Menu
Eduardo Campos

Uma das melhores definições que já ouvi sobre o jornalista é a seguinte: Tem um oceano de conhecimento, mas com um centímetro de profundidade. De fato, os colegas de profissão e eu temos alguma noção sobre uma variada gama de assuntos em diversas áreas, passando por cultura, conflitos internacionais, tecnologia, política e indo até exploração espacial. É da natureza da profissão estar sempre tentando ver de tudo, mesmo que apenas um pouco.

Tentando ganhar alguma profundidade, mesmo que modesta dentro desse oceano, optei, desde a graduação na Universidade Metodista de São Paulo, por me dedicar à cobertura econômica. Trabalhei entre 2003 e 2007 na finada “Gazeta Mercantil”, onde comecei a acompanhar o comportamento dos mercados internacionais, as bolsas da Ásia, Europa e Estados Unidos. E o mercado de petróleo, com os barris de Brent e WTI e as temidas reuniões da Opep. Também foi por lá que tive o primeiro contato e boas aulas sobre a leitura de balanços de bancos e empresas. Nesse período tive de largar a faculdade de História que há pouco tinha começado na USP. Horários não estavam mais compatíveis.

Em agosto de 2007 fui para o “Valor Econômico” já tendo terminado a graduação e iniciado um curso de pós-graduação na Fundação Getulio Vargas. O Curso de Especialização e Atualização em Business Economics (Ceabe), agora Master in Business Economics, me ajudou a ganhar mais uns palmos de profundidade no tema, dando o embasamento teórico e prático em matérias até então apenas vistas, como macroeconomia, microeconomia, teoria de carteiras, econometria, cálculo e afins.

No “Valor” com ajuda de excelentes colegas e boas fontes aprofundei a cobertura de mercados, fazendo o acompanhamento das Bolsas de Valores e de Mercadorias e Futuros (então separadas), câmbio e taxas de juros futuros, os famosos DIs. Passado algum tempo foquei ainda mais sobre os mercados de câmbio e juros e todos os temas relacionados ao Banco Central (BC) e também ao Federal Reserve (banco central americano) e Banco Central Europeu. Algo particularmente importante durante a crise financeira de 2008, que rendia quase 24 horas acompanhando os tais mercados.

Por um desses golpes da Fortuna ganhei uma coluna voltada aos mercados de juros e câmbio. Também fazia comentários diários na “Rádio CBN” sobre bolsa, dólar e sobre a então crise do euro. Após reformulação editorial, as colunas de juros/câmbio e bolsa de valores deixaram de existir.

Estava completamente focado na cobertura do mercado de câmbio e nas intervenções do BC, quando em agosto de 2012 veio um convite para deixar São Paulo e ir trabalhar em Brasília. Algo que jamais tinha cogitado, mas aceitei prontamente. A vaga era para setorista (termo que designa os repórteres dedicados) do Ministério da Fazenda. Nesse período acompanhei Guido Mantega e companhia, a Nova Matriz Macroeconômica, as pedaladas e alquimias fiscais de Arno Augustin, as desonerações, as animadas coletivas sobre o “pibinho”, as batalhas da guerra cambial e as inúmeras alterações do IOF sobre câmbio e derivativos. Também passaram por lá os ministros Nelson Barbosa e Joaquim Levy, com sua tentativa de ajuste fiscal e língua afiada.

De setorista da Fazenda passei para setorista do Banco Central, onde acompanhei a atuação de Alexandre Tombini e diretores. As rusgas entre BC, Fazenda e Dilma Rousseff sobre as dissonantes políticas fiscal e monetária. A chegada de Ilan Goldfajn, a reorientação de política econômica, a queda da inflação e da Selic e o surgimento da Agenda BC mais.

Aceitei o convite para vir para o Seu Dinheiro, projeto que me encantou de cara pela possibilidade de continuar navegando nesse oceano de informações ao mesmo tempo que permite um desafio à tirania do status quo no jornalismo de temas econômicos.

Obrigado e um abraço

Eduardo Campos

Mostrar mais
Publicações
Quem paga a conta?

Japão volta a ser o maior financiador dos EUA. Nós estamos na 4ª colocação

Japão desbancou a China como maior detentor de Treasuries em junho. Não, a China não saiu vencendo títulos como retaliação à guerra comercial

guerra comercial

Trump tarifa e grita, mas China nunca exportou tanto quanto agora

Levantamento do Instituto Internacional de Finanças mostra resultados contrários ao esperado de uma guerra comercial. Se o ajuste não está nas contas de comércio, ele deve vir pela moeda

Mercados

Goldman Sachs vê Brasil como um emergente defensivo

Apesar da turbulência que atinge os emergentes neste 2019, GS avalia que há espaço para Brasil manter desempenho positivo em relação aos pares. Banco mantém Ibovespa em 106 mil pontos no fim do ano

Câmbio

Dólar abre pregão em baixa após BC anunciar venda à vista

Oferta de moeda à vista não acontecia desde fevereiro de 2009. BC está trocando contratos de swaps por moeda à vista.

sem preconceito!

BC venderá dólares no mercado à vista pela 1ª vez desde 2009

Ofertas serão de até US$ 550 milhões por dia, conjugadas com leilões de swaps. BC enfatiza que atuação não altera sua política cambial, pautada no câmbio flutuante

Mercados

Emprestar R$ 10 para receber R$ 8? Aceito, dependendo da moeda!

Ajuste de mais de US$ 15 trilhões que estão aportados em títulos com rendimento negativo pode acontecer na cotação das moedas

Tenha um plano de sobrevivência

Se assustou com a tragédia argentina? E se o dinheiro fosse seu?

Episódios extremos, como o vivido pelos hermanos, servem de alerta para importância de ter posições defensivas na carteira de investimentos

pesquisa com gestores

Cena global reduz, mas não mata otimismo com Brasil, segundo Bank of America Merrill Lynch

Guerra comercial eleva cautela dos gestores, que reduzem projeção para Ibovespa, mas visão é de que ações terão bom desempenho no ano.

30% mais pobre em um dia

Macri: Mercados mostram que há um problema grave de confiança entre Kirchnerismo e o mundo

Presidente da Argentina, Mauricio Macri, pediu que Alberto Fernández e Cristina Kirchner façam uma autocrítica e construam credibilidade que não têm junto à comunidade internacional

Dominância política

A eleição é na Argentina, mas o problema também é nosso

Prévias eleitorais dão vitória a candidato de Cristina Kirchner e mercado reage de forma bastante negativa. Dólar sobe mais de 30% ante o peso. BC sobe juro a 74%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements