Menu
2019-12-25T19:37:03-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanços

Santander bate projeções e tem lucro R$ 3,705 bilhões no trimestre, alta de 19,2%

Rentabilidade do banco no terceiro trimestre fica em 21,1%, dentro da ousada meta anunciada pelo presidente da unidade brasileira do banco, Sergio Rial, que pretende manter o nível de 21% até 2022

30 de outubro de 2019
8:44 - atualizado às 19:37
Santander
Santander - Imagem: Shutterstock

O Santander Brasil largou bem na maratona estabelecida pelo presidente do banco, Sérgio Rial, para manter o nível de rentabilidade da instituição em 21% até 2022. A unidade brasileira do banco espanhol registrou lucro líquido de R$ 3,705 bilhões no terceiro trimestre deste ano.

O resultado representa uma alta de 19,2% em relação ao mesmo período de 2018 e superou a projeção média dos analistas, que era de R$ 3,564 bilhões, de acordo com a Bloomberg.

A rentabilidade sobre o patrimônio líquido do banco no terceiro trimestre ficou em 21,1%. Trata-se de um avanço na comparação com os 19,5% do mesmo período de 2018, mas um leve recuo de 0,2 ponto percentual no trimestre.

O chamado ROE, na sigla em inglês, ficou dentro da ousada meta de 21% que o Santander pretende manter até 2022, de acordo com a projeção anunciada por Rial durante evento com investidores promovido no início de outubro. Mas o resultado sinaliza também que o banco não deve ter vida fácil para cumprir o objetivo.

Com lucro e retorno em alta, o Brasil permanece como o maior mercado para o Santander no mundo. A unidade brasileira representou 29% do resultado do grupo espanhol nos nove primeiros meses de 2019.

Atrás no crédito

Embora tenha cumprido a meta de rentabilidade, o Santander largou atrás na expectativa de crescimento do crédito que o banco estipulou até 2022.

O saldo da carteira de crédito encerrou setembro em R$ 408,7 bilhões. Trata-se de um avanço de 3,7% no trimestre e de 7,3% em 12 meses. A meta do banco é apresentar uma expansão média anual de 10% dos financiamentos até 2022.

A margem financeira, linha do resultado que contabiliza as receitas com a concessão de crédito menos os custos de captação, aumentou 4,8% em relação ao terceiro trimestre do ano passado e atingiu R$ 11,7 bilhões.

Junto com a carteira de crédito, as despesas de provisão para cobrir perdas no crédito do Santander aumentaram 7,7%, para R$ 2,8 bilhões. No trimestre, houve uma redução de 0,2%.

O índice de inadimplência da carteira do banco segue controlado e estava em 3% em setembro, estável no trimestre e apenas 0,1 ponto percentual acima do mesmo período de 2018.

Sem ameaça das fintechs

A linha do balanço do Santander que mais surpreendeu foi a de receitas com prestação de serviços e cobrança de tarifas, que registraram um forte crescimento de 14,9% no terceiro trimestre, para R$ 4,7 bilhões.

O número impressiona porque é justamente na área de prestação de serviços que a concorrência das novas empresas de tecnologia financeira (fintechs) acontece mais de perto. Ou seja, se existe essa ameaça, o balanço do Santander (ainda) não sentiu.

O banco acabou compensando a queda nas receitas com cartões – reflexo da chamada "guerra das maquininhas" – em áreas como administração de fundos, consórcios e bens.

As despesas administrativas e de pessoal do banco subiram 4,4% na comparação com o período de julho a setembro do ano passado, para R$ 5,3 bilhões.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

mercados hoje

Ibovespa tenta manter rali em meio à queda em NY; dólar cai de olho em agenda econômica

Índice caminha para terminar o mês em alta de 18%, enquanto moeda norte-americana deve fechar o mês caindo 8%

Razões para sorrir

Com estratégia pulverizada ao longo de novembro, Black Friday fez Magalu crescer mais de 100% no digital

Na ressaca da Black Friday, os investidores pesam o desempenho das companhias de varejo nos últimos dias. Por volta das 10h50, as ações do Magalu subiam 2,03%.

Boas notícias

Ações da Moderna sobem mais de 10% após confirmação de eficácia da vacina e pedido para uso emergencial

Além dos números finais, a empresa também anunciou que irá solicitar a autorização para uso emergencial da vacina junto a FDA e EMA

relatório focus

Economistas elevam pela 16ª semana seguida projeção para inflação em 2020

Aceleração dos preços dos alimentos faz mediana de estimativas para IPCA avançar par 3,54%, segundo BC

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para começar o dia bem informado

Acabou a eleição, acabou novembro e chegamos ao dia mais feliz do ano (ao menos para parte da população brasileira assalariada). Sim, hoje é dia 30 de novembro, cai salário na conta e também a primeira parcela do 13º.  Nada como um dinheirinho para melhorar o humor na segunda-feira.  O dia começa com clima de […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies