Menu
2019-11-26T13:34:31-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

BC e Guedes estão alinhados e despreocupados com disparada do dólar

Fala do ministro Paulo Guedes movimenta mercado e versões. Mas há uma mudança fundamental pouco percebida: o BC não precisa mais da taxa de câmbio para entregar a inflação na meta

26 de novembro de 2019
13:34
Campos Neto – Bolsonaro e Guedes 280219
Jair Bolsonaro durante posse do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, com o ministro da Economia, Paulo Guedes. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

Mas e o dólar, hein? Vai para R$ 4,5, R$ 5,0? Ninguém sabe e se soubesse não vai nos contar. O que parece claro é que a cotação da moeda americana não tem tirado o sono do Banco Central (BC) ou do Ministério da Economia.

Ah, mas o BC atuou no mercado à vista! Rebate de pronto o leitor. Sim, atuou e vai atuar sempre que observar falta de liquidez ou alguma disfuncionalidade no mercado, como a cotação do real se distanciando muito dos pares, ou o mercado entrando em alguma dinâmica autoalimentada. Podemos ver a atuação desta terça-feira como um recado.

Essa tranquilidade dos dois órgãos responsáveis pela política econômica decorre de um diagnóstico comum. Há uma mudança estrutural na econômica e boa parte do mercado, do empresariado e da população ainda está se acostumando com esse “novo normal” de juro baixo e dólar mais alto.

Ainda carregamos na memória uma relação de que dólar alto é sinal de problema, de crise, de que o mundo vai acabar. Por isso mesmo, dos questionamentos constantes sobre o tema ao ministro Paulo Guedes, ao presidente do BC, Roberto Campos Neto, e até ao presidente Jair Bolsonaro.

Por causa dessa memória negativa, temos, também, essa certa reação de surpresa, escândalo ou descrença, quando Guedes nos diz que: “O dólar está alto. Qual o problema? Zero” e que “é bom se acostumar com juros mais baixos por um bom tempo e com o câmbio mais alto por um bom tempo”.

No mercado, há quem veja a fala do ministro como provocação, algo como se Guedes estivesse chamando o mercado pra briga e que esse, por sua vez, testaria a determinação do BC. Narrativa que se sustenta já que o dólar foi a R$ 4,27 horas após a fala do ministro e o BC entrou vendendo dólar à vista. Teria Guedes falado demais?

Mas a realidade é muito mais chata que a pancadaria e rouba monte das mesas de operação, e é e isso que vou tentar explicar.

Gasto público e o dólar

A tal mudança estrutural está nos discursos do BC desde abril/maio desde ano, e ela passa pelo movimento de ajuste fiscal iniciado com Joaquim Levy, no governo Dilma, ganha corpo com Michel Temer e o teto de gastos e redução dos bancos públicos, e abre um novo capítulo com a reforma da Previdência e outras medidas ainda em andamento. Tomo emprestados gráficos de apresentação recente do diretor de Política Monetária do BC, Bruno Serra Fernandes.

De 1994 a 2014, o gasto público no Brasil subiu de 6% a 7% ao ano acima da inflação. Para entregar a inflação na meta, o BC não tinha outra escolha a não ser manter o juro real (juro nominal descontado da inflação) em patamares elevados. Só para dar um exemplo, chegamos a ter juro real de 45% nesse período.

O juro real elevado era a forma do BC reduzir a inflação dos bens transacionáveis, já que o preço de serviços e outros bens domésticos (não transacionáveis) estava sempre pressionado pela forte demanda do setor público. A variável de ajuste aqui era a taxa de câmbio.

Pagando o maior juro real do mundo por anos, tínhamos uma constante no fluxo de dólares que vinha ganhar o diferencial de taxas por aqui, a tal arbitragem ou “carry trade”.

Também por isso, nos acostumamos a ver uma correlação muito grande entre a cotação do dólar e o risco-país, medido pelo CDS. A coisa azedava na cotação do dólar quando a percepção dos agentes que faziam essa arbitragem era de que poderiam não receber seu dinheiro de volta. Então, CDS subia, dólar subia. Hoje temos, CDS para baixo e dólar para cima. Não temos dólar alto por piora na percepção de risco.

O novo mix

Agora, toda essa relação mudou e é uma mudança gigante. Colocando de forma clara, o BC não precisa mais da taxa de câmbio para entregar a inflação na meta. Foram 20 anos nessa “lógica”. Então é natural que leve algum tempo até convencer parte do mercado e o lado real da economia que as coisas mudaram.

E note o desafio de comunicação, pois uma fala do ministro, por mais óbvia que seja, toma proporções enormes. Sem falar que alta do dólar sempre vira cavalo de batalha política, alimentando narrativas fáceis, mas descoladas da realidade.

Com a redução do consumo do setor público, via ajuste fiscal e fim da injeção de recursos em bancos públicos, a inflação de serviços, que chegou a rodar a 9% ao ano, despencou e segue baixa. E mesmo com uma alta de 30% do dólar em 18 meses, não se enxerga repasse aos preços ou mesmo às expectativas de inflação.

Isso abriu espaço para o BC abandonar a política de juro real alto para manter a inflação na meta. Temos juros reais de curto prazo na casa de 1% e de longo prazo orbitando os 3%. E isso resulta, como diz o próprio ministro, em um câmbio de equilíbrio mais elevado.

Além desse novo normal de política fiscal contracionista e política monetária expansionista, tivemos outros eventos atuando para elevar a demanda por dólares, como a troca de endividamento externo por interno e a recente frustração com o leilão do pré-sal, que não teve a participação estrangeira estimada. Ainda há um vetor sazonal que é o aumento na demanda de dólares por empresas que fecham balanço no fim de ano e remetem resultados para fora.

Os vetores são mesmo de um dólar mais valorizado e o BC vai atuar no mercado mirando liquidez e funcionalidade e não o nível de preço. Como já disse Campos Neto, se o dólar bater na inflação e nas expectativas, o ajuste será via taxa de juros.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

AS DICAS DO GURU

Coronavírus é ‘assustador’, mas não é hora de vender ações, para Warren Buffett

“Compramos ações para ficar por 20, 30 anos e achamos que o cenário para 20, 30 anos não mudou pelo coronavírus.”

AÇÕES

ADRs do Brasil fecham em forte queda em NY; Vale cai 7,5% e Petrobras recua 6,7%

Os grandes bancos também amargaram perdas importantes em Nova York, embora menores que Petrobras e Vale

OLHO NO VÍRUS

Brasil amplia lista de países para definir suspeitos de coronavírus

Com a nova atualização, a lista agora inclui, além da Itália, Alemanha, França, Austrália, Filipinas, Malásia, Irã e Emirados Árabes

CORONAVÍRUS

Impacto do coronavírus na economia ficará mais claro em 3 a 4 semanas, diz Mnuchin

“Não acho que as pessoas deveriam estar entrando em pânico mas, por outro lado, é preocupante”, disse o secretário

CAÇADOR DE ASSIMETRIAS

Quarteirão, Quarter Pounder ou Royale, não importa… temos que comprar ouro

Uma curiosidade: alguns lanches mudam de nome a depender do país em que estamos. Sabe por quê? Devido ao sistema métrico de cada território. Por exemplo, um Quarteirão com Queijo aqui no Brasil leva o nome de Quarter Pounder with Cheese nos EUA e Royale with Cheese na França.  Quem me ensinou isso foi Pulp […]

Check up dos investimentos

O que considerar na hora de avaliar o desempenho da sua carteira – e quais ferramentas podem te ajudar

Montei um guia para você saber tudo que precisa levar em consideração na hora de avaliar o desempenho da sua carteira de investimentos, principalmente se você investe por meio de diversas instituições financeiras. Também listei algumas ferramentas que podem te ajudar na empreitada.

DE OLHO NO NUBANK

Número de contas do Nubank cresce 485%, mas prejuízo também acelera e chega a R$ 312,7 milhões

Mas nem tudo foi ruim. De acordo com o documento apresentado pela fintech, o Nubank fechou o ano passado com 16 milhões de contas, sendo que 45 mil foram apenas contas voltadas para pessoas jurídicas (PJs)

AVERSÃO AO RISCO

‘Índice do medo’ dispara mais de 46% em meio a movimento de aversão ao risco no mundo

Seguindo na mesma direção, o ouro também apresentou alta na tarde desta segunda-feira por conta do movimento de busca por proteção

ECONOMIA

Carnaval 2020 deve movimentar R$ 8 bilhões na economia, diz CNC

Segundo a CNC, “a recuperação gradual da atividade econômica, combinada à inflação baixa” tendem a refletir na recuperação moderada dos serviços turísticos

AVIAÇÃO

Empresa americana ExpressJet Airlines compra 36 aviões da Embraer

A companhia anunciou também que vai diminuir gradualmente a sua frota de aeronaves E175 para acelerar o crescimento e se tornar uma companhia mais eficiente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements