Menu
2021-05-05T07:50:42-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
NÃO É PARA AMADORES

Ibovespa tem espaço para recuperação em dia de Copom, se local deixar

Reforma tributária volta à estaca zero e Centrão aumenta poder de barganha sobre o Planalto; CPI da pandemia continua com depoimento de Teich

5 de maio de 2021
7:50
Montanha-russa
Imagem: Shutterstock

A quarta-feira começa com espaço de sobra para uma recuperação dos principais índices de ações pelo mundo depois de um dia ruim para os ativos de risco na véspera. As bolsas de valores europeias operam em alta robusta na esteira de bons resultados corporativos e os índices futuros de Wall Street sinalizam abertura no azul, o que tende a beneficiar os primeiros movimentos do Ibovespa hoje.

Na véspera, bastou a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, admitir durante uma entrevista que “pode ser que as taxas de juro tenham que subir um pouco para assegurar que a economia norte-americana não superaqueça” para muita gente interpretar o “pode ser, contudo, quem sabe” como uma iminente ação do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) nas taxas de juro dos EUA.

Até que ficasse claro se tratar de um comentário sobre uma hipótese, o clima azedou nos mercados financeiros como um todo. Com isso, o principal índice da bolsa brasileira fechou em queda de 1,26%, voltando à faixa dos 117 mil pontos, enquanto o dólar avançou 0,22%, aos R$ 5,4307. A aversão ao risco beneficiou os títulos da dívida norte-americana nos mercados secundários, cujas taxas ontem caíram abaixo do nível psicológico de 1,60%, mas que hoje se recompõem.

Para hoje, com a fala de Yellen fora de cena, há espaço para uma recuperação do Ibovespa – se os riscos locais deixarem, como veremos mais adiante. Lembrando que estão previstas para hoje nos EUA as divulgações do relatório ADP sobre o emprego no setor privado norte-americano e do índice dos gerentes de compra do setor de serviços.

Decisão do Copom sai depois do fechamento

Em relação às taxas de câmbio e de juro, ainda que alguma correção possa entrar no cardápio, esses mercados devem andar de lado à espera da decisão de juro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), prevista para depois do fechamento da sessão de hoje.

Como o mercado já contratou uma alta 75 pontos-base da taxa Selic na reunião desta semana, de 2,75% para 3,50% ao ano, as atenções dos investidores estão voltadas para as sinalizações sobre os passos da autoridade monetária no comunicado sobre a decisão. O fato é que o aperto monetário deverá ser diluído ao longo do ano. Resta conhecer a dosagem do remédio.

Reforma tributária volta à estaca zero

Quanto ao Ibovespa, apesar dos bons ventos vindos de fora, o Brasil vai confirmando dia sim e outro também a fama de não ser lugar para amadores.

O fim da novela sobre o Orçamento, no fim do mês passado, abriu espaço para o andamento de reformas econômicas prometidas desde o início do governo Jair Bolsonaro e exigidas pelos agentes do mercado financeiro. Ontem, a expectativa era de que houvesse algum avanço da reforma tributária. O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator da proposta, até apresentou seu parecer. Logo em seguida, porém, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) declarou extinta a comissão mista que analisava a proposta, invalidando o relatório de Ribeiro.

Ainda que faça parte da estratégia do governo para fatiar a reforma e tentar de algum modo facilitar a aprovação, a ação se encaixa melhor nos objetivos de Centrão, uma vez que, além de relançar a reforma de volta à estaca zero, tende a aumentar o poder de barganha deste singelo grupo de partidos fisiológicos sobre o Palácio do Planalto.

Teich depõe perante CPI da pandemia

Não bastasse isso, a CPI da pandemia seguirá adiante hoje com o depoimento do ex-ministro da Saúde Nelson Teich. Ele deveria ter comparecido ontem à CPI, mas o depoimento de seu antecessor, Luiz Henrique Mandetta, foi tão longo quanto constrangedor para o governo federal em um dia no qual o número de mortos pela pandemia passou de 410 mil.

Mais constrangedor, porém, foi o pretexto buscado por outro ex-ministro, Eduardo Pazuello, na tentativa de não depor presencialmente: apenas alguns dias depois de ser flagrado passeando sem máscara por um shopping de Manaus, ele alegou ter entrado em contato recente com pessoas que testaram positivo para coronavírus. E segue o show de horror.

Balanços e indicadores

No mundo dos balanços corporativos, o Bradesco voltou a superar o concorrente Itaú e apresentou lucro de R$ 6,5 bilhões no primeiro trimestre deste ano.

Entre os resultados trimestrais previstos para hoje na B3, destacam-se Braskem, Copel, Engie, Gerdau, Pão de Açúcar, Taese, TIM, Totvs e Ultrapar.

Atenção também para os dados oficiais do IBGE para a produção industrial brasileira em março.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies