MAGAZINE LUIZA VAI CONTINUAR SUBINDO? Após alta de 80% em agosto, confira 5 respostas definitivas sobre o futuro da ação clicando aqui.

2020-02-27T19:03:51-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Não desceu redondo

‘Sem brilho’: confira como os analistas reagiram ao balanço da Ambev

Apesar de registrar lucro trimestral e anual, resultado demonstra que desafio à frente é grande

27 de fevereiro de 2020
15:37 - atualizado às 19:03
Lata de cerveja da Skol, da Ambev (ABEV3)
Lata de cerveja da Skol, da Ambev - Imagem: Shutterstock

Uma vitória sem brilho. Para resumir, é assim que os analistas de ações avaliaram o resultado da Ambev, divulgado antes da abertura dos mercados. Apesar de registrar lucro trimestral e anual, o balanço da empresa demonstra que, dada a atual situação do mercado, o desafio à frente é grande.

A Ambev teve lucro de R$ 4,6 bilhões no quarto trimestre do último ano, pelo critério ajustado, que desconsidera os chamados eventos extraordinários, o que representou alta de 24,4%. O lucro líquido ajustado no ano subiu 8,5%, alcançando R$ 12,549 bilhões. Veja os números completos do resultado.

O pulo do gato é o custo e a qualidade dos números. No quatro trimestre de 2019, o EBITDA ajustado tombou 9,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior e houve a menor margem EBITDA para esse trimestre em 15 anos. O lucro trimestral cresceu 28% comparado a igual período de 2018, mas predominantemente devido à redução de impostos pela distribuição de juros sobre capital próprio aos acionistas.

Além disso, na análise negativa do mercado pesaram as projeções da empresa para 2020, que descrevem um impacto significativo de uma menor relação preço/mix combinado aos maiores efeitos de preços de commodity e da taxa de câmbio.

As ações ON da Ambev (ABEV4) fecharam o pregão desta quinta-feira (27) em forte queda de 8,34%, a R$ 14,50. No ano, o papel acumula queda de 22,34%. Confira a nossa cobertura de mercados financeiros.

Veja como foi a reação dos analistas de três grandes instituições financeiras ao balanço do Ambev no quarto trimestre de 2019:

Goldman Sachs — Balanço fraco, futuro decepcionante

Recomendação: Compra

Preço-alvo (12 meses): R$ 23,00

"Apesar de volumes melhores no Brasil no trimestre, a relação preço/mix foi decepcionante, e achamos que levantará questões sobre a saúde do portfólio, especialmente para marcas tradicionais"

Além da relação preço/mix, queda das ações deve-se também "às margens no Brasil e à perspectiva de acentuada contração de margem no 1T2020"

"Os principais riscos negativos às nossas estimativas e preço-alvo incluem possíveis fraqueza nos volumes brasileiros e/ou perda de participação de mercado, o que pode gerar investimento no portfólio e retardar a recuperação de margem"

BTG Pactual — Sinal dos tempos

Recomendação: Neutra

Preço-alvo (12 meses): R$ 19,00

Margem EBITDA para o quarto trimestre foi a menor desde 2005 e o lucro, embora tenha crescido 28% em razão da redução de impostos gerada por JCP, veio "15% abaixo de nossa estimativa"

Posição cautelosa da empresa, de que investidores devem esperar queda significativa de EBITDA no primeiro trimestre desde ano, "deve postergar o ritmo de lucro por ao menos um trimestre, disparando mais reduções de projeções de lucros"

Resultado sublinha "como o mercado cervejeiro no Brasil ficou mais duro baseando-se no fim do monopólio virtual da Ambev"

Credit Suisse — Resultados sem brilho

Recomendação: Compra

Preço-alvo (12 meses): R$ 22,00

Expectativa de reação negativa para as ações neste pregão "à luz da redução do guidance para 2020, alerta de lucro EBITDA da cerveja brasileira no 1T, mas com benefícios de volume incertos no futuro, e de resultados sem brilho do 4T19, em menor grau"

Para 2020, Ambev deverá ter "ventos de cauda positivo vindos de commodities" e "melhores tendências de receita da América do Sul"

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Bye Bye, Brasil?

Nubank (NUBR33) não quer mais ser listado na B3 menos de um ano depois do IPO — saiba quais as opções para o investidor

15 de setembro de 2022 - 19:49

O banco digital optou pela listagem dupla no IPO para viabilizar o programa NuSócios, que doou BDRs para cerca de 7,5 milhões de clientes em troca do cadastro na sua corretora; veja o que fazer com os papéis agora

ATENÇÃO, ACIONISTAS!

B3 (B3SA3) pagará R$ 484,3 milhões em dividendos e JCP; data de corte para os proventos é na próxima semana — veja como receber

15 de setembro de 2022 - 19:29

A operadora da bolsa brasileira destinará o montante a quem estiver em sua base acionária na próxima quinta-feira (22)

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana segue sendo o elefante na sala e Ibovespa cai abaixo dos 110 mil pontos; dólar vai a R$ 5,23

15 de setembro de 2022 - 19:12

O Ibovespa acompanhou o mau humor das bolsas internacionais e segue no aguardo dos próximos passos do Fed

PEDIDO À CVM

Associação de investidores quer acessar a lista completa de acionistas da Eletrobras (ELET3); veja por quê

15 de setembro de 2022 - 19:11

Segundo informações do Broadcast, o objetivo da ação é convencer os detentores de 5% do capital da empresa a convocarem uma assembleia para discutir possíveis reparações pela venda de dois ativos

Market Makers

Bancos saíram fortalecidos do ambiente competitivo com fintechs, dizem gestores

15 de setembro de 2022 - 18:40

Breno Guerbatin, da P8 Investimentos, e Felipe Campos, da Navi Capital falaram de bancos e outras teses no Market Makers desta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies