🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
JEFF BEZOS RINDO À TOA

Amazon vende mais que o projetado no segundo trimestre e dispara mais de 10% na bolsa

A Amazon teve prejuízo no trimestre, mas as vendas ficaram acima do que o mercado previa — e, assim, as ações sobem forte no after market

Victor Aguiar
Victor Aguiar
28 de julho de 2022
17:12 - atualizado às 9:16
Fachada de vidro da Amazon com logo à frente
Amazon - Imagem: Sundry Photography/Shutterstock

A Amazon era vista como um dos eventuais elos fracos entre as big techs: com uma recessão econômica rondando os EUA, inflação nas alturas e menor demanda do e-commerce no pós-pandemia, muitos duvidavam da empresa de Jeff Bezos. Mas, ao menos no segundo trimestre, a companhia deu um sinal de força, com vendas acima do esperado.

O balanço, divulgado há pouco, mostra que a Amazon teve uma receita líquida total de US$ 121,2 bilhões entre abril e junho deste ano, alta de 7,1% em relação ao mesmo período do ano passado. A cifra superou a média das projeções de analistas consultados pela Bloomberg, que apontava para vendas de pouco mais de US$ 119 bilhões.

Como resultado, as ações da Amazon disparam no after market em Nova York: por volta de 17h08 (horário de Brasília), tinham forte alta de 11,84%, a US$ 136,90; no pregão regular, os papéis AMZN subiram 1,08%, a US$ 122,28.

Amazon: vendas fortes, mas com prejuízo grande

Apesar da reação amplamente positiva do mercado, nem tudo foi positivo no balanço da Amazon. A empresa teve prejuízo líquido de US$ 2 bilhões, revertendo parte dos ganhos de US$ 7,8 bilhões reportados há um ano; o prejuízo por ação foi de US$ 0,76, muito pior que a previsão da Bloomberg, de lucro de US$ 0,52.

Esse resultado negativo, no entanto, é explicado por fatores não-recorrentes, em especial os gastos não-operacionais de quase US$ 4 bilhões com o investimento feito na fabricante de veículos elétricos Rivian — cotadas atualmente a US$ 33,85, as ações dessa empresa já recuaram mais de 80% desde as máximas nas últimas 52 semanas.

O ambiente macroeconômico mais complexo também foi sentido no balanço: a linha de custos operacionais, por exemplo, saltou 11,9% em um ano, para US$ 118 bilhões. Como resultado, o lucro operacional da Amazon no segundo trimestre foi de US$ 3,3 bilhões, baixa de 56,9% entre os períodos.

E quase todos os componentes dessa linha tiveram um aumento entre abril e junho deste ano: os custos dos produtos vendidos cresceram, os gastos com tecnologia e conteúdo avançaram, as despesas com vendas e marketing ficaram maiores e assim em diante.

É um reflexo da inflação elevada e dos custos maiores associados ao varejo — gastos com logística e frete ficaram maiores, em meio à disparada dos combustíveis, entre outras questões. E esse salto nos custos, associado às perdas com a Rivian, colocaram a Amazon no vermelho.

"Apesar da continuidade nas pressões inflacionárias, estamos fazendo progressos nos custos mais controláveis, melhorando em particular a produtividade de nossa rede", disse Andy Jassy, CEO da Amazon, em mensagem aos acionistas.

Computação em nuvem é destaque

Em termos de unidade de atuação, destaque para a Amazon Web Services (AWS), responsável pelos serviços de computação em nuvem. A divisão teve receita líquida de US$ 19,7 bilhões, ficando ligeiramente acima do projetado pela Bloomberg, de US$ 19,4 bilhões.

Mais que isso: as atividades da AWS geraram, sozinhas, um lucro líquido de US$ 5,7 bilhões, alta de 36,3% em relação ao segundo trimestre de 2021. Ao longo do período, a Amazon conquistou clientes como a Delta Air Lines, a Riot Games, a BT e o Jefferies à lista de usuários de seus serviços em nuvem.

O bom desempenho da AWS contrasta com o das demais divisões da Amazon. As atividades de varejo nos EUA tiveram receita líquida de US$ 74,4 bilhões (+10% a/a), mas prejuízo de US$ 627 milhões; o braço internacional de e-commerce teve vendas de US$ 27,1 bilhões (-11,9%) e perdas de US$ 1,8 bilhão.

Amazon: o que vem por aí?

A companhia também forneceu algumas projeções para o resultado do terceiro trimestre, com destaque para a receita líquida que deve ficar na faixa de US$ 125 bilhões e US$ 130 bilhões — um crescimento de 13% a 17% em relação ao mesmo período do ano passado, e acima do que foi visto entre abril e junho.

Vale ressaltar que a Amazon também antevê um impacto negativo da ordem de 4% na receita líquida do terceiro trimestre em função do fortalecimento do dólar em escala global, e que a faixa fornecida já contempla esse efeito. Ou seja: mesmo com as questões cambiais, a empresa vê espaço para crescer.

Há, também, uma segunda informação relevante: as projeções da Amazon assumem que a companhia não fará novas fusões e aquisições até setembro — na semana passada, foi anunciada a compra da One Medical, por US$ 3,9 bilhões, num movimento para expandir a atuação do grupo no setor de saúde.

*Atualiza às 17h26: ao contrário do informado originalmente, a Amazon teve prejuízo de US$ 2 bilhões. O lucro de US$ 7,8 bilhões a que o texto original fazia menção foi reportado no segundo trimestre de 2021. A matéria já está corrigida — pedimos perdão pelo erro.

Compartilhe

LONGE DOS ESCRITÓRIOS

Na contramão de Elon Musk: Amazon, empresa de Jeff Bezos, não tem planos de retorno ao trabalho presencial

8 de setembro de 2022 - 16:50

A gigante de tecnologia adotou o modelo de trabalho remoto no ano passado, em que a quantidade de idas ao escritório é determinada pelos gerentes dos setores

ESTRADA DO FUTURO

Por que você deveria ter as ações (ou BDRs) da Amazon entre as maiores posições do seu portfólio

4 de agosto de 2022 - 5:57

Muita coisa precisa dar errado para que, em longo prazo, esse seja um ponto de entrada ruim para as ações ou BDRs da Amazon (AMZO34)

ROTA DO BILHÃO

Jeff Bezos revolucionou o mundo dos livros e disputa o espaço com Elon Musk; saiba como o dono da Amazon se tornou o terceiro homem mais rico do mundo

24 de julho de 2022 - 8:16

O bilionário foi o homem mais rico do planeta por três anos consecutivos, antes de ser desbancado por Elon Musk; Bezos também teve o divórcio mais caro do mundo

SALÁRIOS MILIONÁRIOS

CEOs das maiores empresas do mundo ganham 324 vezes mais do que o salário médio dos funcionários; confira

19 de julho de 2022 - 12:30

Expedia, Amazon e Intel são as empresas, que compõem o S&P 500, que possuem os maiores salários de CEOs; no Brasil, as maiores remunerações são pagas pelo Santander, Vale e Itaú

Amazon

Amazon anuncia dia do ‘Amazon Prime Day’, evento de vendas com promoções; grupo específico de clientes terá ofertas antecipadas

16 de junho de 2022 - 12:13

Amazon tem “black friday fora de época” em mais de 20 países; saiba mais detalhes

TEMPOS DE VAGAS MAGRAS

Elon Musk, Jeff Bezos e Bill Gates perderam US$ 115 bilhões em cinco meses; saiba por quê

29 de maio de 2022 - 16:22

Os homens mais ricos do mundo acumulam perdas em ações das empresas; Elon Musk, por exemplo, vendeu ações da Tesla para comprar o Twitter

ESTRADA DO FUTURO

Resultado da Amazon pode ter decepcionado o mercado, mas a gigante do e-commerce tem a joia da coroa do setor de tecnologia

5 de maio de 2022 - 6:12

Atenções estão voltadas para a AWS, divisão de infraestrutura em nuvem da Amazon, que deve começar a atrair cada vez mais investimentos

BRIGA DE GIGANTES

Corrida das big techs: Google, Apple e Microsoft fizeram a Amazon (AMZO34) comer poeira?

3 de maio de 2022 - 17:58

Saiba como a gigante do comércio eletrônico dos EUA pode dar a volta por cima após um trimestre decepcionante com prejuízo bilionário

Criptomoedas

A “loja de tudo” está de olho no mundo cripto. CEO da Amazon abre portas para empresa vender NFT no futuro

14 de abril de 2022 - 14:21

Andy Jassy aposta em crescimento significativo dos tokens não-fungíveis; ele também falou sobre a possibilidade de a Amazon aceitar pagamentos em criptomoedas no futuro

INFLUÊNCIA

Google (GOGL34) lidera ranking de marcas influentes no Brasil; Americanas (AMER3) e Natura (NTCO3) também estão na lista

12 de abril de 2022 - 18:23

A big tech Google se mantém no topo da lista de marcas mais influentes no Brasil; 8 das 10 empresas no ranking são de tecnologia

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar