Menu
2019-11-14T15:15:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Comprados e vendidos disputam dólar a R$ 4,20 de olho no BC

Depois de um breve ajuste de baixa, dólar voltou a subir e já testou os R$ 4,20 no mercado futuro. Grande pergunta continua sendo se o Banco Central (BC) atuará ou não

14 de novembro de 2019
11:58 - atualizado às 15:15
Boxe-Lutadores-Corner
Imagem: Shutterstock

Comprados e vendidos estão, novamente, em uma acirrada disputa no mercado de dólar. A linha a ser observada nessa batalha é a barreira técnica e psicológica de R$ 4,20, que marca a máxima histórica nominal do mercado de câmbio.

Nesta quinta-feira, tivemos um ajuste de baixa na abertura no mercado à vista, algo não surpreendente tendo em vista que houve um descolamento como mercado futuro no pregão de ontem, provocado, vejam só, por anúncio do Banco Central do Chile.

Depois de ver o peso fazer mínimas históricas, o BC chileno anunciou atuação no mercado, no volume de US$ 4 bilhões em operações de swap. Quem reagiu prontamente foi o dólar futuro no mercado brasileiro, que reduziu bruscamente o ritmo de alta.

Por aqui, como já dissemos, segue a expectativa com relação ao que o nosso Banco Central (BC) poderá fazer caso essa linha de R$ 4,20 seja rompida para cima. No mercado futuro, no começo da tarde, a cotação bateu R$ 4,203. No mercado à vista, a máxima do dia foi renovada em R$ 4,1988. Por volta das 15h10, o dólar comercial subia 0,22%, a R$ 4,1947 (veja nossa cobertura de mercados).

Já dissemos, mas não custa reforçar, que o BC não atua para defender linha de preço ou tentar mudar a tendência do mercado. O BC entra no câmbio quando detecta movimentos de falta de liquidez ou variações muito dispares de moedas semelhantes ao real.

No entanto, no mercado, a linha é de R$ 4,20 é o que determina compras e vendas e a eventual atuação do BC é que ditará o alívio do vendido ou tristeza do comprado.

Aqui temos uma assimetria de percepção, por assim dizer. Se o BC atua no R$ 4,20, como fez em agosto, cria uma "quase certeza" no vendido, que ele sempre será "salvo". Se não atua, corre o risco de ver uma arrancada na cotação, com vendidos cobrindo posição e comprados dobrando a aposta.

Olhando além do famoso “bate carteira” do dia a dia, temos que o conjunto de vetores que influi na formação de preço é desfavorável ao real. A liquidez em dólar no mercado local está escassa e não é de hoje.

Já mostramos que o fluxo cambial, em 12 meses, capta a maior saída de dólares do país desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999, coisa na casa dos US$ 40 bilhões. Boa parte da saída reflete a troca de dívida externa por interna de empresas, entre elas a Petrobras.

Há também o quase fim das operações de arbitragem de juros com real, reflexo da queda da Selic e no estreitamento entre juros locais e externos.

Mais recentemente, no lado das expectativas, tivemos uma perspectiva de ingresso de dólares frustrada com o leilão do pré-sal, o que obrigou boa parte dos agentes a rever posicionamentos. Junto disso, tivemos agravamento de problemas políticos na região, notadamente no Chile (e vimos com isso pesa na cotação) e Bolívia.

Além disso, estamos entrando em um período sazonalmente negativo em termos de fluxo. Empresas e investidores fecham balanços e elevam as remessas para fora do país. Junto disso, a balança comercial, que já não está nada vibrante, também tem desempenho mais fraco nesse período do ano (sazonalidade de safras).

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

O melhor do seu dinheiro

Alguém chame os bombeiros

Hoje tivemos mais um dia de grande volatilidade nos mercados brasileiros, que entraram em parafuso com o temor de que o teto de gastos poderia vir a ser furado. Os investidores aguardam com grande ansiedade a votação da PEC Emergencial, aquela que permitirá o retorno do auxílio emergencial. E rumores de que ela seria desidratada […]

FECHAMENTO

Em dia de alta volatilidade, Lira salva Ibovespa de um fiasco e segura o dólar em R$ 5,66

A volatilidade reinou absoluta nesta quarta-feira (03) e mais uma vez Brasília foi responsável por movimentar os negócios no Brasil. Lá fora, o dia foi de cautela com a alta dos juros futuros

Luz no fim do túnel?

Ministério da Saúde avança em negociações com laboratórios para comprar vacinas

A declaração do MS foi dada pelo titular da pasta, Eduardo Pazuello, em reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Crypto News

Bitcoin para leigos e descrentes também

Descrever algo tão complexo como o Bitcoin exige repertório, dedicação e um pouco de sedução de quem apresenta.

Ruim, mas nem tanto?

“É um dos países que menos caíram no mundo”, afirma Bolsonaro, sobre queda de 4% no PIB

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies