Menu
2021-02-18T13:09:37-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Semana quente

Gigantes no ringue: o que esperar dos balanços de Vale, Petrobras, Bradesco e Santander

Temporada de balanços vai esquentar definitivamente a partir desta terça-feira, com a divulgação dos resultados do segundo trimestre de vários pesos-pesados da bolsa

28 de julho de 2020
5:40 - atualizado às 13:09
Mercados juros bolsa coronavírus
Imagem: Shutterstock

A temporada de balanços do segundo trimestre das empresas abertas brasileiras começou na semana passada. Mas vai esquentar definitivamente a partir desta terça-feira, com a divulgação dos resultados de vários pesos-pesados da bolsa, incluindo Petrobras, Vale, Ambev, Bradesco e Santander Brasil.

Não espere milagres: os números do segundo trimestre da maioria das empresas virão ruins, muito ruins. Afinal, trata-se do período em que a economia praticamente parou diante das medidas de isolamento social para conter o avanço da pandemia do coronavírus.

O tamanho do impacto vai depender, é claro, da exposição de cada empresa e setor. Por isso é importante acompanhar também as projeções que as empresas e bancos farão para o desempenho no resto do ano. Saiba em mais detalhes o que esperar para os resultados:

Santander e Bradesco

Os grandes bancos tiveram um raro trimestre de queda nos lucros no primeiro trimestre deste ano. A exceção foi o Santander.

Ao contrário dos principais concorrentes, a unidade brasileira do banco espanhol registrou aumento de 10,5% no resultado em relação aos três primeiros meses do ano passado, para R$ 3,853 bilhões.

A discrepância ocorreu porque o Santander decidiu não fazer provisões para um provável aumento da inadimplência em razão da forte retração da economia esperada com os impactos do coronavírus.

Com isso, o banco alcançou a inédita condição de mais rentável entre os gigantes do varejo financeiro brasileiro. Mas essa liderança só deve durar um trimestre.

A expectativa dos analistas é que a conta do coronavírus apareça nos números que serão divulgados nesta quarta-feira, antes da abertura da bolsa.

Apesar da forte queda esperada para o lucro, de acordo com as projeções compiladas pela Bloomberg, o mercado pode reagir bem aos números dependendo da trajetória tanto da inadimplência como do crescimento da carteira de crédito.

Do lado do Bradesco, a expectativa também é de lucro menor, mas como o banco fez provisões extras para o efeito coronavírus no primeiro trimestre, a maior parte do ajuste já está na conta dos analistas.

Os números que serão divulgados na quinta-feira bem cedo só devem surpreender, portanto, se os números trouxerem um novo aumento nas despesas para perdas no crédito.

O Bradesco também surgiu no noticiário com rumores sobre uma possível aquisição de uma participação no C6 Bank, banco digital criado por ex-sócios do BTG Pactual.

É importante ficar de olho porque os bancões costumam anunciar aquisições em momentos de crise. Foi assim com o próprio Bradesco, quando anunciou a compra do HSBC Brasil, em meio à recessão da economia em 2015.

Projeção para os resultados:

Santander:

  • Lucro líquido: R$ 2,125 bilhões (↓ 39,5%)
  • Retorno sobre o patrimônio líquido: 11,8%

Bradesco:

  • Lucro líquido: R$ 3,997 bilhões (↓ 34,2%)
  • Retorno sobre o patrimônio líquido: 12,5%

Vale

Uma das poucas empresas que vêm se destacando em meio aos estragos provocados pelo coronavírus é a Vale. No ano, as ações da mineradora acumulam valorização de 15%, contra uma queda de quase 10% do Ibovespa no período.

O desempenho é justificado em parte pelas medidas de estímulo adotadas pelos governos para conter os efeitos do coronavírus na economia, principalmente na China, grande consumidor do minério produzido pela Vale.

Não que a empresa não seja afetada pela covid-19. Os impactos acontecem principalmente na produção em consequência das medidas de isolamento e quarentena.

A empresa já divulgou os dados de produção de minério no segundo trimestre, com alta de 5,5% na comparação anual, mas abaixo do consenso do mercado. Mesmo com os efeitos da pandemia, a Vale manteve a projeção de produção para este ano entre 310 e 330 milhões de toneladas. O balanço da empresa sai na quarta-feira, após o fechamento da bolsa.

Além da pandemia, a mineradora ainda lida com as consequências da tragédia do rompimento da barragem de Brumadinho. Com o aumento da importância dos temas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês), a empresa tem um longo caminho a percorrer até reconquistar a confiança dos investidores.

Projeção para os resultados:

  • Lucro líquido: R$ 7,798 bilhões (ante prejuízo de R$ 384 milhões no 2ºtri19)
  • Ebitda: R$ 19,292 bilhões (↑ 57,9%)
  • Receita líquida: R$ 40,316 bilhões (↑ 11,97%)

Petrobras

Se a maior parte das empresas precisou lidar, em maior ou menor grau, com os efeitos da pandemia do coronavírus nos negócios, a Petrobras ainda enfrentou uma “crise dentro da crise”.

No auge do pânico dos mercados, os principais países produtores de petróleo se desentenderam quanto ao rumo da produção, o que levou um colapso nos preços no mercado.

Essa briga afetou diretamente o resultado da Petrobras no primeiro trimestre, que apresentou um prejuízo de R$ 48,5 bilhões graças a uma baixa contábil bilionária provocada pela queda das cotações internacionais de seu principal produto.

Os preços do petróleo recuperaram uma parte das perdas de março e abril, mas a expectativa dos analistas para os resultados da Petrobras ainda é de prejuízo, de acordo com os dados da Bloomberg.

Assim como a Vale, a estatal também divulgou seus dados de produção no segundo trimestre, com uma queda de 3,5% na produção de óleo e gás natural no Brasil em comparação ao trimestre anterior. A Petrobras publica o balanço na quinta-feira, após o fechamento dos mercados.

Projeção para os resultados:

  • Prejuízo líquido: R$ 5,473 bilhões (ante lucro de R$ 5,157 bilhões no 2ºtri19)
  • Ebitda: R$ 17,988 bilhões (↑ 11,3%)
  • Receita líquida: R$ 55,610 bilhões (↑ 1,53%)

Confira o calendário das demais empresas do Ibovespa que divulgam resultados até o fim desta semana:

Terça-feira - 28/7

  • Cielo (CIEL3) - após o fechamento
  • Minerva (BEEF3) - após o fechamento
  • Smiles (SMLS3) - após o fechamento
  • CSN (CSNA3) - n/d

Quarta-feira - 29/7

  • Localiza (RENT3) - após o fechamento
  • Pão de Açúcar (PCAR3) - após o fechamento
  • EcoRodovias (ECOR3) - após o fechamento
  • Vale (VALE3) - após o fechamento
  • Santander Brasil (SANB11) - antes da abertura
  • TIM (TIMP3) - após o fechamento

Quinta-feira - 30/7

  • Ambev (ABEV3) - antes da abertura
  • Bradesco (BBDC4) - antes da abertura
  • Engie (EGIE3) - após o fechamento
  • Fleury (FLRY3) - após o fechamento
  • Petrobras (PETR4) - após o fechamento
  • Usiminas (USIM5) - antes da abertura

Sexta-feira - 31/7

  • Gol (GOLL4) - antes da abertura

*Colaborou Kaype Abreu

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies