Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-22T07:58:00-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Entrevista

Não vem dinheiro por falta de confiança, diz Nathan Blanche, da Tendências

Se governo afastar risco de insolvência, dólar certamente ficaria abaixo de R$ 4,0 e país seria outro. Resolver situação de Estados e municípios é essencial

22 de novembro de 2019
5:07 - atualizado às 7:58
Nathan Blanche
"Elimine com o risco de solvência fiscal e esse país vai ser outro”, diz Nathan Blanche, da Tendências Consultoria - Imagem: Print YouTube

Considerado um dos pais do mercado de câmbio no Brasil, o sócio e diretor da Tendências Consultoria, Nathan Blanche, faz uma interessante leitura sobre a relação entre o preço do dólar e a política fiscal. A conclusão é que o dinheiro que aceita juro negativo ao redor do mundo não vem render no Brasil por falta de confiança.

A confiança a que Blanche se refere é dar a certeza aos investidores de que o país vai afastar de vez o risco de insolvência, que não vamos ter de voltar a imprimir dinheiro para arcar com os déficits fiscais.

“O risco da insolvência tem que ser afastado e para isso tem que fazer a PEC paralela. Elimine o risco de solvência fiscal e esse país vai ser outro”, diz Blanche.

Estancando a hemorragia

Para Blanche, a equipe econômica tem de ter como prioridade essa inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência. Depois, caminhar com a chamada PEC emergencial, que dá instrumentos para lidar com entes federados em estado falimentar, e garantir o cumprimento do teto de gastos e da chamada regra de ouro das finanças públicas.

A analogia feita pelo especialista é que o país estava em um quadro de desastre, com grave sangramento (gasto público). Antes de se levar o paciente ao hospital (demais reformas), é necessário estancar esse sangramento.

A reforma da Previdência estanca metade dessa hemorragia, mas está falando a PEC paralela, já que Estados e municípios têm rombo maior que o da União.

“Sem a PEC paralela você não chega ao hospital. Isso quer dizer que a relação dívida sobre PIB vai continuar subindo, chegando a 90% em dois ou três anos. Se Estados e municípios quebrarem, a federação quebra, o país quebra junto”, explica.

Segundo Blanche, se o governo mostrar responsabilidade tomando conta do dinheiro público – que segundo ele, até então, era uma anarquia – a taxa de câmbio “é bem abaixo de R$ 4,0”.

Blanche nos lembra que temos uma sobra de US$ 17 trilhões no mundo que estão aplicados a juro negativo por falta de confiança.

“Temos tudo para receber parte desse dinheiro se fizermos mais um pouco de reforma fiscal. E temos, também, uma grande vantagem comparativa que é o agronegócio.”, avalia.

Aos dados

Blanche cita dois fatores conjunturais bem conhecidos dos nossos leitores que ajudam a explicar esse comportamento recente do dólar. A troca de endividamento externo por interno e o fim das operações de "carry trade", arbitragem de taxa de juro, que deixaram de ser rentáveis com Selic caindo de 14% para 5% ao ano.

Esses dois movimentos ajudam a explicar o buraco de mais US$ 21 bilhões no fluxo cambial no acumulado do ano até o começo de novembro. Como já mostramos, caminhamos para ter a maior saída de dólares já registrada desde 1985, início da série histórica disponibilizada pelo Banco Central.

Mas para o especialista, a questão estrutural da falta de confiança e imprevisibilidade na condução de politica econômica do Brasil é uma das principais explicações para o fluxo cambial negativo e para a “boca de jacaré” que vemos entre o risco-país, medido pelo CDS, que está em patamares não vistos desde 2013, e a taxa de câmbio, que acena máximas históricas nominais.

Segundo Blanche, apesar da melhora substancial do prêmio de risco-país, que em um ano teve uma redução de 300 pontos para 120 pontos, o investimento externo não decola e o mesmo ocorre em relação ao investidor interno. Algo que pode ser constatado no gráfico abaixo.

“A taxa de câmbio de equilíbrio não tem nada a ver com o CDS, com prêmio de risco. Mas sim com a insegurança e falta de confiança dos agentes internos e externos. Se não terminar o ajuste fiscal, haverá insolvência e estamos perdidos”, explica.

Blanche nos diz que se dependêssemos apenas das contas externas ainda seriamos um país com grau de investimento.

Como exemplo, ele cita a relação reservas internacionais sobre a dívida externa total, que passa dos 120%. Tal percentual é mais que o dobro do apresentado por outras economias emergentes com classificação "triplo A”, de 52,8%.

Em compensação, nosso endividamento é muito superior a qualquer país de risco semelhante. Temos uma dívida/PIB de 78,8%, com projeção de passar dos 80% em breve. A média dos demais emergentes é 39,1%. De fato, dados do Instituto Internacional de Finanças (IIF), mostraram que só perdemos para Egito e Líbano no quesito endividamento público.

“Essa é a razão. Olha que diferença! A qualificação do CDS é um prêmio sobre o Tesouro americano. E esse prêmio não reflete a situação”, avalia.

Elogio ao BC

Blanche também elogiou a forma de atuação do BC no mercado de câmbio. Desde o fim de agosto, o BC vem trocando o hedge, a proteção cambial, dada via swaps (que equivalem à venda de dólar futuro), por dólares das reservas internacionais. A mudança de atuação conversa com o que falamos acima, sobre a demanda por troca de dívidas externas por locais e a forte redução das operações de arbitragem.

“Foi uma intervenção inteligente, vender à vista e recomprar os swaps. Ele atuou na ponta onde havia falha de oferta, mas não apreciou artificialmente o câmbio. Não distorceu o mercado. Ele evitou uma falha de mercado que poderia resultar em uma explosão na taxa.”

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

MERCADOS HOJE

Ibovespa recua 0,7% e dólar sobe para R$ 5,34, com mercado preocupado com inflação e Evergrande

Se nos últimos dias os investidores respiraram mais aliviados com a certeza de que a incorporadora chinesa Evergrande encontraria uma saída para os seus problemas financeiros, hoje o sentimento foi de temor. Isso porque os mercados globais não sabem se a companhia honrou os pagamentos ou conseguiu uma renegociação.  Com a Evergrande mais uma vez […]

Cripto Cowboys

Com restrições na China, Texas é a nova meca do bitcoin e outras criptomoedas?

A energia barata e o baixo controle regulatório atraem os mineradores de moedas digitais para o sul dos Estados Unidos

Vídeos

Selic a 6,25%: onde investir nesse cenário?

Nesta semana, o Copom decidiu aumentar a taxa Selic em um ponto percentual. Matheus Spiess, analista da Empiricus, te explica como ganhar dinheiro com isso. Confira

Maior licitação da história

Com edital aprovado pela Anatel, leilão do 5G está marcado para 4 de novembro

O 5G já é realidade nos Estados Unidos, China e boa parte dos países europeus, enquanto por aqui a preparação do edital completou três anos neste mês

CONTEÚDO VITREO

5 pontos que todo trader deve observar ao investir

Possibilidade de ganhos rápidos e exponenciais no day trade, sem a necessidade de colocar muito dinheiro, atraem muita gente, mas é preciso ter cuidado com armadilhas e picaretas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies