Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-12T15:51:40-03:00
Bruno Monteiro

Estamos em um novo ciclo de alta de commodities?

12 de abril de 2021
15:51

Por que está se falando tanto em commodities? Isso é o que Matheus Spiess te explica no vídeo de hoje.

Observando o histórico de ciclos de alta de commodities, presenciamos ciclos de altas de preços nas matérias primas. E estudos dizem que estamos na beira de um SUPERCICLO. Vamos ao passado:

  • Início de 1900: 2º Revolução Industrial e Primeira Guerra Mundial. Muita demanda geral elevação dos preços, afinal, matérias primas são limitadas;
  • Anos 40/50: Segunda Guerra Mundial e reconstrução do mundo;
  • Anos 70/80: choque do petróleo. O petróleo é a commoditie mais líquida do mundo, o que acontece com ele afeta as demais;
  • Anos 90/2000: industrialização da China, BRICS, crescimento sincronizado e principalmente a valorização das commodities tradicionais.

E o que vemos em comum em todas as situações? Destruição e reconstrução, que leva a grandes investimentos. Esse cenário nos leva a olhar atentamente o que está acontecendo no momento ao redor do mundo:

  1. Razão S&P GSCI/S&P: esse dado é usado para verificar descontos ou excesso prêmio das commodities em relação à outras empresas. Esse número está nas mínimas, desde o visto em 1970, ou seja, preços descontados, vale a pena investir;
  2. Covid jogou tudo para o chão. As commodities já estavam desvalorizadas e a covid piorou a situação por conta da quebra da cadeira de suprimentos. Esse cenário apresenta melhora em 2021;
  3. Normalização e retomada da economia por conta da vacinação, que já está adiantada em alguns países.

E quais são os gatilhos para o crescimento mundial e consequentemente para as altas commodities?

  1. Pacote de infraestrutura de Joe Biden no valor de 2,3 trilhões de dólares, além de já estarmos vindo de outros estímulos ficais anteriores, aumentando a perspectiva de crescimento que demanda muita matéria prima;
  2. Autoridades monetárias em países desenvolvidos com perfil de estímulos: taxa de juros baixa possibilita a tomada de crédito para investimentos para aumentar a produção;
  3. Similaridade com o que aconteceu nos anos 2000, o último grande ciclo.

Além de todo esse cenário, é importante observar os contornos específicos desse novo movimento. Diferente da conjuntura anterior, hoje temos o petróleo voltando para 60 dólares o barril e o minério de ferro flertando com patamares elevados. Apesar disso, existem outras commoditires alternativas que servirão de indicadores para a subida como um todo. Aqui entra o ESG, uma temática de sustentabilidade que possibilita um nova visão estrutural que não era viável antes, colocando em foco o alumínio, zinco, cobre e até mesmo o urânio (energia renovável).

Assista ao vídeo apresentado por Matheus Spiess:

É claro que como todo investimento, existem riscos. E aqui listamos as situações que podem acontecer e prejudicar este ciclo de alta:

  1. Aperto monetário chinês: durante o primeiro trimestre os investidores ficaram receosos diante de projeções mais conservadoras, que podem conter os estímulos monetários;
  2. Inflação global: o aumento de preço das commoditites acarreta a inflação de preços num geral. Com isso, as pessoas ficam receosas e as autoridades cortam os estímulos monetários. Apesar disso, o cenário parece otimista diante de discursos otimistas dos Bancos Centrais ao redor do mundo, gerando visibilidade de crescimento para os próximos anos;
  3. Janela de crescimento menor: caso o período de alta seja menor, não teremos um superciclo. De qualquer forma, o que vemos hoje é um desenho de fluxo de recursos para os próximos anos.

Por fim, é hora de pensar nas oportunidades. O ciclo de alta das commodities é positivo para o Brasil e para países emergentes como um todo, nos mostrando que o mundo está crescendo em sincronia. Por isso, invista em ações de empresas ligadas às commodities, fundos de exposição de commodities em si e ETFs, que embora tenhamos um mercado imaturo no Brasil, o exterior é uma grande oportunidade.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Ser conservador compensa

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 7,75%

Agora até a poupança ganha da inflação projetada. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom sobre a Selic

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado do Copom a respeito da Selic; a taxa básica de juros foi elevada ao patamar de 7,75% ao ano

CRYPTO NEWS

Sobrevivendo aos altos e baixos do bitcoin: veja sete ensinamentos para os ciclos de criptomoedas

Manter a saúde mental e financeira é um desafio para os investidores do mundo cripto, especialmente em meio ao bull market atual

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies