Menu
2019-11-21T15:58:07-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

21 de novembro de 2019
15:32 - atualizado às 15:58
brasil ranking
Imagem: Shutterstock

O Goldman Sachs apresentou seu relatório de perspectivas para 2020 com relação à América Latina. Na parte dedicada ao Brasil, que é o que nos interessa, não podemos falar em pessimismo, já que o crescimento estimado está em 2,2%, mas o tom das avaliações oscila entre cautela e ceticismo. Algo que permeia, basicamente, todo o documento intitulado “Baixo crescimento em uma era de expectativas em queda”.

O banco nota que o governo pretende aprofundar o ajuste fiscal, reduzir o tamanho do setor público, promover uma abertura comercial e tornar o ambiente de negócios mais amigável. Agenda que pode colocar a economia em um ciclo virtuoso de crescimento.

Mas o ponto, segundo o GS, é que como vimos ao longo de todo 2019, apenas uma agenda de viés liberal e amigável ao mercado não é garantia de sucesso ou resultados rápidos. “A principal preocupação do mercado não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar essa agenda.”

É a política...

Para os especialistas do banco, o “elo fraco”, no fim das contas, pode ser a política e não a estratégia econômica. Particularmente quando se coloca na conta a perda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro e a fraca base de apoio no Congresso.

“Em essência, acreditamos que a política econômica continuará majoritariamente ortodoxa e pró-mercado. Mas, em última análise, será a gestão das coalizões e o diálogo político que continuarão representando os maiores desafios”, diz o banco.

Para o GS, a aprovação da reforma da Previdência foi algo necessário, mas não suficiente, para entregar um ajuste fiscal representativo e promover uma mudança estrutural no regime fiscal capaz de dar suporte a um novo regime monetário.

Com isso, o desafio que recai sobre o Executivo e Legislativo é mostrar progresso decisivo em direção à consolidação fiscal e estabilização da dívida pública. Para o banco, a relação dívida/PIB vai bater nos 80% antes de estabilizar.

O documento não faz projeções pormenorizadas para indicadores de mercado, mas avalia que o comportamento dos ativos vai oscilar com ritmo da recuperação da atividade e com a capacidade do governo encontrar suporte para a agenda de reformas.

Juros

Para o GS, o Banco Central (BC) cortará a Selic em meio ponto percentual na reunião de dezembro e condicionar um ajuste final de 0,25 ponto em fevereiro de 2020 ao comportamento do câmbio e da inflação.

Depois disso, o banco estima que a taxa básica permanecerá estável ao longo de todo 2020, com o BC iniciando um ciclo de aperto em 2021, com a Selic indo a 6,25% ao ano.

O cenário inflacionário é visto como benigno, com IPCA terminando o ano em 3,5%, contra meta de 4,25%, e avançando a 3,8% em 2020, pouco abaixo da meta de 4%.

Crescimento

O GS trabalha com uma aceleração do crescimento de 1% em 2019 para 2,2% em 2020, o que representaria a primeira leitura acima de 2% desde 2013. A melhora na atividade é puxada pela firme demanda doméstica, particularmente no lado dos investimentos.

O banco chama atenção que mesmo após 10 trimestres do fim da recessão de 2014/2016, o desempenho da economia tem sido notadamente lento, apesar de excesso de capacidade produtiva, forte posição externa, baixa inflação e política monetária acomodativa.

Para o GS, tal cenário reflete a persistência da elevada incerteza política e “danos estruturais na máquina de crescimento”, como queda no estoque de capital da economia e histerese do mercado de trabalho.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Segredos da bolsa

Com PIB brasileiro em foco, investidores monitoram juros futuros americanos e tensão em Brasília

O grande evento da semana é a divulgação dos números do Produto Interno Bruto brasileiro no ano passado, mas os investidores também monitoram o clima político em Brasília e os sinais de “superaquecimento” da economia americana

Novos tempos

Alvo de Bolsonaro, home office avança no setor público

Bolsonaro usou trabalho remoto para atacar presidente da Petrobras

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies