Menu
2019-11-13T11:52:31-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Dólar: todos de olho no R$ 4,20

Operadores se perguntam se Banco Central (BC) poderia intervir com dólar voltando a flertar com máximas históricas

13 de novembro de 2019
10:36 - atualizado às 11:52
dólar
Imagem: Shutterstock

O dólar comercial opera em alta nesta quarta-feira (13), e as conversas nas mesas de operação giram em torno da possibilidade de alguma intervenção do Banco Central (BC), já que a moeda se aproxima dos R$ 4,20, que marca a máxima histórica nominal. Por volta das 10h30, o dólar subia 0,24%, a R$ 4,1767, depois de fazer máxima a R$ 4,1857 (veja nossa cobertura de mercados).

Em 27 de agosto, o BC entrou vendendo dólares das reservas pela primeira vez desde fevereiro de 2009, quando a moeda flertou, justamente, com os R$ 4,20. Mas como já dissemos, as atuações do BC não buscam defender uma linha específica de preço ou mudar a tendência do mercado, mas sim suavizar eventuais movimentos de estresse. Tal estratégia é conhecida como “leaning against the wind” ou “inclinar-se contra o vento” em tradução literal.

Nos últimos dias, não só o real, mas outras moedas da América Latina estão sob pressão pela instabilidade política no Chile, onde o peso testa mínimas históricas contra o dólar, e Bolívia. Além disso, há um contexto de renovadas dúvidas com o acordo comercial entre China e Estados Unidos e apreensão, também, com as manifestações em Hong Kong.

No lado doméstico, os vetores também são desfavoráveis a um real mais forte. A baixa participação de estrangeiros nos leilões do pré-sal obrigou parte do mercado a rever apostas com relação à entrada de dólares no mercado.

Fora isso, os meses de novembro e dezembro são sazonalmente negativos em termos de fluxo, pois empresas e investidores fecham balanços e aumentam as remessas de moeda para fora do país.

Nos últimos anos, o BC fez leilões de linha com compromisso de recompra para atender à demanda pontual de fim de ano. Mas como sua estratégia de atuação no cambial mudou, com troca de derivativos (swaps) por operações à vista, é possível que vejamos maiores volumes de vendas à vista até o fim de 2019.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

o melhor do seu dinheiro

Efeito Lula livre na bolsa – 2022 já começou?

No Brasil morre-se de tudo – inclusive morre-se muito de covid -, mas não se morre de tédio. Os mercados locais começaram o dia castigados pelos temores dos investidores em relação ao avanço da pandemia no país, hoje no seu pior momento. Como se todas as incertezas em relação ao combate ao coronavírus por aqui […]

balanço 4º tri

Magazine Luiza vê lucro ir a R$ 219 milhões no 4º tri e supera expectativas do mercado

A varejista Magazine Luiza encerrou o quarto trimestre de 2020 superando as expectativas do mercado. A companhia divulgou na noite desta segunda-feira (08) o seu resultado trimestral, com umacom alta de 30,6% no lucro líquido, para R$ 219,5 milhões. No acumulado do ano passado, o resultado encolheu 57,5%, para R$ 391,7 milhões. No critério “ajustado”, […]

Desidratação à vista?

Bolsonaro: Lira e relator vão discutir PEC Emergencial, podem criar PEC paralela

Na entrevista, Bolsonaro afirmou que a PEC deve ser votada pela Câmara na quarta-feira, 10. De acordo com ele, ao votar a medida, os deputados federais darão o sinal verde para retomada do auxílio emergencial em cinco dias

Fechamento do dia

São tantas emoções! ‘Efeito Lula’ aprofunda incertezas locais e faz Ibovespa cair 4%; dólar fecha a R$ 5,77

Mercado doméstico já operava em queda firme antes da decisão do ministro Fachin; aumento das incertezas pesou sobre bolsa, dólar e juros

REVIRAVOLTA

Ibovespa recua 3% e dólar vai a R$ 5,78 após STF anular condenações de Lula na Lava Jato

Diante de um cenário já negativo, a decisão aumenta o nível de incertezas domésticas, segundo analistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies