🔴 AGORA O SEU DINHEIRO ESTÁ NO WHATSAPP! CLIQUE AQUI E RECEBA CONTEÚDOS DIRETO POR LÁ. 

Cotações por TradingView
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
BALANÇO PODEROSO

Petrobras (PETR4) lucra R$ 54,3 bilhões no segundo trimestre e supera projeções dos analistas; ADR sobe 6% em NY

A receita líquida e o Ebitda da Petrobras (PETR4) no segundo trimestre também ficaram acima das estimativas do mercado

Victor Aguiar
Victor Aguiar
28 de julho de 2022
20:03 - atualizado às 11:29
Foto da fachada do prédio da Petrobras (PETR3 e PETR4) na avenida Paulista, em São Paulo. A estatal decide o valor da gasolina vendida às distribuidoras e pode ser uma boa alternativa para quem investe de olho em dividendos e proventos
Imagem: Shutterstock

Os dias têm sido particularmente cheios para os acionistas da Petrobras (PETR4): de novidades ligadas à governança corporativa ao super dividendo de R$ 87 bilhões, o noticiário envolvendo a estatal está agitado — e mais um elemento acaba de entrar em jogo. É que a companhia acaba de reportar um lucro líquido de R$ 54,3 bi no segundo trimestre, uma alta de 26,8% em um ano.

A cifra ficou 32% acima das expectativas do mercado: a média das projeções compiladas pelo Seu Dinheiro com cinco grandes bancos e corretoras apontava para ganhos de cerca de R$ 41,2 bilhões. E as boas/más notícias não param por aí.

A receita líquida da estatal chegou a R$ 170,96 bilhões entre abril e junho deste ano, saltando 54,4% em relação ao mesmo período de 2021; já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado cresceu 58,6% na mesma base, a R$ 98,26 bilhões — ambos superaram as expectativas do mercado.

A Petrobras foi ajudada por uma série de fatores ao longo do trimestre, com destaque para a valorização do dólar: como a maior parte de suas vendas ocorre no exterior, o fortalecimento da moeda americana implica num crescimento da receita líquida em reais.

O efeito cambial compensou parte da queda do petróleo: após atingir as máximas no primeiro trimestre, em meio à guerra da Ucrânia, a commodity passou por um movimento de baixa em suas cotações ao longo dos últimos meses. Ainda assim, vale lembrar que o barril segue perto dos US$ 100, um patamar de preço bastante atrativo para o setor de óleo e gás.

E, considerando os resultados financeiros da companhia — e os dividendos anunciados mais cedo —, a reação inicial do mercado financeiro tem sido positiva: no after market de Nova York, os ADRs da Petrobras (PBR) subiam 6,20% por volta das 20h (horário de Brasília), a US$ 14,22 no que pode ser uma prévia do que irá acontecer amanhã na B3 com as ações PETR4 e PETR3.

Petrobras (PETR4): gerando caixa e reduzindo dívida

Mesmo o lucro recorrente da Petrobras (PETR4), que exclui itens especiais da conta, foi bastante expressivo: R$ 45 bilhões, alta de 10,1% em um ano — até mesmo essa cifra ajustada superou a média das estimativas para o lucro feitas pelos grandes bancos.

E, ainda no lado financeiro do balanço, há dois outros pontos que chamam a atenção. Em primeiro lugar, o fluxo de caixa operacional — uma métrica do quanto de dinheiro as operações em si estão gerando — ficou positivo em R$ 71,8 bilhões, aumentando 26,9% em um ano.

Em segundo lugar, há as métricas de endividamento, que continuam em queda. A dívida bruta da Petrobras, que era de cerca de US$ 58,5 bilhões ao fim de março, recuou para US$ 53,6 bilhões em junho; a dívida líquida caiu de US$ 40 bilhões para US$ 34,4 bilhões.

Com a dívida líquida em baixa e o Ebitda em alta, as métricas de alavancagem da Petrobras também tiveram um alívio adicional, atingindo 0,60 vez ao fim do segundo trimestre; em março deste ano, estavam em 0,81 vez e, em junho de 2021, eram de 1,49 vez.

Vale lembrar que a redução do endividamento é uma das metas de médio e longo prazo da Petrobras: seja pela geração de caixa ou pela venda de ativos, a estatal tem conseguido reduzir substancialmente o seu volume de compromissos financeiros.

Além disso, também é importante ressaltar que a política de distribuição de proventos da Petrobras depende do nível da dívida bruta: a empresa precisa ter compromissos inferiores a US$ 65 bilhões para pagar dividendos, o que se verifica — nesse caso, a remuneração pode chegar a 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos.

Custos e despesas sob controle

Mas se é verdade que a receita líquida da Petrobras (PETR4) no trimestre cresceu de maneira robusta, pegando carona no petróleo ainda caro e no dólar forte, também é verdade que a expansão controlada das linhas de custos e despesas tiveram um papel importante no lucro de R$ 54 bilhões apurado no período.

Os custos com os produtos vendidos, por exemplo, somaram R$ 75,1 bilhões, aumentando 39,8% em um ano — uma alta relevante, mas que ocorreu num ritmo inferior ao salto de 54% visto na receita líquida.

E, no lado das despesas operacionais, surpresa: a Petrobras fechou o trimestre com um saldo positivo de R$ 627 milhões — há um ano, a linha foi negativa em R$ 10,1 bilhões. Mas como essa situação é possível?

Bem, tudo se deve a um efeito extraordinário visto no segundo trimestre de 2022, com a Petrobras reconhecendo receitas operacionais de R$ 10,9 bilhões, fruto de um ganho de capital de R$ 14,2 bilhões referente aos acordos de coparticipação nos campos de Sépia e Atapu.

Eis, portanto, um dos itens especiais que são desconsiderados no lucro recorrente.

E&P da Petrobras (PETR4): receita em alta, mas custos também

Analisando os resultados isolados da unidade de exploração e produção (E&P) da Petrobras (PETR4), destaque para o crescimento de 51,2% na receita líquida na base anual, para R$ 108 bilhões; o lucro operacional dessa divisão foi de R$ 80,4 bilhões, e o lucro líquido, de R$ 53,3 bilhões.

O bom desempenho se deve, em grande parte, à valorização do petróleo: o barril do Brent, em média, esteve cotado a US$ 113,78 ao longo do trimestre, cifra 65,3% maior em relação ao preço visto há um ano; em relação aos primeiros três meses do ano, a commodity esteve 12,2% mais cara.

Com o ambiente favorável no lado das vendas, tanto em preço quanto em volume, a área de exploração e produção pode até mesmo lidar com os custos mais caros — a inflação generalizada também afeta as atividades da estatal.

O custo de exploração de petróleo na área do pré-sal, sem afretamento — a especialidade da Petrobras e modalidade em que ela tem uma grande eficiência — ficou em US$ 3,31 por barril equivalente, alta de 31,3% em um ano e de 1,8% em relação ao trimestre anterior.

Compartilhe

MAQUININHA DE LUCRO

PagSeguro (PAGS34) dispara após balanço e puxa ações da Cielo (CIEL3); veja os números do resultado do 2T22

25 de agosto de 2022 - 17:28

A lucro da PagSeguro aumentou 35% na comparação com o mesmo período do ano passado e atingiu R$ 367 milhões

FIM DE TEMPORADA

Nos balanços do segundo trimestre, uma tendência para a bolsa: as receitas cresceram, mas os custos, também

19 de agosto de 2022 - 16:18

Safra de resultados financeiros sofreu efeitos do aumento da Selic, mas sensação é de que o pior já passou

Investidores gostaram

Nubank (NU; NUBR33) chega a subir 20% após balanço, mas visão dos analistas é mista e inadimplência preocupa

16 de agosto de 2022 - 12:03

Investidores gostaram de resultados operacionais, mas analistas seguem atentos ao crescimento da inadimplência; Itaú BBA acha que banco digital pode ter subestimado o risco do crédito pessoal

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, o que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

Holding lucrou R$ 3 bilhões no segundo trimestre e vai distribuir juros sobre capital próprio no fim de agosto

Resultados

Nubank (NUBR33) tem prejuízo acima do esperado no 2º tri, e inadimplência continuou a se deteriorar; veja os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 18:42

Prejuízo líquido chegou a quase US$ 30 milhões, ante uma expectativa de US$ 10 milhões; inadimplência veio dentro do esperado, segundo o banco

Bife suculento

Marfrig (MRFG3) anuncia R$ 500 milhões em dividendos e programa de recompra de 31 milhões de ações; veja quem tem direito aos proventos e os destaques do balanço

12 de agosto de 2022 - 13:15

Mercado reage positivamente aos números da companhia nesta sexta (12); dividendos serão pagos em setembro

Balanço

Oi (OIBR3) sai de lucro para prejuízo no 2T22, mas dívida líquida desaba

12 de agosto de 2022 - 6:45

Oi reportou prejuízo líquido de R$ 320,8 milhões entre abril de junho, vinda de um lucro de R$ 1,09 bilhão no mesmo período do ano anterior

Balanço do 2º tri

Cenário difícil para os ativos de risco pesa sobre o balanço da B3 no 2º trimestre; confira os principais números da operadora da bolsa

11 de agosto de 2022 - 19:56

Companhia viu queda nos volumes negociados e também nas principais linhas do balanço, tanto na comparação anual quanto em relação ao trimestre anterior

BALANÇO

Apelo de Luiza Trajano não foi à toa: Magazine Luiza tem prejuízo de R$ 135 milhões no 2T22 — veja o que afetou o Magalu

11 de agosto de 2022 - 19:26

O Magalu conseguiu reduzir as perdas na comparação com o primeiro trimestre de 2022, mas em relação ao mesmo período de 2021, acabou deixando o lucro para trás

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies