🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Energia renovável

Espanha produz eletricidade demais — e agora não sabe o que fazer com tanta energia

Investimentos em energia solar e eólica levaram o país a produzir mais energia do que necessita

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
17 de junho de 2024
17:43 - atualizado às 13:57
Pás de energia eólica
Até 2030, a Espanha já estabeleceu que 81% de sua demanda de energia será suprida por opções renováveis - Imagem: Shutterstock

Nos últimos anos, a Espanha vem investindo fortemente em sistemas de energia renovável, seja solar ou eólica, o que fez com que a capacidade total de produção eólica do país, a sua principal fonte renovável nos últimos anos, tenha duplicado desde 2008. A capacidade de energia solar, por sua vez, aumentou oito vezes no período.

Como resultado, Espanha se tornou o Estado-Membro da União Europeia com a segunda maior infraestrutura de energias renováveis, depois da Suécia, que ocupa o primeiro lugar, segundo o site da rede britânica de TV BBC.

No início do ano, o primeiro-ministro Pedro Sánchez, líder do Partido Socialista Operário, descreveu seu país como “uma força motriz da transição energética à escala global”.

O boom começou logo após a chegada de um novo governo sob o comando de Sánchez em 2018, com a remoção de obstáculos regulatórios e a introdução de subsídios para instalações de energia renovável. A pandemia acelerou ainda mais essa tendência.

Impacto da Covid no setor

“O impacto da Covid foi muito positivo para o nosso setor”, afirma José Donoso, diretor executivo da Unef, a Associação Fotovoltaica Espanhola, que representa o setor dos painéis solares.

“As pessoas pouparam dinheiro, pensaram no que fazer com ele e muitas decidiram que era melhor investir no telhado do que no banco”, diz ele.

O governo, por sua vez, adotou novas metas ambiciosas, incluindo a cobertura de 81% das necessidades de eletricidade de Espanha com energias renováveis ​​até 2030.

Mas há preocupações no setor energético causadas por um desequilíbrio entre a oferta e a demanda.

Embora a economia espanhola tenha se recuperado fortemente do trauma da pandemia de Covid e esteja crescendo mais rapidamente do que todas as outras grandes economias do bloco, o consumo de energia tem diminuído nos últimos anos.

Demanda mais baixa desde 2003

No ano passado, a demanda por energia ficou abaixo da registada no em 2020, em plena pandemia, e foi a mais baixa desde 2003. “O que vimos até 2005 foi que, quando o PIB aumentou, a procura por energia subiu mais do que o PIB”, diz Miguel de La Torre Rodríguez, chefe de desenvolvimento de sistemas da Red Eléctrica (REE), empresa que opera a rede nacional de energia na Espanha.

Mais recentemente, diz ele, “vimos que a procura aumentou menos do que o PIB. O que estamos vendo é uma dissociação entre a intensidade energética e a economia”.

Existem várias razões para a recente queda na procura, que incluem a crise energética desencadeada pela invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022, o que fez com que empresas e residências em toda a Europa reduzissem o consumo. Além disso, a eficiência energética melhorou e tornou-se mais comum.

O aumento do uso de energias renováveis ​​também deu sua contribuição para a redução da demanda de energia da rede nacional.

Preço da energia chega a ser negativo

Rodríguez afirma que, durante o dia, quando a produção de energia solar é mais forte, o equilíbrio entre oferta e demanda fica desequilibrado, tendo um impacto nos preços.

“Como o sistema energético tem sempre de ter equilíbrio – a procura tem de ser igual à geração – isso significa que houve excesso de produção durante essas horas”, diz ele. “Com isso, os preços caíram, especialmente durante determinados horários, chegando a zero ou até negativos.”

Embora esses preços baixos sejam bem-vindos para os consumidores, são potencialmente um problema quando se trata de atrair investimento para a indústria.

As preocupações com o fato de Espanha ter excesso de energia levaram à discussão sobre a necessidade de acelerar a "eletrificação" da economia, o que envolve afastá-la dos combustíveis fósseis. O governo Sánchez estabeleceu como meta tornar 34% da economia dependente da energia elétrica até 2030, informa a BBC, no texto.

Substituição de combustíveis fósseis

“Este processo está avançando lentamente e precisamos acelerar”, afirma José Donoso, da Unef. “A eletricidade é a forma mais barata e competitiva de produzir energia limpa. Precisamos de instalações que utilizem energia elétrica em vez de combustíveis fósseis.”

A mudança para uma dependência total da energia elétrica é vista como irrealista, uma vez que alguns setores importantes, como de produtos químicos e metais, por exemplo, terão dificuldade na transição.

No entanto, Donoso e outros vêm muito espaço para uma eletrificação mais rápida, já que a Espanha está atrás de muitos dos seus vizinhos europeus no que diz respeito à instalação de sistemas de aquecimento e refrigeração elétricos nas residências e à utilização de carros elétricos, que representam apenas cerca de 6% dos veículos em circulação.

*Com informações da BBC

Compartilhe

ELEIÇÕES NOS EUA

Não deu para Biden: presidente dos EUA cede à pressão e desiste da reeleição — saiba o que acontece daqui para frente 

21 de julho de 2024 - 15:44

No que depender de Biden, sua vice Kamala Harris deve ser o nome do partido para enfrentar Donald Trump nas urnas em 5 de novembro; Trump se manifesta sobre a desistência

ATUALIZANDO O PORTFÓLIO

Por que Warren Buffett decidiu vender US$ 1,48 bilhão em ações de um bancão norte-americano

20 de julho de 2024 - 17:48

A Berkshire Hathaway vendeu cerca de 33,9 milhões de ações desta instituição financeira em diversas transações nesta semana

MELHORES MOMENTOS GIRO DO MERCADO

Trump mais vivo do que nunca: os impactos no dólar, cripto e juros — e os principais riscos da provável vitória do republicano 

19 de julho de 2024 - 18:14

Donald Trump saiu do atentado do último sábado mais vivo do que nunca. Agora, se já não era antes, o republicano é o nome mais forte na corrida e provavelmente voltará a ocupar a Casa Branca — e os mercados já estão tentando prever os impactos disso.  A percepção de que o ex-presidente saiu ganhando […]

ELEIÇÕES NOS EUA

Pseudoconciliação e promessa de deportação em massa: o que você precisa saber sobre o último discurso de Trump

19 de julho de 2024 - 11:10

Donald Trump discursou no fim da noite de quinta-feira ao aceitar a indicação do Partido Republicano para concorrer à presidência dos EUA em novembro

UNINDO FORÇAS

O “quarteto mortal”: os países que vão tirar o sono dos EUA e da Europa e podem levar a uma nova guerra global

18 de julho de 2024 - 19:58

Especialistas destacam o poder econômico do Ocidente, mas reconhecem que a missão de conter o avanço do grupo de quatro países não é fácil

MAIS POLÊMICA

CEO de empresa ligada à rede social de Trump é alvo de investigação por fraude nos Estados Unidos

18 de julho de 2024 - 14:00

Patrick Orlando é acusado pela SEC americana de mentir sobre os planos de sua “companhia do cheque em branco” de se fundir com a startup por trás da Truth Social

Restrição monetária

Lagarde mantém juros restritivos na Europa e diz o que é preciso para as taxas baixarem

18 de julho de 2024 - 13:07

Banco Central Europeu procura trazer a inflação da zona do euro para a meta de 2%

ELEIÇÕES NOS EUA

Biden revela o que o faria desistir de disputar presidência contra Trump em entrevista divulgada horas após diagnóstico de covid

18 de julho de 2024 - 10:59

Biden recebeu diagnóstico de infecção por covid-19 na quarta-feira e precisou interromper sua campanha à reeleição

MILES GUO

Ex-magnata chinês aliado de Steve Bannon é condenado por fraude bilionária nos EUA

17 de julho de 2024 - 15:00

Miles Guo vivia exilado nos Estados Unidos e é crítico do Partido Comunista chinês

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar