Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-21T16:02:21-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

JP Morgan recomenda apostar no Brasil em 2020 e vê alta firme do Ibovespa

Banco trabalha com Ibovespa entre 126 mil e 144 mil pontos e tem mercado brasileiro entre os principais temas de investimento na América Latina

21 de novembro de 2019
9:36 - atualizado às 16:02
Bull-Bovespa touro
Imagem: Andrei Morais / Montagem/Shutterstock

O JP Morgan apresentou um longo relatório sobre os temas de investimento na América Latina para 2020 e quem abre a lista de recomendações é o Brasil, com firme previsão de alta para o Ibovespa.

Segundo o banco, temos uma narrativa única entre os mercados emergentes, considerando uma agenda ampla e profunda de reformas que segue adiante apesar da “implementação barulhenta”. Além disso, juros baixos pavimentam o caminho para uma recuperação puxada pelo consumo, o que permite aumento nos lucros e reduz a preocupação com o preço dos ativos (valuation).

No cenário base, o Ibovespa terminaria 2020 aos 126 mil pontos, o que representa uma alta de 18,2%, sobre os 106.557 pontos considerados no dia da avaliação. No cenário mais otimista (bull case), o índice poderia chegar aos 144 mil pontos, valorização de 35,1%.

Caso as coisas não saiam como o planejado (bear case), o Ibovespa recuaria aos 95 mil pontos, queda de 10,8%. Os “ursos” seriam soltos pela morte do esforço reformista e baixo crescimento.

As previsões para o mercado brasileiro de ações estão acima da média esperada para a região. No cenário básico, o MSCI LatAm tem potencial de alta de 11,7%, e no cenário mais otimista, de 30,3%. Também cairíamos menos que os 14,4% previsto para o índice regional no cenário negativo.

A premissa básica do JP Morgan é que a economia global pode estar voltando a acelerar e que as ações de política monetária dos BCs vão afastar o temor de uma recessão.

A visão é de crescimento acelerando na América Latina, mas com inflação baixa, o que permite que os cortes de juros feitos em 2019 sejam preservados ou mesmo ampliados, combinação única para a região. No lado político, foco nos protestos populares.

O que comprar?

O banco também apresenta dois quadros com suas as ações mais e menos preferidas para a região.

Nos chamados “top picks” temos Afya, Azul, CBD, Copel, Cyrela, Intermedica, IRB, Petrobras ON, Randon, São Martinho, Sonae Sierra e Vale ON.

Os papéis menos preferidos, que têm recomendação entre “neutro” e “abaixo da média” são: BB Seguridade, Braskem, Cogna, CVC, Cteep, Marfrig, Odontoprev, Oi, Tenda, Usiminas e Weg.

País distinto

A convicção do JP Morgan na recomendação acima da média (OW) é “elevada” e está baseada em três fatores fundamentais:

  • Inflação e expectativas baixas por longo período permitem ao Banco Central cortar e, mais importante, manter o juro em patamar baixo, algo "transformacional" para o Brasil
  • Uma retomada do crescimento está a caminho, com a taxa de crescimento anualizada dobrando
  • Agenda de reformas estruturais continua avançando no Congresso

Além do cenário internacional, o maior risco para essa tese de investimento é a ameaça do baixo crescimento, que pode resultar em uma política fiscal mais frouxa conforme as eleições de 2022 ganhem relevância no cenário.

Gringos x Locais

No relatório, o JP Morgan também avalia a saída do estrangeiro da bolsa, notadamente do mercado secundário, e atribui o movimento ao saque generalizado de recursos que se observou em outros emergentes. Mas acredita que assim que esse fluxo mudar de mão, o Brasil poderia se beneficiar.

No lado doméstico, o banco nota que estamos passando por uma mudança estrutural. O juro baixo veio para ficar. O JP Morgan trabalha com Selic de 4,5% no fim de 2019 e 4,25% no começo de 2020. Mesmo acreditando que o juro pode voltar a subir no fim do ano que vem, não teríamos um ciclo de alta, mas sim um ajuste.

Esse cenário tem contribuído para as elevadas captações de recursos pelos fundos multimercado e de ações. Os dois grupos levantaram R$ 227 bilhões em 2019 até outubro e a expectativa é de que essa rotação da renda fixa para ativos de maior risco continue em 2020.

Bilhões ainda estão fora do jogo

Para o JP Morgan, o que temos visto é “apenas o começo”. A alocação total da indústria de fundos no mercado de ações era de apenas 12% dos ativos até agosto, percentual inferior à média de 15 anos de 13,6% e bem abaixo da máxima de 21,7% registrada em 2007.

Além disso, a alocação total dos fundos de pensão no mercado de ações estava em 18,2%, abaixo da média de 15 anos de 27,7%.

Como resultado, diz o banco, se a alocação dos fundos de pensão voltar à média, o potencial de ingresso de recursos no mercado seria da ordem de US$ 41,6 bilhões, algo como 3,8% da capitalização de mercado da B3 em dólares.

Com relação aos pares da região, apenas Colômbia também aparece com “overweight”. Peru tem classificação neutra. México, Chile e Argentina estão com “underweight”.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Nova variante vira a mesa nos mercados, bitcoin entra em ‘bear market’ e outros destaques do dia

Se você já estava pronto para tirar o pó da sua fantasia de Carnaval, talvez seja melhor esperar mais um pouco. Além de algumas cidades brasileiras terem decidido adiar a festança por mais um ano, uma reviravolta no andamento da pandemia deixou mais uma vez o mundo em pânico. A variante B.1.1.529 (batizada de ômicron […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Nova cepa do coronavírus pega mercado de surpresa; Ibovespa recua quase 4% no dia e apaga ganhos da semana

Ao longo da semana, o Ibovespa também foi pressionado pela indefinição em torno da PEC dos precatórios e a pausa para o feriado nos Estados Unidos

DINHEIRO NO FIM DO ANO

Yduqs (YDUQ3) pagará R$ 141 milhões em dividendos; confira o valor por ação

A empresa do setor de educação pagará cerca de R$ 0,40 por ação ordinária e o dinheiro cairá na conta dos acionistas em 7 de dezembro

OMICRON

5 fatos sobre a nova variante do covid que derrubou os mercados nesta sexta

O anúncio de que uma nova variante do coronavírus surgiu na África do Sul fez com que os mercados internacionais desabassem; veja o que sabemos até agora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies