Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-13T07:50:05-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Tirando o atraso

Banco do Brasil tem lucro 32% maior em 2019 e reduz diferença para concorrentes em rentabilidade

BB tem lucro de R$ 17,848 bilhões e rentabilidade de 17,3%, ainda atrás de Itaú, Santander e Bradesco. Em 2020, resultado chegar aos R$ 20,5 bilhões

13 de fevereiro de 2020
7:45 - atualizado às 7:50
Banco do Brasil
Imagem: Shutterstock

O Banco do Brasil reduziu um pouco mais o abismo de rentabilidade que o separava dos principais concorrentes privados em 2019. O lucro líquido recorrente da instituição no ano passado foi de R$ 17,848 bilhões, um aumento de 32,1%.

O resultado ficou dentro da projeção feita pelo banco, que esperava um lucro de R$ 16,5 bilhões a R$ 18,5 bilhões no ano passado.

Além do lucro maior, o Banco do Brasil foi mais rentável. O retorno sobre o patrimônio líquido avançou 3,4 pontos percentuais e alcançou os 17,3%.

O banco segue atrás de Itaú Unibanco, Santander e Bradesco, mas essa diferença vem diminuindo desde que a instituição voltou a priorizar a rentabilidade da operação, em 2016.

Para este ano, o BB já informou o quanto espera lucrar: entre R$ 18,5 bilhões e R$ 20,5 bilhões. Ou seja, no melhor cenário o resultado pode aumentar até 15%.

No quarto trimestre, o lucro recorrente do BB aumentou 20,3%, para R$ 4,625 bilhões, com rentabilidade de 17,7%.

O resultado recorrente não considera itens que não vão se repetir nos trimestres seguintes. O maior deles foi o aumento da alíquota da CSLL, que inicialmente provoca um efeito positivo em razão dos créditos tributários que os bancos carregam no balanço. Os bancos têm usado esse valor a mais para reforçar as provisões.

Crédito cai, mas margem avança

A melhora no lucro aconteceu mesmo com a queda de 2,6% na carteira de crédito do Banco do Brasil, que fechou o ano em R$ 680,7 bilhões. A redução foi puxada pelas operações com empresas, mas foram em parte compensadas pelo aumento nas linhas de crédito com pessoas físicas.

Como os empréstimos para indivíduos têm spreads maiores, a margem financeira, que contabiliza as receitas do banco com crédito menos os custos de captação, aumentou 6,4%, para R$ 53 bilhões, apesar do saldo menor de financiamentos no fim de 2019.

Para este ano, o BB espera a reversão da tendência de queda da carteira e um crescimento entre 5,5% a 8,5% nas operações de crédito.

A redução de 8,6% nas despesas de provisão contra calotes, para R$ 13 bilhões, também ajudou o resultado do Banco do Brasil em 2019.

O índice de inadimplência na carteira de crédito do banco encerrou o ano passado em 3,27%, uma queda de 0,2 ponto percentual no trimestre, mas acima dos 2,53% de 12 meses antes.

O BB informa que a alta no índice no ano é fruto do atraso de um caso específico de grande empresa. A instituição não informa o nome, mas segundo informações de mercado a empresa seria a Odebrecht.

Tarifas e despesas

Mesmo com a pressão da maior concorrência, em particular das empresas de tecnologia financeira (fintechs), as receitas com tarifas do Banco do Brasil registraram alta de 6,4% no ano passado e somaram R$ 29,2 bilhões. Ao mesmo tempo, as despesas administrativas subiram apenas 2,8%, abaixo da inflação de 2019.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Troca de comando

Gustavo Raposo renuncia ao cargo de presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras (PETR4); sucessor já foi escolhido

Com a saída de Raposo, o conselho da empresa deverá deliberar sobre a nomeação do atual diretor de Serviços para o comando

atenção, acionista

Dividendos: WEG (WEGE3) paga R$ 86,8 milhões em juros sobre capital próprio

Valor líquido é de R$ 0,017 por ação; terão direito aos proventos acionistas na base em 24 de setembro, segundo a companhia

Virou o jogo

Ação da Arezzo (ARRZ3) tem compra recomendada pelo Goldman Sachs, após sucesso na integração da Reserva e novas aquisições

Os analistas do banco de investimentos estão mais confiantes no potencial de lucro da empresa e elevaram também o preço-alvo dos papéis

fechamento do dia

Lideranças do Congresso costuram solução para precatórios e Ibovespa recupera os 110 mil pontos; dólar recua, mas Evergrande segue no radar

No dia em que estava previsto para que os problemas com a Evergrande e a cautela pré-Copom brilhassem, foram os presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, e o ministro da Economia, Paulo Guedes que salvaram o dia.

Rende mais que o Tesouro Direto

Fundo de renda fixa libera acesso a investidores em geral e passa a pagar dividendos isentos de IR todo mês

Com retorno corrigido pela inflação e superior ao dos títulos públicos, fundo de debêntures incentivadas Kinea Infra (KDIF11) não será mais restrito a investidores qualificados e passará a distribuir dividendos mensais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies