Menu
2020-04-30T09:30:15-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanço

Lucro do Bradesco cai 39,8% no 1º trimestre com provisão bilionária para efeito coronavírus

O resultado recorrente do banco nos primeiros três meses do ano foi de R$ 3,753 bilhões, o que representa uma rentabilidade sobre o patrimônio de apenas 11,7%

30 de abril de 2020
6:39 - atualizado às 9:30
Banco Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / André Dusek

Uma provisão de R$ 2,7 bilhões feita para absorver perdas com o aumento da inadimplência esperado com a crise do coronavírus levou o Bradesco a registrar uma rara queda no lucro no primeiro trimestre deste ano.

O resultado recorrente do banco nos primeiros três meses de 2020 foi de R$ 3,753 bilhões, o que representa uma queda de 39,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

O resultado ficou bem abaixo das projeções dos analistas, cuja média apontava para um lucro de R$ 6,069 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg. Esses números, claro, não consideravam eventuais provisões que o banco poderia fazer.

O lucro menor derrubou a rentabilidade do Bradesco para 11,7% no primeiro trimestre. O índice ficou bem abaixo dos 20,5% do mesmo período do ano passado e também do apresentado pelo Santander, que optou por não fazer provisões adicionais e registrou uma rentabilidade de 22,3%.

O Bradesco informou que decidiu reforçar as provisões em consequência do cenário econômico adverso que poderá resultar no aumento do nível de inadimplência, como reflexo da falência de empresas, aumento no índice de desemprego, bem como a degradação do valor das garantias.

No total, o banco possui uma provisão complementar para cenário econômico adverso de R$ 5,1 bilhões.

Margem pressionada

Vale dizer, porém, que o resultado mais fraco do Bradesco não é fruto apenas das provisões extras feitas no trimestre.

A margem financeira do banco teve alta de apenas 2,9% em relação ao primeiro trimestre do ano passado e somou R$ 14,5 bilhões.

O desempenho mais fraco da margem foi provocado pela queda de 27,8% nas receitas da tesouraria do banco. A margem com clientes, que inclui as receitas com os financiamentos menos os custos de captação, aumentou 8,4%.

Crédito avança (calotes também)

Assim como o Santander, o Bradesco registrou um forte aumento na demanda por crédito logo no início da crise do coronavírus.

Como resultado, a carteira do banco registrou um crescimento de 17% em relação a março do ano passado e de 5,1% no trimestre, para R$ 655,1 bilhões.

O aumento ocorreu tanto nas linhas para pessoas físicas como jurídicas, mas foi mais forte entre as empresas nos primeiros três meses deste ano, com alta de 6,6%.

O índice de inadimplência acima de 90 dias na carteira do Bradesco já mostrou uma piora e fechou o primeiro trimestre em 3,7%, alta de 0,4 ponto percentual no trimestre e em 12 meses.

Essa piora do indicador de calotes chama a atenção porque, em tese, ainda não reflete a recessão da economia esperada pelo efeito coronavírus.

No total, as despesas do banco com provisões foram de R$ 6,7 bilhões, alta de 86,1% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. No período, houve uma queda de 52,8% nas receitas com recuperações de crédito do banco.

Tarifas e despesas

As receitas do Bradesco com prestação de serviços e tarifas registraram aumento de 2,6% em relação ao primeiro trimestre do ano passado e somaram R$ 8,3 bilhões.

A boa notícia para os acionistas do banco veio do lado das despesas operacionais, que ficaram em R$ 11,8 bilhões – 0,4% abaixo do registrado nos primeiros três meses de 2019.

*Conteúdo em atualização

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Estamos em um novo ciclo de alta de commodities?

Por que está se falando tanto em commodities? Isso é o que Matheus Spiess te explica no vídeo de hoje. Observando o histórico de ciclos de alta de commodities, presenciamos ciclos de altas de preços nas matérias primas. E estudos dizem que estamos na beira de um SUPERCICLO. Vamos ao passado: Início de 1900: 2º […]

Controle total

Petrobras: Cade aprova venda da participação da estatal em eólica para FIP Pirineus

Após a assinatura do acordo de R$ 32,97 milhões, o FIP Pirineus passa a deter o controle unitário do empreendimento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies