Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-26T16:45:26-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Vídeos

O que é crédito de carbono? Saiba como investir no mercado da “commodity do futuro”

O segmento de crédito de carbono é um tema novo e cada vez mais atraente aos olhos dos investidores. A hora de entrar nesse mercado é agora. Quer saber como se posicionar da melhor forma? No vídeo de hoje, Matheus Spiess te conta tudo o que você precisa saber sobre o assunto.

26 de agosto de 2021
15:23 - atualizado às 16:45

O crédito de carbono é algo que vem chamando cada vez mais atenção dos  investidores. O analista Matheus Spiess da Empiricus explica sobre o ativo e como se posicionar da melhor forma nesse mercado. Confira os principais pontos do vídeo:

É importante explicar que o crédito de carbono é um case de Environmental, Social and Corporate Governance (ESG). As empresas que são ESG, são as que buscam adotar um comportamento de consciência coletiva em relação a questões sociais e ambientais.

Esse comportamento, cada vez mais, traz um valor intrínseco para aquela companhia. Recentemente, muitos estão de olho em empresas que adotam o ESG em seus métodos.

Mas o que é o crédito de carbono?

O crédito de carbono é na realidade um certificado digital, que comprova que 1 tonelada de CO2 não foi para atmosfera. É um bem intangível, perene, dolarizado, reconhecido internacionalmente e é totalmente digital.

Essa é uma maneira de compensar a grande quantidade de gás carbônico emitido pelo ser-humano.

Como funciona? A empresa que prevenir a emissão de uma tonelada de CO2 para a atmosfera recebe um certificado em forma de ativo. A certificação é feita por entidades internacionais respeitadas e com autoridade no assunto.

O certificado pode ser adquirido pela compensação da emissão do gás, ou pela prevenção do ato. Na primeira ocasião, a empresa compra o certificado para compensar sua emissão, enquanto na segunda o ativo é recebido pela prevenção.

Essa movimentação gera um fluxo de compra e venda dentro desse segmento e aumenta sua liquidez.

O crédito de carbono é um ativo digital reconhecido internacionalmente e não tem validade. Justamente por estas características, e por se comportar como um, que foi apelidado de “commodity do futuro”.

Como surgiu o Crédito de Carbono?

Foi criado em 1992 no Rio de Janeiro, durante a conferência ECO-92, com o objetivo de medir os impactos ambientais das empresas. Somente em 1997, no Protocolo de Kyoto, o Crédito de Carbono foi estabelecido como é conhecido até hoje.

Entretanto, o ativo enfrentou certa resistência durante crises como a do Euro, e voltou só agora a receber “flertes” dos grandes países. A hora de investir nesse ativo é a melhor possível.

O movimento de reaquecimento do mercado seguindo questões ambientais (ESG) está cada dia mais forte, e vem trazendo o crédito de carbono junto com elas.

Como se posicionar em Crédito de Carbono?

Antes o único órgão regularizador que podia negociar esse certificado era a ONU, essa iniciativa não deu certo. Atualmente, cada país é responsável por regularizar a venda desses ativos e regionalizar sua negociação.

Em países nórdicos como a Noruega, já é possível a compensação da emissão de CO2 de pessoas físicas. Exatamente, é possível compensar sua própria emissão de gás carbônico e receber o crédito por isso.

O Brasil é um exemplo de potencial gigante desse segmento, devido à nossa área enorme de floresta amazônica. Porém, atualmente os meios de posicionamento desse mercado ainda são um pouco limitados. Além de investir em empresas que possuem o Crédito de Carbono, é possível:

Comprar da MOSS

A empresa tolkienizou o crédito de carbono por meio do Blockchain. A MOSS vende esses ativos em forma de criptoativo e facilita o acesso para a pessoa física. Para a pessoa física que deseja comprar o ativo, basta entrar no site e fazer a compra do tolken.

Fundos de Investimentos

Também é possível investir por meio de fundos de investimentos. É necessário apenas que o investidor se certifique que o crédito de carbono esteja entre as estratégias daquele fundo. A dica do vídeo é que a Vitreo lançou recentemente um fundo de investimento totalmente focado nesse mercado, chamado Vitreo Carbono, que compra o ativo no mercado europeu.

De uma maneira ou outra, é interessante ficar de olho neste mercado que tanto se reinventa. O crédito de carbono é chamado de "commodity do futuro” por algumas razões.

Gostou do conteúdo? Convido você a baixar o SuperApp da Empiricus e acessar matérias, cursos e outros conteúdos gratuitos disponíveis na plataforma.

Download para IOS

Download para Android

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

Costurando uma saída

Não faz muito tempo que usei este mesmo espaço para lembrá-lo de como o mercado não gosta de incertezas e a falta de uma leitura clara sobre o futuro acaba prejudicando os negócios na B3. O dia de hoje veio para provar que, mesmo em meio às incertezas, ter uma noção mais clara do caminho que […]

carreira e diversidade

Magazine Luiza abre inscrições para 2º programa de trainees exclusivo para pessoas negras

Programa aceita candidatos formados entre dezembro de 2018 e dezembro de 2021, em qualquer curso superior; fluência em língua inglesa e experiência profissional não fazem parte dos pré-requisitos

pós-brumadinho

Vale (VALE3) muda alto escalão e tenta reforçar discurso ESG

Luciano Siani Pires, que desde 2012 ocupa posição de vice-presidente finanças e RI, assumirá a vice-presidência de estratégia e transformação de negócios, cargo criado em março pela mineradora

Troca de comando

Gustavo Raposo renuncia ao cargo de presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras (PETR4); sucessor já foi escolhido

Com a saída de Raposo, o conselho da empresa deverá deliberar sobre a nomeação do atual diretor de Serviços para o comando

atenção, acionista

Dividendos: WEG (WEGE3) paga R$ 86,8 milhões em juros sobre capital próprio

Valor líquido é de R$ 0,017 por ação; terão direito aos proventos acionistas na base em 24 de setembro, segundo a companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies