🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

Ruy Hungria
Sextou com o Ruy
Ruy Hungria
É formado em Física e especialista em bolsa e opções na Empiricus
2022-06-06T23:02:36-03:00
SEXTOU COM O RUY

Livre das investigações, a Hypera está pronta para voar; entenda por que HYPE3 ainda vale a pena

Acordo de leniência após investigação sobre suspeita de pagamento de propina livra a Hypera (HYPE3) do risco de uma multa bilionária

3 de junho de 2022
6:50 - atualizado às 23:02
Imagem mostrando uma série de medicamentos que fazem parte do portfólio da Hypera (HYPE3); em segundo plano, aparecem prateleiras de uma farmácia
A Hypera é dona de várias das marcas mais famosas do mercado farmacêutico brasileiro. Imagem: YouTube/Divulgação

O grande destaque da bolsa na última quarta-feira foi a Hypera (HYPE3), com uma alta de quase 8% no dia. 

O motivo dessa valorização: o Acordo de Leniência firmado com a Controladoria Geral da União. A investigações sobre pagamentos de propinas envolvendo antigos executivos concluiu que a companhia não obteve vantagens ilícitas.

Como o mercado chegou a cogitar uma multa de mais de R$ 1 bilhão no início das investigações, a conclusão de que ela não pagará nada foi um enorme alívio, que se traduziu em uma valorização de R$ 2 bilhões.

Mas a pergunta que fica é: será que tem espaço para mais? Tem sim, e para ótimos dividendos também, mas antes precisamos entender quem é a Hypera.

Quem é a Hypera?

Antes de entender se vale a pena investir em Hypera, precisamos entender o que a companhia faz.

Ela atua no setor farmacêutico, um segmento da economia que vem mostrando muita resiliência e crescimento:

Fonte: Hypera

Na saúde e na doença

Como estamos falando de um setor que vende remédios, é natural esperar que o consumo se mantenha saudável mesmo nos anos de crise.

Mas o setor farmacêutico não tem mostrado resiliência apenas nas crises, ele tem crescido acima do PIB mesmo nos anos de expansão da economia.

Olhando para a frente, continuamos enxergando essa mesma dinâmica de crescimento saudável no Brasil, um pouco por conta dos efeitos da pandemia nos hábitos da população, que tem se preocupado um pouco mais com medicação e prevenção, mas principalmente por conta do envelhecimento dos brasileiros.

Isso ajuda, é verdade, mas não basta. Especialmente se não houver barreiras de entrada para o setor, e a companhia não tiver diferenciais competitivos.

Felizmente, não é o caso aqui.

A Hypera e suas power brands

Para começar, o setor farmacêutico é um dos mais bem fiscalizados, o que, combinado com altos investimentos necessários, eleva as barreiras de entrada.

Além disso, a Hypera é dona de várias das marcas mais famosas do mercado farmacêutico brasileiro. Ela possui 18 power brands (marcas com mais de R$ 100 milhões de vendas cada uma), sendo 14 delas líderes em suas categorias.

Fonte: Hypera

A combinação de marcas fortes com a enorme capacidade de investimento em inovação se transforma em um grande diferencial competitivo. Por exemplo, uma estratégia que vem surtindo grandes resultados recentemente é a extensão de marcas fortes e já consolidadas em novos produtos adjacentes.

Por exemplo, o Benegrip "clássico" virou uma família completa com Benegrip Xarope, Benegrip Infantil, Benegrip Dia, Benegrip Noite, Benegrip Imuno Energy (Vitamina C)…

Reprodução: Benegrip

E como você pode ver, os investimentos em inovações cresceram bastante nos últimos seis anos.

Chart
Fonte: Hypera

Mais importante do que isso: o índice de inovação, que mede a participação na receita desses produtos lançados há menos de cinco anos, também mostrou crescimento relevante, indicando o sucesso e o retorno financeiro deles.

Chart
Fonte: Hypera

Segundo a companhia, as criações de 2021 e 2022 devem contribuir com um faturamento de R$ 2,6 bilhões em cinco anos, já excluindo os efeitos de canibalização. Isso representa cerca de 38% do faturamento atual, o que não é nada absurdo se observarmos no gráfico acima que o índice de inovação chegou a superar os 30% no ano passado.

O fato é que todas as iniciativas já têm surtido efeitos positivos e ajudaram a trazer bom crescimento de resultados e de market share:

Fonte: Hypera

Como dissemos, atuar em um setor que cresce não basta. Se uma companhia quer se tornar vencedora no longo prazo, ela precisa acompanhar ou superar esse crescimento, sempre com foco em rentabilidade e inovação. E é justamente isso o que temos visto com a Hypera.

É verdade que parte desse crescimento vem de aquisições, mas também nesse aspecto temos visto sinais positivos para os acionistas.

Aquisições e disciplina na alocação de capital

Nas aulas de MBA ou de cursos de gestão, aprendemos que só se deve fazer um investimento quando o retorno esperado for maior do que o retorno do CDI no período mais um adicional de risco.

Infelizmente, muitos gestores se esquecem dessa regrinha básica, e, quando uma empresa começa a acumular muito caixa, eles se sentem tentados a comprar qualquer coisa por qualquer preço.

Na maioria das vezes, compram marcas ou empresas inteiras por preços elevados, e o resultado é um retorno sobre o investimento abaixo até do que se tivessem deixado o dinheiro no Tesouro Selic, sem risco algum.

Esse foi um enorme problema para a própria Hypera nos velhos tempos de Hypermarcas, mas que felizmente parece ter ficado para trás, como mostram as aquisições recentes.

As compras do portfólio da Takeda e Buscopan, que levaram a companhia para o segundo lugar em vendas no setor, foram feitas por apenas 6 vezes o valor da firma sobre o Ebitda após as sinergias, enquanto o múltiplo de aquisição das marcas da Sanofi foi de apenas 5 vezes o Ebitda. Como base de comparação, a Hypera negocia por bem mais do que isso, 12 vezes o seu Ebitda.

Hypera livre para voar

Mas mesmo com todas essas coisas boas acontecendo (aquisições interessantes, crescimento de resultados, ganho de market share, etc.), as ações praticamente só andaram de lado nos últimos cinco anos.

Fonte: Google

Em termos de múltiplos, essa discrepância é ainda mais grave. Observe como o múltiplo Preço/Lucros está abaixo da média dos últimos cinco anos:

Preço/Lucros. Fonte: Bloomberg

Ou seja, a companhia ficou melhor e ao mesmo tempo mais barata. Por que isso aconteceu? Justamente por causa das investigações!

Com esse problema fora do caminho por causa do Acordo de Leniência, HYPE3 agora tem o caminho livre para voltar a entregar retorno aos acionistas.

Outro ponto importante: depois de fazer a digestão das aquisições recentes, a Hypera vai vomitar caixa e voltar a ser uma vaca leiteira com potencial de pagar grandes quantias em dividendos daqui a alguns anos.

Não é à toa que ela está presente na série Double Income, focada em escolher os melhores ativos pagadores de rendimentos – ações que pagam dividendos, FIIs, Renda Fixa.

Se quiser conferir todos os ativos da série, deixo aqui o convite.

Um grande abraço e até a semana que vem!

Ruy

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies