Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-03T15:00:01-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
De olho nos números

Itaú, Banco do Brasil, Gol e Ambev divulgam balanços; saiba o que esperar

Companhias anunciam seus resultados trimestrais na segunda semana da temporada de balanços em meio à pandemia e crise política

4 de maio de 2020
5:30 - atualizado às 15:00
balanços
Imagem: Shutterstock

A temporada de balanços continua a embalar a bolsa, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus e à crise política. Nesta segunda semana da divulgação de resultados trimestrais, o foco está em Itaú Unibanco, Banco do Brasil, Ambev e Gol.

Os números referentes aos três primeiros meses do ano devem mostrar um impacto parcial da Covid-19 sobre as operações das empresas. Assim, a atual safra de balanços servirá para que os investidores possam ter uma noção mais clara do atual estado dos negócios.

Isto porque medidas de isolamento social começaram a ser implantadas em diferentes Estados a partir da metade do mês passado, estendendo-se por abril e maio — e ainda sem previsão concreta para uma retomada total das atividades.

Assim, é de se esperar que, em maior ou menor grau, os resultados das empresas continuarão sendo afetados no segundo trimestre — e os números referentes ao período entre janeiro e março servirão para dar uma dimensão inicial dos estragos que ainda serão sentidos.

Duas caras

Itaú e BB encerram a bateria de divulgação dos balanços dos grandes bancos, e devem mostrar resultados bem distintos. Santander e Bradesco já apresentaram seus resultados na semana passada — e eles também contaram histórias diferentes ao mercado.

Para os analistas, o Itaú deve ter sofrido os impactos mais firmes do covid-19 neste primeiro trimestre. Segundo a média das projeções compiladas pela Bloomberg, o lucro do banco deve somar R$ 5,965 bilhões entre janeiro e março de 2020, uma queda de 11,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

A receita líquida, por sua vez, deve ter leve alta, enquanto o retorno sobre patrimônio não alcançará os 20% neste trimestre — o que, se confirmado, deixará o Itaú abaixo do Santander nesse indicador.

Por outro lado, o Banco do Brasil deverá dar ao mercado um enredo mais entusiasmante. A expectativa dos analistas é de uma alta de 15,3% no lucro líquido, para R$ 4,498 bilhões. A receita líquida também deve ter um avanço de dois dígitos.

Recentemente, o BB informou que desembolsou R$ 83,8 bilhões em crédito novo e prorrogações em meio à pandemia. Em 2019, o banco conseguiu reduzir a distância em rentabilidade em relação aos seus pares, e a Moody's já fez sua aposta de que isso deve continuar a ocorrer. Ou seja: olho nessa métrica.

Vale a pena observar ainda que, para além de lucro e receita, outro dado importante no balanço dos bancos no contexto atual é o gasto com provisão. Este fator indica o quanto as instituições terão de direcionar para arcar com a inadimplência gerada por atrasos em empréstimos nesses tempos de crise.

Projeções para o primeiro trimestre do Itaú

  • Lucro líquido:  R$ 5,965 bilhões (↓11,63%)
  • Receita líquida: R$ 29,372 bilhões (↑3,9% )
  • Retorno sobre patrimônio: 17,74%

Projeções primeiro trimestre do Banco do Brasil

  • Lucro líquido:  R$ 4,498 bilhões (↓15,33%)
  • Receita líquida: R$ 23,32 bilhões (↑12,98%)

Apertem os cintos

A Gol divulga seus resultados nesta segunda-feira (4), antes da abertura da bolsa, e tem tudo para mostrar impactos severos por causa da pandemia. A companhia foi uma das mais afetadas pelo coronavírus, que penalizou o setor aéreo globalmente com a limitação da circulação de pessoas.

A média das projeções de analistas aponta para um prejuízo de R$ 296 milhões no primeiro trimestre de 2020 — no mesmo período do ano passado, as perdas da Gol foram de 'apenas' R$ 37,5 milhões.

Segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil, a Gol foi a empresa mais afetada pelo covid-19 do ponto de vista doméstico. A companhia teve retração de 27,1% da demanda desses voos no mês de março em comparação ao mesmo período do ano passado.

A Gol também foi a segunda que mais sofreu com a demanda de voos internacionais, em queda de 44,1%, atrás apenas da Latam.

Um dado positivo do trimestre inicial do ano foi o acordo firmado com a Boeing quanto às encomendas do 737 MAX, avião-problema da gigante americana.

O entendimento incluiu compensação em dinheiro, alterações em pedidos futuros e pagamentos associados, em que se reduziram os pedidos do modelo e se elevou a flexibilidade para atender necessidades futuras da frota.

Projeções para o primeiro trimestre do Gol

  • Prejuízo líquido:  R$ 269 milhões (↑688,49%)
  • Receita líquida: R$ 3,4 bilhões (↑5,92%)
  • Ebitda: R$ 1,054 bilhão (↑10,74%)

Não desce bem

Depois de fechar 2019 com um resultado "sem brilho", a Ambev provavelmente demonstrará uma queda no lucro líquido ajustado no primeiro trimestre do ano. A projeção da Bloomberg é de uma retração da ordem de 8,3%. O Ebitda deve ter caído mais de 13%.

A pandemia pesou nas expectativas para a empresa. O Credit Suisse, por exemplo, cortou a recomendação e o preço-alvo do papel para R$ 14,50 — à época, previa potencial de alta de 15,54%.

Uma analista do banco suíço pontuou que o coronavírus terá impactos na venda de cerveja na China, que atingirão o pico no primeiro trimestre deste ano. A queda seria de até 80%, escreveu Marcella Recchia, na ocasião.

É sempre bom lembrar que este foi o primeiro trimestre da Ambev com o novo CEO, Jean Jereissati Neto. Uma das prioridades do presidente recém-empossado era fazer com que a empresa se transformasse na melhor fornecedora aos seus clientes.

Como? Aperfeiçoando os níveis de serviço e ferramenta digitais, com foco em otimizar os estoques e a conversão, segundo relataram analistas do Goldman Sachs em relatório. A atenção aos números que essa estratégia rendeu à Ambev em tempos de isolamento social também é importante.

Projeções para o primeiro trimestre da Ambev

  • Lucro líquido:  R$ 2,438 bilhões (↓8,35%)
  • Receita líquida: R$ 12,501 bilhões (↓1,10%)
  • Ebitda: R$ 4,422 bilhões (↓13,63%)

Destaques no calendário de balanços:

  • Segunda-feira (4): Gol, Klabin, BB Seguridade, Itaú;
  • Terça-feira (5): Iguatemi, Tim;
  • Quarta-feira (6): EcoRodovias, Metalúrgica Gerdau, TOTVS, Engie Brasil, CSN, Gerdau;
  • Quinta-feira (7): Banco do Brasil, YDUQS, MRV, Lojas Americanas, Natura, Energisa, Ambev, B2W;
  • Sexta-feira (8): Sabesp.
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

alto escalão

Fleury: CFO Fernando Leão renuncia ao cargo e será substituído por José Filippo

O Fleury informou que os dois executivos trabalharão juntos em um processo de transição estruturado que se terminará em dia 31 de agosto.

brumadinho

Sindicato recorre e indenização da Vale pode chegar a R$ 3 mi a cada morto em MG

Em nota, a Vale reiterou que está comprometida em indenizar as famílias das vítimas da tragédia de Brumadinho de “forma rápida e responsável”

A bolsa como ela é

3 pegadinhas em balanços de empresas da bolsa que você deve ficar de olho

Não precisa ser um Sherlock Holmes para avaliar os resultados de empresas listadas – embora o trabalho de analista guarde muitas semelhanças com o de um detetive

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies