Menu
2021-05-18T20:11:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Renato Carvalho
Trocando de mãos

Ultrapar confirma a venda da Extrafarma para a Pague Menos; entenda o que muda para as companhias

A Ultrapar vendeu a Extrafarma para a Pague Menos, por R$ 700 milhões. Entenda os desdobramentos para cada uma das partes e a reação do mercado

18 de maio de 2021
12:50 - atualizado às 20:11
Pague Menos Extrafarma Ultrapar
Imagem: Shutterstock/Andrei Morais

ATUALIZADO ÀS 18h50: a Ultrapar confirmou oficialmente a venda da Extrafarma para a Pague Menos, por R$ 700 milhões

Uma notícia pegou o mercado de surpresa nesta terça-feira (18): a Ultrapar finalmente daria início ao seu programa de enxugamento do portfólio, vendendo a Extrafarma — um ativo particularmente problemático de sua carteira e amplamente contestado pelos acionistas da companhia. O comprador? A Pague Menos, numa transação de R$ 700 milhões.

Um final feliz para a Ultrapar, certo? Bem... não exatamente. As ações ON da empresa (UGPA3) até abriram em alta, mas rapidamente perderam força e, fecharam o dia em baixa de 1,18%, a R$ 20,16.

Por outro lado, os papéis ON da Pague Menos (PGMN3) disparam, terminando o pregão com ganhos de 9,59%, a R$ 11,77 — um novo recorde para os ativos, que estrearam na bolsa em agosto de 2020, a R$ 8,50.

O que aconteceu? Por que é que a tão cobiçada venda da Extrafarma tornou-se uma frustração para a Ultrapar?

Em primeiro lugar, vale destacar que a operação só foi confirmada pelas partes por volta de 18h40 — a Reuters contou a novidade em primeira mão ainda durante a manhã, mas as empresas passaram o dia dizendo apenas que estavam conversando.

Mas, mesmo sem o aperto de mãos oficial, o mercado começou a fazer contas e simular os impactos da venda da Extrafarma.

Ultrapar e Extrafarma: não deu match

A Ultrapar é mais conhecida por ser a controladora da rede de postos Ipiranga, mas seu portfólio tem outros ativos: a Ultragaz, empresa distribuidora de gás domiciliar; a Ultracargo, de armazenagem de produtos químicos; a Oxiteno, braço de indústrias químicas; e a rede de farmácias Extrafarma.

A princípio, a Ultrapar pretendia implantar as farmácias nos postos Ipiranga, gerando mais tráfego e recorrência à rede. Só que o plano nunca deu muito certo: o varejo de medicamentos é difícil, tem competição acirrada e margens comprimidas; além disso, faltava expertise ao grupo para administrar o negócio.

Tanto é que, apesar das mais de 400 lojas no país, a Extrafarma nunca teve uma relevância muito grande nos resultados da Ultrapar. Pelo contrário: não foram poucas as ocasiões em que o ativo representou um fardo a ser carregado.

"A Extrafarma é um caso de racionalização na alocação de capital após anos de queima de caixa e esforços fracassados para que o negócio se desenvolvesse de modo rentável", escreve o BTG Pactual, em relatório sobre o último Ultrapar Day, realizado na semana passada. "A Extrafarma deve manter uma estratégia mais seletiva em relação à abertura de novas lojas, focando na digitalização"

No primeiro trimestre de 2021, por exemplo, a Extrafarma teve um Ebitda — o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — de apenas R$ 12 milhões, representando apenas 1,2% do Ebitda de R$ 996 milhões reportado pela Ultrapar como um todo.

E olha que o resultado dos primeiros três meses de 2021 nem foi dos piores: num passado não muito distante, a Extrafarma tinha Ebitda negativo.

Ebitda Extrafarma Ultrapar

Dito isso, por que a venda de um ativo tão problemático não agradou o mercado? A chave da questão está no preço: os R$ 700 milhões — R$ 600 milhões mais R$ 100 milhões em dívidas — foram considerados quase uma pechincha.

"O valor é ruim, mas para um ativo que até pouco tempo estava com Ebitda negativo, não dá para reclamar muito…", disse um gestor de fundos de uma casa de investimentos em São Paulo. E ele diz mais:

Acho que o único ponto marginalmente positivo é que finalmente o pessoal da Ultrapar conseguiu se livrar dessa porcaria

Pague Menos e Extrafarma: união feliz

Mas o que é lixo para uns pode muito bem ser luxo para outros — e, para a Pague Menos, faz todo o sentido do mundo ter a Extrafarma no portfólio.

No primeiro trimestre de 2021, a Pague Menos reportou alta de 380% no lucro líquido e crescimento de 27% no Ebitda; as vendas por loja por mês subiram mais de 10%, com ticket médio avançando 23%.

E, ainda mais importante: os resultados foram obtidos com um número menor de funcionários nos quadros, Ou seja, a companhia conseguiu rentabilizar mais o negócio.

Mas nem só de pontos positivos foi feito o balanço da Pague Menos. A participação de mercado em nível nacional ficou em 5,2% entre janeiro e março deste ano, uma baixa de 0,5 ponto percentual (p.p.) na comparação com o mesmo período de 2021.

As regiões Norte e Nordeste tiveram baixas de 2 p.p. e 1,4 p.p., respectivamente — ao mesmo tempo, farmácias independentes aumentaram seu market share no Nordeste em 2,3 pontos, dado o aumento de consumo nos bairros periféricos em meio à pandemia.

A compra dialoga exatamente com essa fraqueza na participação de mercado: a Extrafarma está presente no Amapá, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Sergipe e Tocantins — o único estado fora do eixo Norte-Nordeste é São Paulo, com 45 das 402 unidades.

Com a incorporação das lojas, a rede da Pague Menos passará a ter mais de 1.500 unidades — um crescimento de cerca de 40% em relação aos números de hoje.

Fachada de loja da Pague Menos em Salvador
Fachada de loja da Pague Menos em Salvador

Outro ponto importante é o valor da operação em si: conforme dito pelo gestor citado acima, os R$ 700 milhões a serem pagos pela Extrafarma representam um preço bastante descontado, por mais que o ativo não seja interessante para a Ultrapar.

E mesmo em relação às métricas de caixa e endividamento, a compra da Extrafarma não traz grandes preocupações à Pague Menos. Ao fim do primeiro trimestre de 2021, a companhia tinha dívida líquida R$ 351,1 milhões, enquanto o caixa e equivalentes somavam R$ 478,2 milhões.

Dos R$ 700 milhões da transação, 50% serão pagos no fechamento; o restante será pago em dois anos, em parcelas iguais — um desenho que não traz grande estresse ao caixa e ao cronograma de vencimentos da Pague Menos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Exile on Wall Street

O que esperar dos IPOs na bolsa brasileira? Basta ver os jornais dos EUA

Era o final dos anos 1980, mas ele pode ver o jornal de 22 de outubro de 2015. Na capa do periódico, seu filho estava sendo preso por roubo. Não havia alternativa senão entrar mais uma vez no DeLorean e viajar para o futuro, de modo a evitar a prisão de Martin McFly Júnior. O […]

Mercado de quatro patas

Poder felino: Petz compra Cansei de Ser Gato e avança na produção de conteúdo digital

A Petz entrou no segmento de conteúdo digital ao adquirir a Cansei de Ser Gato, marca voltada aos felinos e que tem forte presença nas redes

Atenção acionista

Rede D’or anuncia pagamento de R$ 156,2 milhões de juros sobre capital próprio

O pagamento do valor anunciado será destinado aos acionistas que detiverem as ações da Rede D’or no próximo dia 24 de junho

Fome para crescer

Em mais uma aquisição, Magazine Luiza se fortalece em food services com a Plus Delivery

Segundo a varejista, plataforma de entrega de comida tem cerca de 1.500 restaurantes parceiros e atende mais de 250 mil clientes por mês

mercados hoje

Bolsa firma queda e perde os 128 mil pontos, à espera de fala de Powell; dólar tem leve alta

Mesmo com uma queda acentuada do petróleo nesta manhã, o setor vê a commodity nos maiores níveis desde o início da pandemia, com a retomada das atividades

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies