Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-05-18T14:57:41-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DOS MERCADOS

Temor de aumento de juros nos EUA impacta os negócios e bolsa fecha em queda; dólar sobe

O índice brasileiro se espelhou em Nova York e cedou. Lá fora, a Janet Yellen patrocinou a rodada de cautela, enquanto por aqui a CPI da Covid e a tensão pré-Copom falaram mais alto

4 de maio de 2021
18:41 - atualizado às 14:57
Selic renda fixa
Imagem: Shutterstock

"Os juros devem subir para evitar um superaquecimento da economia americana". Esse tem sido um mantra amplamente repetido no mercado nos últimos meses e que tem levado os retornos dos títulos dos Treasuries a dispararem, minando recursos da bolsa de valores e dos mercados emergentes. 

O Federal Reserve, como bom bombeiro, vem tentando apagar esse incêndio. Dirigentes atrás de dirigentes buscam confirmar que a inflação deve ser passageira e que o cenário ainda pede por todas as ferramentas que o BC americano pode aplicar no momento. Ou seja: nada de corte na compra de ativos ou aumento na taxa de juros. 

O poder de convencimento do Fed depende muito do dia. Em alguns, o mercado compra a ideia numa boa. Em outros, é um pouco mais difícil de engolir o discurso e hoje é um deles. 

Mais cedo, o presidente do Federal Reserve (o Banco Central americano), Jerome Powell, afirmou que está otimista com a retomada da economia americana, mas indicou que o país "ainda não está fora de perigo". No meio da tarde, no entanto, quem afirmou que os juros devem subir para evitar um superaquecimento da economia americana não foram analistas e economistas do mercado e sim a secretária do Tesouro americano, Janet Yellen. 

Como bem pontuou Bruno Madruga, head de renda variável da Monte Bravo Investimentos, uma coisa são as dúvidas que pairam nos mercados, outra é alguém tão importante quanto a secretária do Tesouro afirmando que essa é de fato uma possibilidade. "Deixa de ser uma situação duvidosa e vem como uma confirmação". 

A fala foi a água no chope dos mercados internacionais, que já operavam no vermelho desde o começo do dia. Para Rafael Passos, sócio da Ajax Capital, essa acomodação do cenário internacional já era esperada, tendo em vista que ao longo das últimas semanas as bolsas americanas renovaram os seus topos históricos. O S&P 500 fechou o dia em queda de 0,67% e o Nasdaq recuou 1,88%. Já o Dow Jones fechou em leve alta de 0,06%. 

O peso de Nova York atingiu os negócios brasileiros, que também reagiam aos seus próprios fantasmas. Por aqui, é véspera de Copom, e a CPI da Covid começa a ouvir os seus primeiros personagens. Algumas falas do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a questão fiscal, também não pegaram nada bem.

O resultado foi um recuo de 1,26% do Ibovespa, aos 117.712 pontos. O dólar à vista teve um dia de alta volatilidade, oscilando de uma máxima de 1,20% a uma queda de 0,10%. No final, a cotação acompanhou a alta internacional, subindo 0,22%, a R$ 5,4307. 

O aumento da cautela no mercado internacional já seria razão suficiente para a pressão sobre os juros. Mesmo que um aumento de 0,75 p.p. já esteja contratado, a cautela dos investidores fica por conta do comunicado que deve dar dicas sobre o futuro da taxa básica de juros. Os juros futuros exibiram uma tendência de alta em todos os vencimentos. Confira:

  • Janeiro/2022: de 4,73% para 4,79%
  • Janeiro/2023: de 6,28% para 6,54%
  • Janeiro/2025: de 7,86% para 8,04%
  • Janeiro/2027: de 8,50% para 8,66%

Sem vida fácil

O noticiário doméstico, assim como o externo, não trouxe alívio aos negócios hoje. Primeiro, foram os depoimentos dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Neison Teich. A CPI da Covid, que ficou escanteada na semana passada, começa a ser a principal fonte dos ruídos políticos vindos de Brasília. 

O início da reunião do Copom também aumentou a cautela dos mercados. Apesar de o Banco Central já ter informado que irá elevar a taxa básica de juros para 3,50%, os investidores só devem dormir tranquilos após a divulgação do resultado na quarta-feira (5). As atenções ficam voltadas para o tom que deve ser adotado pelo BC em seu comunicado e se a “normalização” da Selic continuará sendo descrita como parcial. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participou de audiência pública virtual na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara hoje. Os comentários de Guedes sobre a questão fiscal e o futuro do câmbio trouxeram algum desconforto. 

Já a reforma tributária teve o seu parecer apresentado na Casa hoje. Madruga, da Monte Bravo Investimentos, e Passos, da Ajax Capital, acreditam que esse ainda é um relatório muito cru e que deve ser discutido nos próximos meses. 

Maiores altas

A temporada de balanços segue sendo o grande gatilho de movimentação na bolsa brasileira. Hoje, a ponta da tabela ficou com a PetroRio, mesmo apresentando prejuízo no primeiro trimestre, mas os números ficaram acima do esperado do mercado. 

O desempenho das ações da Vale também ajudaram o Ibovespa a segurar o recuo. Confira:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
PRIO3PetroRio ONR$ 95,263,70%
FLRY3Fleury ONR$ 25,732,55%
JBSS3JBS ONR$ 30,462,42%
QUAL3Qualicorp ONR$ 27,602,41%
MRFG3Marfrig ONR$ 19,292,23%

Maiores baixas

Entre os balanços corporativos, o Itaú Unibanco (ITUB4) superou as expectativas mais otimistas e lucrou R$ 6,4 bilhões no primeiro trimestre deste ano, mas o setor bancário, que vinha sendo um destaque positivo nos últimos dias, acabou pendendo para a realização de lucros. 

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BIDI11Banco Inter unitR$ 214,00-7,69%
LWSA3Locaweb ONR$ 26,61-5,13%
ELET6Eletrobras PNBR$ 35,38-4,58%
ITUB4Itaú Unibanco PNR$ 26,71-4,27%
ELET3Eletrobras ONR$ 35,24-4,24%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

FECHAMENTO DO DIA

Auxílio Brasil segue pressionando a curva de juros, mas Ibovespa e dólar conseguem alguma recuperação

O Ibovespa bateu na trave e o Banco Central conseguiu segurar o câmbio, mas a pressão sobre as contas públicas segue castigando a curva de juros

Carros elétricos em alta

Para a Tesla (TSLA34) de Elon Musk, não há crise no setor automotivo: o terceiro trimestre teve lucro recorde

A Tesla (TSLA34) vai na contramão do restante do setor: a empresa de Elon Musk está vendendo mais carros e reportou um balanço forte no 3T21

AULA DE GIGANTES

De Round 6 a Mano Brown e Luiza Trajano, aprenda 5 ensinamentos para multiplicar seu patrimônio

Referências do mercado financeiro podem trazer insights relevantes para os investidores; confira algumas que o ‘Seu Dinheiro’ listou

Contornando o teto

Economistas veem ‘contabilidade criativa’ em negociação do Auxílio Brasil

Parte do benefício, com parcelas de R$ 400, deve ficar de fora da regra que comanda o avanço das despesas públicas brasileiras

De onde virá o dinheiro?

Governo confirma Auxílio Brasil em R$ 400, mas sem revelar de onde vai tirar o dinheiro para bancar o benefício

O ministro da Cidadania não respondeu às perguntas da imprensa nem confirmou a fonte de recursos para o novo programa social, o que é a grande preocupação dos mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies