🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela o nome da ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2022-08-19T14:32:53-03:00
Ricardo Gozzi
NAS NUVENS

Dá pra personalizar mais? Americanas (AMER3) fecha parceria com o Google em busca de mais eficiência e melhor experiência para clientes

Acordo entre a Americanas e o Google prevê hiperpersonalização da experiência do cliente e otimização de custos operacionais

19 de agosto de 2022
14:32
Lupa destaca site da Americanas.com em tela de computador
Americanas e Google unem forças. - Imagem: Shutterstock

É altamente provável que você já tenha sofrido em algum momento dos últimos anos um bombardeio de anúncios de produtos que já comprou ou acabou de comprar. É uma das mazelas do capitalismo de vigilância. Mas, no que depender da Americanas (AMER3) e do Google, esse tipo de situação está prestes a entrar em declínio.

A varejista brasileira e a big tech norte-americana anunciaram hoje um acordo por meio do qual pretendem mudar de uma vez por todas a jornada de consumo de uma base de mais de 53 milhões de clientes.

A Americanas firmou parceria estratégica de longo prazo com o Google Cloud, braço de transformação digital e tecnologia em nuvem da gigante, concentrado na hiperpersonalização da experiência de seus clientes.

Satisfação garantida ou seu dinheiro de volta?

Os detalhes sobre o acordo são escassos, mas está claro que a hiperpersonalização é o ponto de partida da estratégia da Americanas.

De acordo com a empresa, trata-se de uma iniciativa pioneira no varejo brasileiro.

O projeto inclui a transformação das lojas físicas em “pontos digitais de experiência e consumo”.

A proposta é recorrer às ferramentas do Google para obter o maior número possível de informações sobre os clientes e proporcionar um atendimento com satisfação garantida.

De acordo com a Americanas, o acordo “permitirá que os consumidores encontrem produtos com maior facilidade, tenham melhores recomendações e uma experiência de compra e atendimento mais customizada, eficiente, prática e inteligente em qualquer plataforma ou canal de consumo.

Mas não é só disso que se trata o acordo entre a Americanas e o Google.

Com a parceria, a Americanas pretende encontrar soluções para gargalos que a colocaram em desvantagem em relação aos concorrentes, como a logística e os altos custos de operação.

Na avaliação da varejista, o acordo com o Google vai ajudar a reduzir os custos operacionais diretos e, ao mesmo tempo, melhorar o serviço ao consumidor. Tudo isso em um momento de grande queima de caixa no setor de comércio eletrônico.

A expectativa da Americanas é de que o Google Cloud a ajude a ter uma visão mais clara da cadeia de suprimentos como um todo. Nesse sentido, a ideia é investir em ferramentas que ajudem a prever a demanda e controlar os estoques.

Em relação à entrega dos produtos, o objetivo é usar as ferramentas disponíveis também para planejar a logística, permitindo planejamentos de rota praticamente em tempo real.

Americanas tenta virar a chavinha

O acordo com o Google ocorre em um momento no qual a Americanas tenta virar a chavinha depois de ter ficado para trás no universo do varejo online.

AMER3 acumula queda de 70% nos últimos 12 meses. O movimento acompanha a baixa no preço das ações de outras varejistas em meio ao agressivo aperto monetário promovido pelo Banco Central a partir de março do ano passado.

No segundo trimestre, Americanas se destacou pelo bom desempenho operacional, com melhor crescimento de receitas e margens, além de ganho de eficiência na combinação de seus negócios, mas viu as despesas financeiras dobrarem em três meses, o que resultou em um prejuízo de R$ 98 milhões.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Política monetária

Bancos centrais podem elevar riscos ao aumentar juros ao mesmo tempo

25 de setembro de 2022 - 16:37

Economistas alertam que os bancos centrais como um grupo irão longe demais e empurrarão a economia mundial para uma recessão mais profunda do que o necessário

Exclusivo Seu Dinheiro

Dividendos expressivos daqui para frente: fundo imobiliário (FII) está barato, tem potencial de disparar e pode se tornar a fonte de renda extra que você precisa; conheça

25 de setembro de 2022 - 15:00

Artigo produzido por colunista do Seu Dinheiro destaca 5 razões para você acreditar no crescimento de um FII que está bem descontado

Investigação

CVM muda entendimento e vê fraude em operações de criptomoedas do ‘Faraó dos Bitcoins’

25 de setembro de 2022 - 12:54

Mudança de postura da CVM é vista com atenção por sinalizar como o colegiado vai reagir em outros casos envolvendo criptoativos

Sem pânico

Nubank faliu? Entenda o que está acontecendo com a empresa

25 de setembro de 2022 - 11:41

A migração de BDRs do Nubank na bolsa brasileira se transformou num medo coletivo do banco digital fechar as portas no Brasil. Entenda

COM A PALAVRA, PROFESSOR BARONI

‘Já passou da hora de alguns gestores autoliquidarem fundos imobiliários’: o que pensa um dos maiores especialista de FIIs do país sobre a consolidação da indústria

25 de setembro de 2022 - 10:00

Professor Baroni, o analista e especialista em FIIs da Suno Research, discutiu o excesso de opções no mercado em evento do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies