Menu
2020-05-03T15:00:01-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
De olho nos números

Itaú, Banco do Brasil, Gol e Ambev divulgam balanços; saiba o que esperar

Companhias anunciam seus resultados trimestrais na segunda semana da temporada de balanços em meio à pandemia e crise política

4 de maio de 2020
5:30 - atualizado às 15:00
balanços
Imagem: Shutterstock

A temporada de balanços continua a embalar a bolsa, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus e à crise política. Nesta segunda semana da divulgação de resultados trimestrais, o foco está em Itaú Unibanco, Banco do Brasil, Ambev e Gol.

Os números referentes aos três primeiros meses do ano devem mostrar um impacto parcial da Covid-19 sobre as operações das empresas. Assim, a atual safra de balanços servirá para que os investidores possam ter uma noção mais clara do atual estado dos negócios.

Isto porque medidas de isolamento social começaram a ser implantadas em diferentes Estados a partir da metade do mês passado, estendendo-se por abril e maio — e ainda sem previsão concreta para uma retomada total das atividades.

Assim, é de se esperar que, em maior ou menor grau, os resultados das empresas continuarão sendo afetados no segundo trimestre — e os números referentes ao período entre janeiro e março servirão para dar uma dimensão inicial dos estragos que ainda serão sentidos.

Duas caras

Itaú e BB encerram a bateria de divulgação dos balanços dos grandes bancos, e devem mostrar resultados bem distintos. Santander e Bradesco já apresentaram seus resultados na semana passada — e eles também contaram histórias diferentes ao mercado.

Para os analistas, o Itaú deve ter sofrido os impactos mais firmes do covid-19 neste primeiro trimestre. Segundo a média das projeções compiladas pela Bloomberg, o lucro do banco deve somar R$ 5,965 bilhões entre janeiro e março de 2020, uma queda de 11,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

A receita líquida, por sua vez, deve ter leve alta, enquanto o retorno sobre patrimônio não alcançará os 20% neste trimestre — o que, se confirmado, deixará o Itaú abaixo do Santander nesse indicador.

Por outro lado, o Banco do Brasil deverá dar ao mercado um enredo mais entusiasmante. A expectativa dos analistas é de uma alta de 15,3% no lucro líquido, para R$ 4,498 bilhões. A receita líquida também deve ter um avanço de dois dígitos.

Recentemente, o BB informou que desembolsou R$ 83,8 bilhões em crédito novo e prorrogações em meio à pandemia. Em 2019, o banco conseguiu reduzir a distância em rentabilidade em relação aos seus pares, e a Moody's já fez sua aposta de que isso deve continuar a ocorrer. Ou seja: olho nessa métrica.

Vale a pena observar ainda que, para além de lucro e receita, outro dado importante no balanço dos bancos no contexto atual é o gasto com provisão. Este fator indica o quanto as instituições terão de direcionar para arcar com a inadimplência gerada por atrasos em empréstimos nesses tempos de crise.

Projeções para o primeiro trimestre do Itaú

  • Lucro líquido:  R$ 5,965 bilhões (↓11,63%)
  • Receita líquida: R$ 29,372 bilhões (↑3,9% )
  • Retorno sobre patrimônio: 17,74%

Projeções primeiro trimestre do Banco do Brasil

  • Lucro líquido:  R$ 4,498 bilhões (↓15,33%)
  • Receita líquida: R$ 23,32 bilhões (↑12,98%)

Apertem os cintos

A Gol divulga seus resultados nesta segunda-feira (4), antes da abertura da bolsa, e tem tudo para mostrar impactos severos por causa da pandemia. A companhia foi uma das mais afetadas pelo coronavírus, que penalizou o setor aéreo globalmente com a limitação da circulação de pessoas.

A média das projeções de analistas aponta para um prejuízo de R$ 296 milhões no primeiro trimestre de 2020 — no mesmo período do ano passado, as perdas da Gol foram de 'apenas' R$ 37,5 milhões.

Segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil, a Gol foi a empresa mais afetada pelo covid-19 do ponto de vista doméstico. A companhia teve retração de 27,1% da demanda desses voos no mês de março em comparação ao mesmo período do ano passado.

A Gol também foi a segunda que mais sofreu com a demanda de voos internacionais, em queda de 44,1%, atrás apenas da Latam.

Um dado positivo do trimestre inicial do ano foi o acordo firmado com a Boeing quanto às encomendas do 737 MAX, avião-problema da gigante americana.

O entendimento incluiu compensação em dinheiro, alterações em pedidos futuros e pagamentos associados, em que se reduziram os pedidos do modelo e se elevou a flexibilidade para atender necessidades futuras da frota.

Projeções para o primeiro trimestre do Gol

  • Prejuízo líquido:  R$ 269 milhões (↑688,49%)
  • Receita líquida: R$ 3,4 bilhões (↑5,92%)
  • Ebitda: R$ 1,054 bilhão (↑10,74%)

Não desce bem

Depois de fechar 2019 com um resultado "sem brilho", a Ambev provavelmente demonstrará uma queda no lucro líquido ajustado no primeiro trimestre do ano. A projeção da Bloomberg é de uma retração da ordem de 8,3%. O Ebitda deve ter caído mais de 13%.

A pandemia pesou nas expectativas para a empresa. O Credit Suisse, por exemplo, cortou a recomendação e o preço-alvo do papel para R$ 14,50 — à época, previa potencial de alta de 15,54%.

Uma analista do banco suíço pontuou que o coronavírus terá impactos na venda de cerveja na China, que atingirão o pico no primeiro trimestre deste ano. A queda seria de até 80%, escreveu Marcella Recchia, na ocasião.

É sempre bom lembrar que este foi o primeiro trimestre da Ambev com o novo CEO, Jean Jereissati Neto. Uma das prioridades do presidente recém-empossado era fazer com que a empresa se transformasse na melhor fornecedora aos seus clientes.

Como? Aperfeiçoando os níveis de serviço e ferramenta digitais, com foco em otimizar os estoques e a conversão, segundo relataram analistas do Goldman Sachs em relatório. A atenção aos números que essa estratégia rendeu à Ambev em tempos de isolamento social também é importante.

Projeções para o primeiro trimestre da Ambev

  • Lucro líquido:  R$ 2,438 bilhões (↓8,35%)
  • Receita líquida: R$ 12,501 bilhões (↓1,10%)
  • Ebitda: R$ 4,422 bilhões (↓13,63%)

Destaques no calendário de balanços:

  • Segunda-feira (4): Gol, Klabin, BB Seguridade, Itaú;
  • Terça-feira (5): Iguatemi, Tim;
  • Quarta-feira (6): EcoRodovias, Metalúrgica Gerdau, TOTVS, Engie Brasil, CSN, Gerdau;
  • Quinta-feira (7): Banco do Brasil, YDUQS, MRV, Lojas Americanas, Natura, Energisa, Ambev, B2W;
  • Sexta-feira (8): Sabesp.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

PLANOS

Agora parte do BTG, Necton vai em busca de pequenos investidores

Corretora pretende lançar iniciativas e produtos para a base dos investidores, para quem tem entre R$ 10 mil e R$ 15 mil aportados no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies