Menu
2019-12-17T14:20:05-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).

Banco do Brasil vai conseguir manter a rentabilidade? A Moody’s responde

Agência de risco publicou relatório no qual avalia se o Banco do Brasil será capaz de suportar tanto as pressões do cenário macroeconômico como a maior competição

17 de dezembro de 2019
14:20
Banco do Brasil
Imagem: Shutterstock

O Banco do Brasil vai conseguir manter os atuais níveis de rentabilidade em meio ao cenário de maior competição no setor bancário e de taxa de juros nas mínimas históricas? A agência de risco Moody's publicou um relatório para responder a essa questão.

Depois de apresentar uma forte queda no retorno depois da estratégia do governo Dilma Rousseff de usar os bancos públicos em sua frustrada "cruzada" contra os juros altos, o BB passou por uma mudança de gestão na qual voltou a priorizar o retorno aos acionistas.

A estratégia rendeu frutos. De janeiro a setembro, o lucro do Banco do Brasil aumentou 36,8% em relação ao mesmo período do ano passado e alcançou R$ 13,2 bilhões. O lucro saltou de 1% dos ativos tangíveis no quarto trimestre de 2018 para 1,3% no terceiro trimestre deste ano, de acordo com a Moody's.

A grande questão é se essa tendência de melhora é sustentável daqui para frente com o aumento da pressão sobre os bancões. A desconfiança dos investidores se reflete nas ações do Banco do Brasil (BBAS3), que acumulam alta de apenas 8,4% no ano, bem abaixo do Ibovespa, que sobe 27%. Leia também nossa cobertura completa de mercados hoje.

Para a Moody's, a resposta é sim. Ou seja, o BB será capaz de suportar tanto as pressões do cenário macroeconômico como a maior competição nos próximos 12 meses em meio aos esforços da administração do banco em agilizar as operações.

No relatório, os analistas da agência afirmam que o crescimento dos empréstimos em linhas mais lucrativas, assim como a redução das provisões para calotes e a melhora na eficiência, vão continuar a sustentar os resultados do Banco do Brasil. "Os spreads de crédito se mostraram resilientes, refletindo o poder de preço do BB", escreveram.

Abaixo dos bancos privados

A Moody's também espera que o Banco do Brasil consiga melhorar as receitas com tarifas e serviços em áreas como gestão de fundos, serviços e meios de pagamento.

Os analistas esperam ainda uma redução nas despesas do banco com o aumento da importância dos canais digitais no atendimento. Mas fazem uma ponderação: "Apesar da melhora, os índices de rentabilidade do BB devem permanecer abaixo dos concorrentes privados."

A agência de risco também espera que as margens do banco sejam afetadas negativamente pelo aumento da concorrência. As medidas adotadas pelo Banco Central para baixar o spread de crédito, como o limite de taxa de juros no cheque especial, também podem reduzir os ganhos, ainda segundo os analistas da Moody's.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

PLANOS

Agora parte do BTG, Necton vai em busca de pequenos investidores

Corretora pretende lançar iniciativas e produtos para a base dos investidores, para quem tem entre R$ 10 mil e R$ 15 mil aportados no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies