Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-14T15:15:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Comprados e vendidos disputam dólar a R$ 4,20 de olho no BC

Depois de um breve ajuste de baixa, dólar voltou a subir e já testou os R$ 4,20 no mercado futuro. Grande pergunta continua sendo se o Banco Central (BC) atuará ou não

14 de novembro de 2019
11:58 - atualizado às 15:15
Boxe-Lutadores-Corner
Imagem: Shutterstock

Comprados e vendidos estão, novamente, em uma acirrada disputa no mercado de dólar. A linha a ser observada nessa batalha é a barreira técnica e psicológica de R$ 4,20, que marca a máxima histórica nominal do mercado de câmbio.

Nesta quinta-feira, tivemos um ajuste de baixa na abertura no mercado à vista, algo não surpreendente tendo em vista que houve um descolamento como mercado futuro no pregão de ontem, provocado, vejam só, por anúncio do Banco Central do Chile.

Depois de ver o peso fazer mínimas históricas, o BC chileno anunciou atuação no mercado, no volume de US$ 4 bilhões em operações de swap. Quem reagiu prontamente foi o dólar futuro no mercado brasileiro, que reduziu bruscamente o ritmo de alta.

Por aqui, como já dissemos, segue a expectativa com relação ao que o nosso Banco Central (BC) poderá fazer caso essa linha de R$ 4,20 seja rompida para cima. No mercado futuro, no começo da tarde, a cotação bateu R$ 4,203. No mercado à vista, a máxima do dia foi renovada em R$ 4,1988. Por volta das 15h10, o dólar comercial subia 0,22%, a R$ 4,1947 (veja nossa cobertura de mercados).

Já dissemos, mas não custa reforçar, que o BC não atua para defender linha de preço ou tentar mudar a tendência do mercado. O BC entra no câmbio quando detecta movimentos de falta de liquidez ou variações muito dispares de moedas semelhantes ao real.

No entanto, no mercado, a linha é de R$ 4,20 é o que determina compras e vendas e a eventual atuação do BC é que ditará o alívio do vendido ou tristeza do comprado.

Aqui temos uma assimetria de percepção, por assim dizer. Se o BC atua no R$ 4,20, como fez em agosto, cria uma "quase certeza" no vendido, que ele sempre será "salvo". Se não atua, corre o risco de ver uma arrancada na cotação, com vendidos cobrindo posição e comprados dobrando a aposta.

Olhando além do famoso “bate carteira” do dia a dia, temos que o conjunto de vetores que influi na formação de preço é desfavorável ao real. A liquidez em dólar no mercado local está escassa e não é de hoje.

Já mostramos que o fluxo cambial, em 12 meses, capta a maior saída de dólares do país desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999, coisa na casa dos US$ 40 bilhões. Boa parte da saída reflete a troca de dívida externa por interna de empresas, entre elas a Petrobras.

Há também o quase fim das operações de arbitragem de juros com real, reflexo da queda da Selic e no estreitamento entre juros locais e externos.

Mais recentemente, no lado das expectativas, tivemos uma perspectiva de ingresso de dólares frustrada com o leilão do pré-sal, o que obrigou boa parte dos agentes a rever posicionamentos. Junto disso, tivemos agravamento de problemas políticos na região, notadamente no Chile (e vimos com isso pesa na cotação) e Bolívia.

Além disso, estamos entrando em um período sazonalmente negativo em termos de fluxo. Empresas e investidores fecham balanços e elevam as remessas para fora do país. Junto disso, a balança comercial, que já não está nada vibrante, também tem desempenho mais fraco nesse período do ano (sazonalidade de safras).

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies