Menu
2019-12-17T14:20:05-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).

Banco do Brasil vai conseguir manter a rentabilidade? A Moody’s responde

Agência de risco publicou relatório no qual avalia se o Banco do Brasil será capaz de suportar tanto as pressões do cenário macroeconômico como a maior competição

17 de dezembro de 2019
14:20
Banco do Brasil
Imagem: Shutterstock

O Banco do Brasil vai conseguir manter os atuais níveis de rentabilidade em meio ao cenário de maior competição no setor bancário e de taxa de juros nas mínimas históricas? A agência de risco Moody's publicou um relatório para responder a essa questão.

Depois de apresentar uma forte queda no retorno depois da estratégia do governo Dilma Rousseff de usar os bancos públicos em sua frustrada "cruzada" contra os juros altos, o BB passou por uma mudança de gestão na qual voltou a priorizar o retorno aos acionistas.

A estratégia rendeu frutos. De janeiro a setembro, o lucro do Banco do Brasil aumentou 36,8% em relação ao mesmo período do ano passado e alcançou R$ 13,2 bilhões. O lucro saltou de 1% dos ativos tangíveis no quarto trimestre de 2018 para 1,3% no terceiro trimestre deste ano, de acordo com a Moody's.

A grande questão é se essa tendência de melhora é sustentável daqui para frente com o aumento da pressão sobre os bancões. A desconfiança dos investidores se reflete nas ações do Banco do Brasil (BBAS3), que acumulam alta de apenas 8,4% no ano, bem abaixo do Ibovespa, que sobe 27%. Leia também nossa cobertura completa de mercados hoje.

Para a Moody's, a resposta é sim. Ou seja, o BB será capaz de suportar tanto as pressões do cenário macroeconômico como a maior competição nos próximos 12 meses em meio aos esforços da administração do banco em agilizar as operações.

No relatório, os analistas da agência afirmam que o crescimento dos empréstimos em linhas mais lucrativas, assim como a redução das provisões para calotes e a melhora na eficiência, vão continuar a sustentar os resultados do Banco do Brasil. "Os spreads de crédito se mostraram resilientes, refletindo o poder de preço do BB", escreveram.

Abaixo dos bancos privados

A Moody's também espera que o Banco do Brasil consiga melhorar as receitas com tarifas e serviços em áreas como gestão de fundos, serviços e meios de pagamento.

Os analistas esperam ainda uma redução nas despesas do banco com o aumento da importância dos canais digitais no atendimento. Mas fazem uma ponderação: "Apesar da melhora, os índices de rentabilidade do BB devem permanecer abaixo dos concorrentes privados."

A agência de risco também espera que as margens do banco sejam afetadas negativamente pelo aumento da concorrência. As medidas adotadas pelo Banco Central para baixar o spread de crédito, como o limite de taxa de juros no cheque especial, também podem reduzir os ganhos, ainda segundo os analistas da Moody's.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

DE OLHO NO NUBANK

Número de contas do Nubank cresce 485%, mas prejuízo também acelera e chega a R$ 312,7 milhões

Mas nem tudo foi ruim. De acordo com o documento apresentado pela fintech, o Nubank fechou o ano passado com 16 milhões de contas, sendo que 45 mil foram apenas contas voltadas para pessoas jurídicas (PJs)

AVERSÃO AO RISCO

‘Índice do medo’ dispara mais de 48% em meio a movimento de aversão ao risco no mundo

Seguindo na mesma direção, o ouro também apresentou alta na tarde desta segunda-feira por conta do movimento de busca por proteção

ECONOMIA

Carnaval 2020 deve movimentar R$ 8 bilhões na economia, diz CNC

Segundo a CNC, “a recuperação gradual da atividade econômica, combinada à inflação baixa” tendem a refletir na recuperação moderada dos serviços turísticos

AVIAÇÃO

Empresa americana ExpressJet Airlines compra 36 aviões da Embraer

A companhia anunciou também que vai diminuir gradualmente a sua frota de aeronaves E175 para acelerar o crescimento e se tornar uma companhia mais eficiente

PESQUISA

Avaliação do governo Bolsonaro fica estável em fevereiro, mostra pesquisa

A expectativa da população para o restante do mandato de Bolsonaro também não variou. Para 40%, a perspectiva é ótima ou boa e para outros 33% é ruim ou péssima

ECONOMIA

Bolsonaro diz que PIX do BC trará mais agilidade e menos custos ao cidadão

O PIX será disponibilizado pelas instituições financeiras a partir de 16 de novembro

Uns crescem, outros recuam

Desigual, recuperação do mercado imobiliário se concentra no Sudeste

Construtoras mantiveram a política de fechamento de postos de trabalho em 14 Estados em 2019

Incentivo à economia

China vai flexibilizar política monetária em resposta a coronavírus

Objetivo é auxiliar a economia do país a se fortalecer em meio aos impactos econômicos do surto da doença

Entrevista

Diretor do FGC: “sempre é melhor prevenir do que improvisar”

Daniel Lima defende as mudanças previstas no texto de Resolução Bancária enviado pelo governo

Seu Dinheiro na sua manhã

No radar: Coronavírus, Ambev, Via Varejo e tensão nos mercados

É Carnaval, mas o clima não é de festa nos mercados globais. O coronavírus faz a aversão ao risco disparar lá fora — a promessa é de uma sessão bem negativa no exterior. Por aqui, o noticiário corporativo aparece em destaque nesta semana. No front dos balanços, a Ambev divulga na quinta-feira (27) seus números […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements