Menu
2019-11-13T11:52:31-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Dólar: todos de olho no R$ 4,20

Operadores se perguntam se Banco Central (BC) poderia intervir com dólar voltando a flertar com máximas históricas

13 de novembro de 2019
10:36 - atualizado às 11:52
dólar
Imagem: Shutterstock

O dólar comercial opera em alta nesta quarta-feira (13), e as conversas nas mesas de operação giram em torno da possibilidade de alguma intervenção do Banco Central (BC), já que a moeda se aproxima dos R$ 4,20, que marca a máxima histórica nominal. Por volta das 10h30, o dólar subia 0,24%, a R$ 4,1767, depois de fazer máxima a R$ 4,1857 (veja nossa cobertura de mercados).

Em 27 de agosto, o BC entrou vendendo dólares das reservas pela primeira vez desde fevereiro de 2009, quando a moeda flertou, justamente, com os R$ 4,20. Mas como já dissemos, as atuações do BC não buscam defender uma linha específica de preço ou mudar a tendência do mercado, mas sim suavizar eventuais movimentos de estresse. Tal estratégia é conhecida como “leaning against the wind” ou “inclinar-se contra o vento” em tradução literal.

Nos últimos dias, não só o real, mas outras moedas da América Latina estão sob pressão pela instabilidade política no Chile, onde o peso testa mínimas históricas contra o dólar, e Bolívia. Além disso, há um contexto de renovadas dúvidas com o acordo comercial entre China e Estados Unidos e apreensão, também, com as manifestações em Hong Kong.

No lado doméstico, os vetores também são desfavoráveis a um real mais forte. A baixa participação de estrangeiros nos leilões do pré-sal obrigou parte do mercado a rever apostas com relação à entrada de dólares no mercado.

Fora isso, os meses de novembro e dezembro são sazonalmente negativos em termos de fluxo, pois empresas e investidores fecham balanços e aumentam as remessas de moeda para fora do país.

Nos últimos anos, o BC fez leilões de linha com compromisso de recompra para atender à demanda pontual de fim de ano. Mas como sua estratégia de atuação no cambial mudou, com troca de derivativos (swaps) por operações à vista, é possível que vejamos maiores volumes de vendas à vista até o fim de 2019.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Nas redes sociais

Renato Feder recusa convite para ser novo ministro da Educação

Segundo o Estadão, Bolsonaro foi pressionado pela ala ideológica do governo e por militares para não colocar Feder no comando do MEC

Novo candidato?

Rapper Kanye West diz que vai concorrer à presidência dos EUA – e já tem o apoio de Elon Musk

Conhecido apoiador do presidente Donald Trump, o rapper tuitou que concorreria à presidência, e Musk respondeu

Negociações

Bradesco está na reta final para comprar participação no C6 Bank, diz jornal

Segundo a coluna do jornalista Lauro Jardim, no jornal O Globo, transação gira em torno de R$ 2 bilhões

Aquisição à vista?

Lojas Americanas fará oferta de ações no valor de R$ 5 bi a R$ 7 bi, diz site

Segundo o Brazil Journal, oferta será 100% primária, mas destinação dos recursos ainda não está clara

Balanço da bolsa

As melhores e piores ações do primeiro semestre

Apesar da recuperação recente do Ibovespa, índice ainda acumula perdas no ano, e apenas 15 das suas ações acumulam alta no semestre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements