e elevar sobre as Pessoas Físicas; deve entrar em fases posteriores da reforma tributária

pacote de medidas

Governo enviará ao Congresso proposta de reforma com imposto sobre consumo

Roteiro traçado pelo ministério prevê o envio da reforma ao Congresso em quatro etapas, que devem começar ainda em novembro e se estender até meados de 2020

com o caixa cheio

Neon recebe investimento de R$ 400 milhões do Banco Votorantim e do fundo General Atlantic

Recursos devem acelerar o crescimento da empresa e aumentar a densidade da marca nas capitais fora do eixo Rio-São Paulo

Bancos

Ação do Banco do Brasil é a preferida do Santander no setor

Em relatório sobre perspectivas para 2020, Santander lista os bancos que devem se beneficiar dentro de um cenário de recuperação da atividade

rumo ao topo?

TikTok chega a 1,5 bilhão de downloads – no ano, é o único entre os 5 mais baixados que não pertence ao Facebook

Rede social fundada pela startup chinesa ByteDance segue firme em sua popularização, impulsionada pelo mercado na Índia

Planos futuros

Em entrevista, relator admite que PEC emergencial deve ficar para o ano que vem

Parlamentar quer ainda que, quando haja superávit primário, o funcionalismo ganhe um bônus salarial equivalente a 5% dessa economia extra

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements