Menu
2019-11-19T12:53:31-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sabatina

Campos Neto: dólar só preocupa se bater na inflação e Selic cai em dezembro

Presidente BC, Roberto Campos Neto, explica que alta do dólar não influenciou expectativas de inflação, mas se isso vier a ocorrer, pode atuar de forma diferente

19 de novembro de 2019
10:33 - atualizado às 12:53
Campos Neto
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado - Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Podemos captar duas mensagens principais da sabatina do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto: O dólar só preocupa quando desancorar as expectativas de inflação e há espaço para a Selic cair a 4,5% na reunião de dezembro do Comitê de Política Monetária (Copom).

O presidente só falou sobre o dólar após ser questionado sobre o tema na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Mas já na sua apresentação inicial tinha indicado que o tema não preocupa tanto assim o BC ao refirmar que há espaço para corte adicional na taxa básica de juros, a Selic.

Segundo Campos Neto, mudança de atuação no câmbio só se isso bater nas expectativas de inflação. Ele também atribuiu parte da alta recente do dólar à frustração com os leilões da cessão onerosa do pré-sal.

Dólar a R$ 4,20, e daí?

A pergunta que todos queriam fazer foi feita pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), sobre a recente volatilidade cambial.

Campos Neto voltou a explicar que parte da desvalorização cambial decorre da decisão das empresas de trocar dívida externa por interna. Algo que o BC vem destacando desde março/abril deste ano.

Depois, questionado pelo senador Otto Alencar (PSD-BA) sobre a alta recente da moeda, Campos Neto disse que alguns agentes se posicionaram para um ingresso de recursos maior com o leilão da cessão onerosa, algo que não aconteceu.

Ele também citou fatores globais e exportadores mantendo mais moeda fora do país. "Teve frustração com cessão onerosa. Mas estamos monitorando de perto."

Campos Neto também chamou atenção para o fato de que o movimento de desvalorização atual acontece sem aumento no risco-país, com bolsa em alta e juros longos em queda.

Mais importante que isso, explicou, a alta do dólar não mostrou influência nas expectativas de inflação. De fato, as inflações esperadas caíram e "entendemos que forma de atuar era uma".

No entanto, ponderou o presidente, se a desvalorização começar a influenciar o canal de expectativas de inflação "é outra história e teremos de fazer uma atuação diferente".

Essa "forma de atuar" a que ele se refere é a troca de derivativos (swaps) por dólares das reservas, que vem sendo feita desde o fim de agosto.

Enquanto ele falava na CAE, o BC anunciava a realização dos leilões de rolagem na quinta-feira, depois de uma confusão feita pelo próprio banco, que chamou leilão para hoje, mas cancelou a operação em função do feriado de amanhã em São Paulo, que deixa o mercado fechado.

Para quinta-feira, o volume de venda à vista será de U$ 785 milhões, contra os US$ 600 milhões que vinham sendo feitos usualmente. Se a oferta à vista não for tomada por completo, o BC faz a rolagem com swaps. Deixando claro, não há "dinheiro novo" sendo ofertado ao mercado no momento.

Selic em dezembro

Na fala inicial, Campos Neto reforçou a mensagem de política monetária: "A consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir um ajuste adicional, de igual magnitude ao realizado na reunião de outubro."

Também na sua apresentação, Campos Neto voltou a destacar a reinvenção do país com dinheiro privado, algo que será possível com a queda dos juros longos, reflexo do compromisso da equipe econômica com o equilíbrio fiscal.

Sobre atividade domésticas, ele reforçou que tivemos choques que prejudicaram o crescimento, como a crise na Argentina, cena global e desastre de Brumadinho.

Segundo Campos Neto, o período de crescimento com dinheiro público "bateu no muro". Além disso, o crescimento com dinheiro privado, disse ele, tem qualidade melhor, em função da maior produtividade do capital privado.

Ele também voltou a defender a autonomia formal do BC, dizendo que quanto maior autonomia, menor é a inflação e sua volatilidade. Vetores que sustentam a queda do juro longo. A CAE aprovou um projeto de autonomia que prevê mandatos para presidente e diretores.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Substituto do Bolsa Família

Renda Brasil terá R$ 51,7 bilhões e vai pagar benefício médio de R$ 232, prevê governo

Hoje, o Bolsa Família inclui 13,2 milhões de famílias, o que alcança 41 milhões de pessoas a um custo de cerca de R$ 32 bilhões ao ano

Mais lidas Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Os 10 anos bem vividos da Tesla na bolsa

Nos dez anos que separam a abertura de capital da Tesla na Nasdaq e o último dia 29 de junho, as ações da companhia subiram vertiginosos 4.125%, enquanto o principal índice da bolsa americana de tecnologia teve alta de “apenas” 345%. E a companhia do bilionário Elon Musk pôde comemorar o aniversário de uma década […]

Avião-problema

Fabricante de aviões trilha novo caminho: Boeing aposta no MAX

Mesmo começando a ficar otimista com relação ao futuro do Max, acredito que comprar ações da Boeing continua sendo mau negócio

ranking

Os títulos públicos mais rentáveis do 1º semestre; indicações do Seu Dinheiro estiveram entre eles

Em março, levantamos a bola para uma oportunidade aberta no Tesouro Direto com a alta dos juros no mês, e alguns dos títulos indicados ficaram entre os mais rentáveis do semestre. Confira a lista completa dos melhores e piores títulos públicos do ano até agora

Recuperação mais lenta

Ipea diz que efeitos da pandemia tendem a persistir sobre mercado de trabalho

“É provável que a taxa de desemprego continue alta, mas não por uma piora do mercado de trabalho, e sim pela melhora da percepção das pessoas sobre o ambiente para procurar emprego”, diz diretor da instituição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements