Menu
2019-11-20T17:10:09-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Esclarecendo

Campos Neto: Se câmbio contaminar inflação, atuação será via taxa de juros

Presidente do BC, Roberto Campos Neto, diz que foi mal interpretado e faz esclarecimento sobre relação do dólar com inflação e resposta do BC

20 de novembro de 2019
17:10
Presidente do BC, Roberto Campos Neto
Presidente do BC, Roberto Campos Neto - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, voltou ao Congresso Nacional nesta quarta-feira e aproveitou para esclarecer que caso a alta do dólar contamine a inflação e as expectativas, o BC vai atuar via taxa de juros, a Selic.

Em audiência conjunta que reuniu seis comissões do Congresso, Campos Neto voltou a afirmar que o importante para o BC é como a variação do câmbio alimenta o canal da inflação.

“O importante é ver se esse movimento de câmbio está fazendo com que a expectativa de inflação esteja sendo elevada, porque isso acaba contaminando a curva de expectativas. E se isso estiver acontecendo, obviamente, nós temos de agir. Me referia, obviamente, aos juros e não ao câmbio. Fui mal interpretado quando disse isso na CAE”, explicou.

Na terça-feira, Campos Neto esteve na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, onde disse que se a desvalorização cambial começar a influenciar o canal de expectativas de inflação "é outra história e teremos de fazer uma atuação diferente".

O ponto que pode ter gerado interpretações equivocadas foi a falta de referência clara ao “fazer atuação diferente”, que poderia ser encarado como atuar no mercado de câmbio mirando a inflação.

Campos Neto aproveitou, então, para reforçar o princípio da separação de políticas e instrumentos. A taxa de juros é utilizada na condução da política monetária. O câmbio é flutuante e as intervenções são feitas quando há hiato (gap) de liquidez. E as medidas macroprudenciais são para garantir a estabilidade e solidez do sistema financeiro.

Mais câmbio

Campos Neto também voltou a explicar que temos vários fatores atuando sobre a taxa de câmbio e que dependendo da janela observada, o real tem desvalorização pouco acima dos pares. Mas que essa desvalorização não foi acompanhada de piora na percepção de risco.

“Antigamente, a desvalorização vinha acompanhada de queda na bolsa, juro longo subindo e CDS aumentando, piorando a percepção de risco. Agora aconteceu o contrário, desvalorização com melhora de percepção de risco”, disse.

O presidente voltou a explicar que a queda do juro longo no país estimulou as empresas, notadamente a Petrobras, a trocar dívida externa por interna. Fator que elevou a demanda por moeda americana.

Ele também citou que mais exportadores têm segurado divisas no exterior e que há um quadro global de dólar mais forte, já que os EUA têm crescimento acima da média global.

Mais recentemente, disse Campos Neto, o mercado teve que se reposicionar após os leilões da cessão onerosa, já que o resultado ficou abaixo do esperado. Era esperada uma entrada de dólares que não se realizou.

Juros

Na parte de política monetária, Campos Neto manteve a mensagem que vem sendo repetida desde a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de outubro: "A consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir um ajuste adicional, de igual magnitude ao realizado na reunião de outubro."

A próxima definição da taxa básica de juros, Selic, será nos dias 10 e 11 de dezembro.

Ilustrando o desinteresse dos congressistas, apenas um deputado se inscreveu para fazer perguntas a Campos Neto,  apesar da audiência reunir seis comissões da Câmara e Senado. Ontem, na CAE, oito senadores fizeram perguntas. A comissão tem 27 membros.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PROJETO DE APOSENTADORIA

Você pode criar sua própria previdência com apenas três ativos na carteira

Claro que existem bons planos de previdência privada, mas para encontrá-los você precisa deixar o bando e alçar vôo solo.

IR 2020

Caiu na malha fina? Veja como regularizar a situação

Saiba como regularizar a sua situação junto a Receita Federal caso a sua declaração apresente informações inconsistentes e caia na malha fina do imposto de renda

Flexibilização

Prefeitura de São Paulo assina protocolo para reabrir bares e salões de beleza

A cidade está na terceira etapa do plano de flexibilização da quarentena do governo estadual, chamada de fase amarela. Com os termos firmados, os estabelecimentos poderão voltar a funcionar na segunda-feira

Recuperação

Fundos imobiliários de tijolo subiram 6% em junho; FII de shoppings ainda caem 21% no ano

Fundos imobiliários de papel, por sua vez, valorizaram, em média, só 3% no mês passado, segundo indicadores calculados pelo Banco Inter

BNDES prorroga linha de crédito para pequena e média empresa, com mais R$ 5 bilhões

Linha para capital de giro será prorrogada até 31 de dezembro, com orçamento ampliado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements