Menu
2019-11-20T17:10:09-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Esclarecendo

Campos Neto: Se câmbio contaminar inflação, atuação será via taxa de juros

Presidente do BC, Roberto Campos Neto, diz que foi mal interpretado e faz esclarecimento sobre relação do dólar com inflação e resposta do BC

20 de novembro de 2019
17:10
Presidente do BC, Roberto Campos Neto
Presidente do BC, Roberto Campos Neto - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, voltou ao Congresso Nacional nesta quarta-feira e aproveitou para esclarecer que caso a alta do dólar contamine a inflação e as expectativas, o BC vai atuar via taxa de juros, a Selic.

Em audiência conjunta que reuniu seis comissões do Congresso, Campos Neto voltou a afirmar que o importante para o BC é como a variação do câmbio alimenta o canal da inflação.

“O importante é ver se esse movimento de câmbio está fazendo com que a expectativa de inflação esteja sendo elevada, porque isso acaba contaminando a curva de expectativas. E se isso estiver acontecendo, obviamente, nós temos de agir. Me referia, obviamente, aos juros e não ao câmbio. Fui mal interpretado quando disse isso na CAE”, explicou.

Na terça-feira, Campos Neto esteve na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, onde disse que se a desvalorização cambial começar a influenciar o canal de expectativas de inflação "é outra história e teremos de fazer uma atuação diferente".

O ponto que pode ter gerado interpretações equivocadas foi a falta de referência clara ao “fazer atuação diferente”, que poderia ser encarado como atuar no mercado de câmbio mirando a inflação.

Campos Neto aproveitou, então, para reforçar o princípio da separação de políticas e instrumentos. A taxa de juros é utilizada na condução da política monetária. O câmbio é flutuante e as intervenções são feitas quando há hiato (gap) de liquidez. E as medidas macroprudenciais são para garantir a estabilidade e solidez do sistema financeiro.

Mais câmbio

Campos Neto também voltou a explicar que temos vários fatores atuando sobre a taxa de câmbio e que dependendo da janela observada, o real tem desvalorização pouco acima dos pares. Mas que essa desvalorização não foi acompanhada de piora na percepção de risco.

“Antigamente, a desvalorização vinha acompanhada de queda na bolsa, juro longo subindo e CDS aumentando, piorando a percepção de risco. Agora aconteceu o contrário, desvalorização com melhora de percepção de risco”, disse.

O presidente voltou a explicar que a queda do juro longo no país estimulou as empresas, notadamente a Petrobras, a trocar dívida externa por interna. Fator que elevou a demanda por moeda americana.

Ele também citou que mais exportadores têm segurado divisas no exterior e que há um quadro global de dólar mais forte, já que os EUA têm crescimento acima da média global.

Mais recentemente, disse Campos Neto, o mercado teve que se reposicionar após os leilões da cessão onerosa, já que o resultado ficou abaixo do esperado. Era esperada uma entrada de dólares que não se realizou.

Juros

Na parte de política monetária, Campos Neto manteve a mensagem que vem sendo repetida desde a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de outubro: "A consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir um ajuste adicional, de igual magnitude ao realizado na reunião de outubro."

A próxima definição da taxa básica de juros, Selic, será nos dias 10 e 11 de dezembro.

Ilustrando o desinteresse dos congressistas, apenas um deputado se inscreveu para fazer perguntas a Campos Neto,  apesar da audiência reunir seis comissões da Câmara e Senado. Ontem, na CAE, oito senadores fizeram perguntas. A comissão tem 27 membros.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

o melhor do seu dinheiro

Efeito Lula livre na bolsa – 2022 já começou?

No Brasil morre-se de tudo – inclusive morre-se muito de covid -, mas não se morre de tédio. Os mercados locais começaram o dia castigados pelos temores dos investidores em relação ao avanço da pandemia no país, hoje no seu pior momento. Como se todas as incertezas em relação ao combate ao coronavírus por aqui […]

balanço 4º tri

Magazine Luiza vê lucro ir a R$ 219 milhões no 4º tri e supera expectativas do mercado

A varejista Magazine Luiza encerrou o quarto trimestre de 2020 superando as expectativas do mercado. A companhia divulgou na noite desta segunda-feira (08) o seu resultado trimestral, com umacom alta de 30,6% no lucro líquido, para R$ 219,5 milhões. No acumulado do ano passado, o resultado encolheu 57,5%, para R$ 391,7 milhões. No critério “ajustado”, […]

Desidratação à vista?

Bolsonaro: Lira e relator vão discutir PEC Emergencial, podem criar PEC paralela

Na entrevista, Bolsonaro afirmou que a PEC deve ser votada pela Câmara na quarta-feira, 10. De acordo com ele, ao votar a medida, os deputados federais darão o sinal verde para retomada do auxílio emergencial em cinco dias

Fechamento do dia

São tantas emoções! ‘Efeito Lula’ aprofunda incertezas locais e faz Ibovespa cair 4%; dólar fecha a R$ 5,77

Mercado doméstico já operava em queda firme antes da decisão do ministro Fachin; aumento das incertezas pesou sobre bolsa, dólar e juros

REVIRAVOLTA

Ibovespa recua 3% e dólar vai a R$ 5,78 após STF anular condenações de Lula na Lava Jato

Diante de um cenário já negativo, a decisão aumenta o nível de incertezas domésticas, segundo analistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies