2020-11-05T11:28:01-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Sob nova direção

Como o novo presidente pretende tornar o Banco do Brasil mais rentável

André Brandão quer fortalecer atuação do BB em áreas como o crédito rural e também ampliar a concessão de crédito em linhas com margens melhores (e com maior risco)

5 de novembro de 2020
11:12 - atualizado às 11:28
André Brandão, presidente do Banco do Brasil
André Brandão, presidente do Banco do Brasil - Imagem: Alan Santos/PR

André Brandão assumiu a presidência do Banco do Brasil em setembro, ainda no olho do furacão do coronavírus. Em sua primeira entrevista coletiva de resultados, ele ressaltou os efeitos da crise no balanço, mas sinalizou que o banco pode mais.

O novo presidente afirmou que tem como objetivo melhorar os indicadores de rentabilidade do BB. No terceiro trimestre, o retorno sobre o patrimônio da instituição ficou em 12%, o menor entre os quatro grandes de capital aberto na B3. O lucro do BB foi de R$ 3,5 bilhões, queda de 23,3% na comparação com o mesmo período de 2019 e ficou abaixo das projeções.

Leia também:

Brandão deu algumas pistas de como pretende reduzir a diferença no retorno para os concorrentes privados. Entre os focos está a melhora na experiência do cliente e redução de despesas.

“Não são só palavras ao vento. Nesse mundo novo de maior concorrência é preciso ter uma melhor experiência para o cliente continuar conosco”, disse o executivo, em entrevista realizada por videoconferência.

Do lado das receitas, o Banco do Brasil pretende reforçar a atuação nas áreas em que já possui presença importante. Uma delas é o agronegócio. “Não há outro banco com tanta informação sobre o setor.”

A ideia é ir além do crédito rural e atuar com outros tipos de produtos, como o financiamento de cadeias produtivas, consórcio e seguros. “Não queremos perder mais participação de mercado no setor”

Brandão também aposta em uma maior integração das linhas de negócios do Banco do Brasil. “Podemos criar uma relação cruzada, incluindo metas cruzadas, para extrair mais valor dos clientes no atacado e no varejo.”

O banco também deve ser um pouco mais ousado no crédito para melhorar os níveis de rentabilidade. Brandão disse que o BB pretende explorar linhas de financiamento com melhores margens (e mais risco), como o crédito pessoal e produtos para não-correntistas.

Cielo não está à venda

O presidente do Banco do Brasil disse que os planos de venda de ativos seguem em andamento, mas apenas nos negócios considerados não-estratégicos para a instituição.

O BB não pretende, por exemplo, se desfazer da participação na empresa de maquininhas de cartão Cielo, como o mercado chegou a especular. “A atividade de pagamentos é essencial para o banco. A nossa discussão com o parceiro [Bradesco] está em como melhorar experiência dos clientes”, afirmou.

Em outros negócios, como a unidade de gestão de fundos de investimento (BB DTVM), o banco continua estudando atrair um parceiro estratégico, segundo Brandão.

No pregão desta quinta-feira, as ações do Banco do Brasil (BBAS3) eram negociadas em alta de 0,99% por volta das 11h05. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

SOB NOVA DIREÇÃO

Passou, mas não foi unânime: indicado para comandar a Petrobras (PETR4) é aprovado por comitê — confira a próxima etapa

Caio Mário Paes de Andrade é o quinto gestor da estatal no governo de Jair Bolsonaro, mas seu nome ainda não recebeu aprovação final

VAI FICA DENTRO OU FORA DESSA?

Prepara-se: Metaverso vem aí com jogos, ensino e comércio eletrônico — e deve movimentar US$ 5 trilhões

De acordo com a empresa de consultoria McKinsey, os gastos globais no metaverso podem chegar a US$ 5 trilhões até 2030. Desse total, o e-commerce é visto como o meio que oferece a maior oportunidade, com um valor de mercado previsto de US$ 2,6 trilhões.

CARREIRA DOS SONHOS

Google (GOGL34) é eleita a empresa dos sonhos dos brasileiros; Nubank (NUBR33) e Itaú (ITUB4) também estão na lista

A gigante de tecnologia se mantém na liderança como empresa dos sonhos dos brasileiros na última década; a Google é desejada principalmente entre os mais jovens

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Político pesa no Ibovespa, projeções melhores para VIIA3 e outros destaques do dia

A inflação global elevada e as apostas cada vez maiores de que o mundo deve enfrentar um cenário de recessão econômica continuam alimentando os ursos do mercado financeiro nos quatro cantos do mundo, monopolizando a atenção dos investidores.  Mesmo com um cenário marcado por uma forte aversão ao risco, os principais índices de Wall Street […]

AUMENTA O SOM

Ex-ministro Milton Ribeiro diz ter recebido ligação de Bolsonaro sobre busca e apreensão — ouça o áudio

O telefonema ocorreu em 9 de junho, antes do ex-chefe da pasta da Educação ter sido alvo da operação da Polícia Federal (PF), deflagrada na quarta-feira (22)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies