Menu
2019-11-21T16:02:21-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

JP Morgan recomenda apostar no Brasil em 2020 e vê alta firme do Ibovespa

Banco trabalha com Ibovespa entre 126 mil e 144 mil pontos e tem mercado brasileiro entre os principais temas de investimento na América Latina

21 de novembro de 2019
9:36 - atualizado às 16:02
Bull-Bovespa touro
Imagem: Andrei Morais / Montagem/Shutterstock

O JP Morgan apresentou um longo relatório sobre os temas de investimento na América Latina para 2020 e quem abre a lista de recomendações é o Brasil, com firme previsão de alta para o Ibovespa.

Segundo o banco, temos uma narrativa única entre os mercados emergentes, considerando uma agenda ampla e profunda de reformas que segue adiante apesar da “implementação barulhenta”. Além disso, juros baixos pavimentam o caminho para uma recuperação puxada pelo consumo, o que permite aumento nos lucros e reduz a preocupação com o preço dos ativos (valuation).

No cenário base, o Ibovespa terminaria 2020 aos 126 mil pontos, o que representa uma alta de 18,2%, sobre os 106.557 pontos considerados no dia da avaliação. No cenário mais otimista (bull case), o índice poderia chegar aos 144 mil pontos, valorização de 35,1%.

Caso as coisas não saiam como o planejado (bear case), o Ibovespa recuaria aos 95 mil pontos, queda de 10,8%. Os “ursos” seriam soltos pela morte do esforço reformista e baixo crescimento.

As previsões para o mercado brasileiro de ações estão acima da média esperada para a região. No cenário básico, o MSCI LatAm tem potencial de alta de 11,7%, e no cenário mais otimista, de 30,3%. Também cairíamos menos que os 14,4% previsto para o índice regional no cenário negativo.

A premissa básica do JP Morgan é que a economia global pode estar voltando a acelerar e que as ações de política monetária dos BCs vão afastar o temor de uma recessão.

A visão é de crescimento acelerando na América Latina, mas com inflação baixa, o que permite que os cortes de juros feitos em 2019 sejam preservados ou mesmo ampliados, combinação única para a região. No lado político, foco nos protestos populares.

O que comprar?

O banco também apresenta dois quadros com suas as ações mais e menos preferidas para a região.

Nos chamados “top picks” temos Afya, Azul, CBD, Copel, Cyrela, Intermedica, IRB, Petrobras ON, Randon, São Martinho, Sonae Sierra e Vale ON.

Os papéis menos preferidos, que têm recomendação entre “neutro” e “abaixo da média” são: BB Seguridade, Braskem, Cogna, CVC, Cteep, Marfrig, Odontoprev, Oi, Tenda, Usiminas e Weg.

País distinto

A convicção do JP Morgan na recomendação acima da média (OW) é “elevada” e está baseada em três fatores fundamentais:

  • Inflação e expectativas baixas por longo período permitem ao Banco Central cortar e, mais importante, manter o juro em patamar baixo, algo "transformacional" para o Brasil
  • Uma retomada do crescimento está a caminho, com a taxa de crescimento anualizada dobrando
  • Agenda de reformas estruturais continua avançando no Congresso

Além do cenário internacional, o maior risco para essa tese de investimento é a ameaça do baixo crescimento, que pode resultar em uma política fiscal mais frouxa conforme as eleições de 2022 ganhem relevância no cenário.

Gringos x Locais

No relatório, o JP Morgan também avalia a saída do estrangeiro da bolsa, notadamente do mercado secundário, e atribui o movimento ao saque generalizado de recursos que se observou em outros emergentes. Mas acredita que assim que esse fluxo mudar de mão, o Brasil poderia se beneficiar.

No lado doméstico, o banco nota que estamos passando por uma mudança estrutural. O juro baixo veio para ficar. O JP Morgan trabalha com Selic de 4,5% no fim de 2019 e 4,25% no começo de 2020. Mesmo acreditando que o juro pode voltar a subir no fim do ano que vem, não teríamos um ciclo de alta, mas sim um ajuste.

Esse cenário tem contribuído para as elevadas captações de recursos pelos fundos multimercado e de ações. Os dois grupos levantaram R$ 227 bilhões em 2019 até outubro e a expectativa é de que essa rotação da renda fixa para ativos de maior risco continue em 2020.

Bilhões ainda estão fora do jogo

Para o JP Morgan, o que temos visto é “apenas o começo”. A alocação total da indústria de fundos no mercado de ações era de apenas 12% dos ativos até agosto, percentual inferior à média de 15 anos de 13,6% e bem abaixo da máxima de 21,7% registrada em 2007.

Além disso, a alocação total dos fundos de pensão no mercado de ações estava em 18,2%, abaixo da média de 15 anos de 27,7%.

Como resultado, diz o banco, se a alocação dos fundos de pensão voltar à média, o potencial de ingresso de recursos no mercado seria da ordem de US$ 41,6 bilhões, algo como 3,8% da capitalização de mercado da B3 em dólares.

Com relação aos pares da região, apenas Colômbia também aparece com “overweight”. Peru tem classificação neutra. México, Chile e Argentina estão com “underweight”.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal

Rumo aos R$ 6?

Dólar sobe e toca os R$ 5,60; Banco Central faz dupla atuação para tentar segurar o câmbio

Disparada da moeda americana ocorre em meio à fuga de recursos que migram para os títulos públicos americanos, cujos retornos dispararam recentemente

Não gostou

Conselheira da Petrobras critica forma da demissão de Castello Branco

Segundo ela, está havendo uma desintegração vertical e nacional da Petrobras, com a única finalidade de remunerar os acionistas, o que precisa ser mudado.

Esperança

Mundo pode crescer em 2021 mais que 5,5% previstos em janeiro, diz FMI

Kristalina Georgieva também defendeu crédito para empresas e famílias, a partir das circunstâncias de cada país, até a crise de saúde ser superada.

Necessidade econômica

Reação do mercado de trabalho na pandemia depende de condição sanitária, diz IBGE

A população ocupada encolheu em 8,373 milhões de pessoas em um ano, enquanto o total de desempregados aumentou em 2,294 milhões.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies