Menu
2019-10-30T19:05:37+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Maçã dourada

A Apple teve um trimestre forte — e, com o iPhone 11, promete ir ainda melhor no fim do ano

A Apple reportou um lucro por ação superior às estimativas dos analistas e forneceu projeções animadoras para os três últimos meses do ano, mostrando-se otimista com o Iphone 11 e o Apple TV Plus

30 de outubro de 2019
19:05
Loja da Apple - iPhone 11
Imagem: Shutterstock

A Apple está num bom momento. A nova geração do iPhone chegou às lojas em setembro e seu serviço de streaming digital, o Apple TV Plus, será lançado nesta sexta-feira (1) nos EUA, prometendo fazer forte concorrência à Netflix. Como resultado, uma injeção de ânimo tomou conta das ações da companhia fundada por Steve Jobs.

Os papéis, que eram negociados perto de US$ 200 no início de setembro, deram um salto nos últimos meses, chegando ao nível de US$ 243,26 nesta quarta-feira (30) — um ganho de mais de 15% desde então. E, a depender do balanço da empresa no trimestre e das sinalizações para o futuro, as cotações podem subir ainda mais.

A companhia da maçã reportou um lucro líquido de US$ 13,7 bilhões no trimestre encerrado em setembro, cifra 3,1% menor que a registrada no mesmo intervalo de 2018. No entanto, o lucro por ação — uma métrica muito observada por analistas e investidores estrangeiros — subiu de US$ 2,94 para US$ 3,03.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Esse resultado superou as expectativas dos analistas consultados pela Bloomberg: a média das projeções apontava para um lucro por ação de US$ 2,83 no período. A receita líquida chegou a US$ 64,04 bilhões, um aumento de 1,8% em um ano — também acima das estimativas do mercado, de US$ 63 bilhões.

Vale lembrar que o iPhone 11 e os outros produtos dessa família começaram a ser vendidos mundialmente em 20 de setembro. Assim, os resultados desse trimestre englobaram apenas os dias de lançamento da nova geração do aparelho — o impacto mais forte será sentido nos três últimos meses do ano.

E, de fato, a Apple parece apostar forte nas vendas do iPhone 11 na reta final de 2019: entre outubro e dezembro, a companhia prevê uma receita líquida entre US$ 85,5 bilhões e US$ 89,5 bilhões. Assim, considerando o piso das projeções, a receita da empresa irá saltar 33,5% em relação ao trimestre anterior.

A gigante do setor de telecomunicações ainda estima uma margem bruta entre 37,5% e 38,5% nos três últimos meses do ano — o indicador ficou em 37,9% no trimestre encerrado em setembro.

Em mensagem aos acionistas, o presidente da Apple, Tim Cook, destacou que a receita de US$ 64,04 bilhões também foi impulsionada pelo crescimento das divisões de serviços, tecnologias vestíveis e iPads.

"Com os consumidores animados com a nova geração de iPhones, o lançamento dos novos AirPods Pro e a chegada da Apple TV Plus, além do melhor portfólio de produtos e serviços já oferecido [pela empresa], estamos muito otimistas com o próximo trimestre", disse o executivo.

Como resultado, as ações da Apple (AAPL) operam em alta no after market de Nova York — uma espécie de prorrogação do pregão regular. Por volta de 19h00 (horário de Brasília), os papéis subiam 1,86%, a US$ 247,79, indicando uma sessão positiva para os papéis amanhã.

Sinais animadores

O balanço da Apple sempre é muito transparente: a empresa mostra um raio-X completo do desempenho de cada segmento e mercado de atuação, facilitando a análise do que aconteceu no trimestre — e do que pode estar por vir.

Comecemos, então, pelas divisões da gigante de tecnologia. Os iPhones, naturalmente, continuam respondendo pela maior parte da receita líquida da Apple e, no trimestre encerrado em setembro, geraram US$ 33,362 bilhões — uma baixa de 9,2% na base anual.

Mas, apesar dessa queda, o resultado ainda ficou acima das expectativas dos analistas. É importante ressaltar que o iPhone 10, geração anterior de smartphones da Apple, foi lançado em 2017 — no ano passado, essa linha de produtos recebeu atualizações, mas sem a introdução de uma nova família.

Assim, em 2019, a curva de vendas desses aparelhos já estava em trajetória descendente, e os poucos dias de comercialização do iPhone 11 contribuíram para dar força à divisão no trimestre.

Ainda na análise por segmento, chama a atenção o forte desempenho do setor de serviços, que gerou US$ 12,5 bilhões de receita, cifra 18% maior em um ano. E essa divisão tende a crescer ainda mais no próximo trimestre, dado o lançamento do Apple TV Plus.

A receita gerada pelo setor de iMacs caiu 4,7%, para US$ 6,99 bilhões, enquanto os iPads responderam por US$ 4,656 bilhões, uma alta de 16,9%. Por fim, os acessórios vestíveis e produtos para o lar somaram US$ 6,52 bilhões, um avanço de 54,4%.

Em termos de divisão geográfica, o continente americano continua como principal mercado consumidor da Apple, com US$ 29,3 bilhões de receita — alta de 6,5% na base anual. Em sequência, aparecem Europa, com US$ 14,9 bilhões (-2,8%); China continental, com US$ 11,134 bilhões (-2,4%); Japão, com US$ 4,98 bilhões (-3,46%); e o restante da Ásia/Pacífico, com US$ 3,656 bilhões (+6,62%).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Tensão nos ares

Crise na Boeing: sindicatos de companhias aéreas temem a liberação do 737 Max

Com a possibilidade de as aeronaves 737 Max da Boeing serem liberadas novamente para voar, os sindicatos das companhias aéreas mostram-se preocupados

Protestos no país

Banco Central do Chile anuncia novas medidas para conter a queda do peso

A autoridade monetária do Chile irá adotar mais ferramentas para frear a trajetória de desvalorização da moeda do país, em meio à onda de protestos sociais vistos nos últimos dias

Renda fixa

CDB com remuneração de até 124% do CDI? É a oferta do C6 Bank

O C6 Bank oferece novas opções de investimento em CDB com resgates mais longos. A rentabilidade pode chegar a 124% do CDI

Expansão no país

Carrefour Brasil investe R$ 2 bilhões e quer mais parcerias

O Carrefour Brasil mostra-se otimista em relação às perspectivas para o país em 2020. Como resultado, o grupo continuará investindo e abrindo novas unidades

Tudo que vai mexer com o seu dinheiro hoje

Inflação e terno preto nunca saem de moda

Um certo frenesi sempre tomou conta das redações do país no dia de divulgação do índice de preços. A inflação brasileira é um número a acompanhar com lupa no noticiário econômico. Em um passado não tão distante, todo o mês os economistas apontavam o vilão dos custos do consumidor. O tomate virou uma espécie de […]

Agora vai?

Declarações de autoridades dos EUA mostram otimismo nas negociações com a China

O tom mais ameno assumido por duas autoridades dos EUA em relação às conversas com a China renova a esperança dos mercados quanto ao fechamento de um acordo

Siga o mestre

Warren Buffett fez novas apostas na bolsa e vendeu parte de suas ações da Apple

Um frenesi toma conta dos mercados americanos nesta sexta-feira: o lendário Warren Buffett comprou ações de duas empresas — o que faz esses papéis dispararem hoje

Feriado? Que feriado?

Os mercados estão abertos lá fora — e as bolsas dos EUA estão nas máximas

Uma sinalização animadora das autoridades americanas quanto às negociações com a China dá força aos mercados globais nesta sexta-feira

Sem crise

Sabesp tem lucro líquido de R$ 1,209 bilhão no 3º trimestre, alta de 113,9%

A Sabesp reportou forte expansão no lucro líquido e no Ebitda no terceiro trimestre deste ano, impulsionada pelo início das operações em Santo André e Guarulhos

Más notícias

A Braskem fechou o trimestre no vermelho e viu sua receita cair 18% em um ano

Empresa cujas ações têm o pior desempenho do Ibovespa no ano, a Braskem reportou um prejuízo líquido de mais de R$ 800 milhões no terceiro trimestre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements